Translator

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

FELIZ ANIVERSÁRIO PARA O EMBAIXADOR MELLO GOUVEIA

Faz hoje 78 anos o Embaixador Mello Gouveia. Não poderia de forma alguma alhear-me a esta data e homenageá-lo como merece. Conheci-o, pela primeira vez, há 27 anos, de quando ainda a chancelaria funcionava no rés-do-chão da residência, dos chefes de missão, a que eu lhe dei o nome de "Nobre Casa". De uma Embaixada de Portugal, que até me envergonhei do seu mau estado, de quando, em 1978, fui à chancelaria para obter um novo passaporte, em pouco mais de um ano era um espaço dos mais belos junto à margem esquerda do Rio Chao Prya. "O homem sonha e a obra nasce!" Durante o seu consulado de quase 7 anos (Agosto de 1981 a Junho de 1988) operou autêntico milagres numa missão que estava absolutamente sem vida actividade alguma.
Milagres, sim, grande foram eles!
Reactivou as relações com o Governo da Tailândia, no aspecto político e cultural; deu início às escavações do "Ban Portuguet" e concretizou-as e muitas outras acções, onde se incluiem comerciais e culturais.
Um embaixador que trazia dentro dele os herois, quinhentistas, da expansão e lá estavam expostos no grande salão da chancelaria: "o Vasco da Gama, o Grande Afonso de Albuquerque, o Lopo Soares de Albergaria, os Tratados antigos entre Portugal e o Reino do Sião, muitas outras figuras encaixilhadas com ourelas de seda tailandesa".
Foram milagres operados sem dinheiro, porque de facto o não havia para nada...
Mas naquelas obras de jardim, na residência, na chancelaria, eu mesmo e outros por boa vontade se pintava, se faziam pequenos muros, se reparava a bomba de água de escoamento quando o rio galgava o muro, nas cheias, entrava para o jardim e chegava à residência.
Saiu, de Banguecoque, em Junho de 1988 e foi chefiar a Missão de Tóquio, dali partiu para Bruxela e continuou a sua Obra, onde neste último posto, conseguiu que num largo da capital da Bélgica, fosse colocada uma calçada portuguesa que foi inaugurada há poucos meses.
Na mesma calçada está o poeta Fernando Pessoa, em bronze, sentado, tal qual como está e Lisboa na frente ao Café Nicola.
Ainda hoje se encontra activo como Assessor Diplomático da Câmara Municipal de Lisboa, posição que ocupa desde há 13 anos.
Nós que nos dedicamos a narrar a história da Embaixada de Portugal, podemos afirmar, com autoridade, que entre os tantos chefes de missão, que em 188 anos, passaram por Banguecoque, foi o melhor.
Somos amigos desde o primeiro dia que nos conhecemos até hoje.
SENHOR EMBAIXADOR UM DIA DE ANIVERSÁRIO MUITO FELIZ EM COMPANHIA DA SENHORA EMBAIXATRIZ, FILHA, GENRO E NETA SÃO OS VOTOS SINCEROS DO SEU SEMPRE AMIGO
ZÉ MARTINS