Translator

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

ROBERTO LEAL DÁ CONTA COMO SE FAZ UMA BOA "PUNHETA" !

video

PROVA DE VINHOS E OS "MIMINHOS" DO MESTRE CASTELO BRANCO

É com imenso agrado que o blogue " Os Comediantes/Maquiavelências" teve conhecimento, através dos blogues: http://frombangkok.blogspot.com e http://combustoes.blogspot.com elaborados por Nuno Caldeira da Silva e o "Mestre" Miguel Castelo Branco, ter havido (3.10.08) prova de vinho na Residência dos Embaixadores de Portugal. O que mais surpreende aos "Os Comediantes/Maquiavelências" é que a divulgação da Embaixada de Portugal, em Banguecoque; seus Embaixadores, navega de vento em popa, dado que os dois blogues, dirigidos por duas proeminentes figuras: Nuno Caldeira da Silva e o "Mestre" ( na prosa de Nuno) Miguel Castelo Branco, ultimamente têm-se ocupado a divulgar os eventos que são levados a efeito na Embaixada.
Porém o Miguel tem lisongiado, com muitos "miminhos", os Embaixadores de Portugal, que este blogue da má língua e divulgação de maquiavelências e comédias, pensa que os miminhos do Miguel trazem muita água no bico.
Há miminhos sinceros e miminhos (graxa) que esperam algo de volta.
Não somos pessoa de miminhos nem de "graxas", ou tirarmos um cabelo que fosse do casaco de um embaixador e, por isso, andamos a desconfiar tantas cortesias do Miguel...
O Miguel continua a não ver lobo pequeno nos sucessos comerciais de Portugal na Tailândia e nos parece (na óptica do mestre) que o nosso país caminha num jardim de rosas, comercialmente.
Quanto ao Nuno Caldeira da Silva já não estranhamos que continue a "soprar" aquilo que de "mestre de cerimónias" bem sabe de beija-mãos às damas mesmo "camafeubianas"; colocar-se nos "píncaros" da fama no antigo Reino do Sião" (Conhecemos um embaixador, meu amigo, que um dia me afirmou: "nunca me cansarei de me promover e, até, fez obra em Banquecoque".)
Agora Miguel, lembre-se sempre... que é mais fácil agarrar um mentiroso que um pé coxinho...
Nós, não tarda, (andamos muito ocupados) que façamos uma panorâmica sobre aquilo que fez e o que não se faz, com mapas estatísticos que dão conta de vendas (e sua queda) de Portugal neste país.
Porém é bonito, diplomaticamente, que se faça uma prova de vinhos em salões dourados, onde por norma nunca são convidadas as pessoas certas, mas umas outras, para beberem uns copos, que nunca comprarão uma garrafa do nosso vinho.
Temos demasiada experiência nos meandros da diplomacia onde o "senhor/a do posto" pretendem ser o melhores, na sua exibição, cosmética, no palco da comédia, onde os seus antecessores já foram actores.
Gostamos de ver o nosso Embaixador Faria e Maya, a sempre elegante e bem vestida embaixatriz Maria da Piedade, com aquele sorriso (dos mais lindos que vimos; soberbamente cativante entre o melhor de todas as embaixatrizes de Portugal que conheci na Embaixada) e os elogios que o Miguel reservou ao Embaixador de Portugal, seu orgulho às suas palavras e a rendição do público à excelência dos nossos melhores produtos para exportação.
José Martins

DIVÓRCIO? PAGAR A ADVOGADOS? NÁ!

Fresquinha (como uma marmota de rabo na boca) e notícia de realce, publicada no blogue http://khmerization.blogspot.com no antigo império Khmer (Cambodja) .
Um casal de cambodjanos, na idade da ternura dos 40, o Rima e a Nhang teriam sido muito felizes, cultivaram o campozinho de arroz à volta da casa que haviam construído e tiveram dois filhos.
Como em qualquer país do mundo o casal desentendeu-se e há que fazer as partilhas.
Bem a Nhang não prestou os carinhos que deveria ter com o marido Rima, durante uma recente doença que foi acometido...
Porém para correr o divórcio no Cambodja, como em Portugal é uma chatice do "caramba", com advogados, papelada e despesas...
Mas parece que lá pelo Cambodja as coisas da Justica não seguem com justiça! Segundo publicou o jornal "Santepheap" de Phonm Penh o sistema judicional está corrompido.
O Rima, marido da Nhang, além de não ter dinheiro para pagar à Justiça/advogados, fez a justiça pelas próprias mãos, levou metade da casa e deixou os dois filhos à mulher.
O Rima valeu-se daquilo que a Lei do divórcio no Cambodja rege: "quando isso sucede os bens são divididos a "mielas" e foi isso, que o Rima fez"
Este lamiré chegou através da redacção do blogue: http://frombangkok.blogspot.com

VIDEO NÃO ACONSELHADO PARA OS QUE SOFREM DO CORAÇÃO!

video

O DESPORTO RADICAL É ÓPTIMO PARA OS VELHOS!

video

NUNCA MAIS DÃO PAZ À CAROLINA