Translator

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

BOM NATAL PARA O TI PEDRO DO "RESTELO"

Daqui enviamos os votos de um Bom Natal ao Ti Pedro do "Restelo" e ao seu cão

A DESGRAÇADINHA DA TAILÂNDIA - NOS OLHOS DE NUNO CALDEIRA DA SILVA

Nuno Caldeira o "Almocreve das Desgrácias" vive em constante preocupação com as "misérias" que estão à cabeça da "desgraçadinha" Tailândia.
O almocreve (tambem das petas) não se tem cansado de divulgar confrontos políticos/sociais desde que tiveram início há uns meses em Banguecoque, como assim me tenho, naturalmente, insurgido contra os "montes de estrume" que vai escrevendo no seu blogue http://frombangkok.blogspot.com .
Ora segundo me parece alguém, às cavalitas, o integrou como conselheiro político na Delegação da Comissão da União Europeia em Banguecoque e, depois, de não lhe caber um chícharro no rabo da ocupação de tão "grado lugar", criou um blogue onde atira, para fora, a torto e a direito prosa bacorada que em nada é relevante para a União Europeia que lhe paga o salário.
A União Europeia não dispensa as relações com todos os países da Ásia e um funcionário de uma instituição política/diplomática não pode escrever a "granel" notícias e atirá-las para a praça pública.
Vou dar, hoje, com uma notícia publicada no seu blogue que passo a transcrever um parágrafo apenas:
" Entretanto muito preocupante para o país foi o anúncio feito hoje pelo Presidente da Toyota de que este seria o ano de sempre da companhia com uma quebra de vendas de 50% e que não estava em condições de prever o futuro para o Grupo. Sabendo-se da importância da Toyota na economia da Tailândia este anúncio vem na pior altura e será mais uma machadada a acrescentar à já grande lista de sectores que estão a gerar desemprego"
Mas que grande "cacha" o Nuno Caldeira atirou para o mundo "bloguista"!
Todo o mundo sabe que a Toyota, com linhas de produção por diversos países do mundo vai gerar desemprego...
Quem ler a peça de Nuno Caldeira, dá-lhe a impressão que só a Tailândia vai sofrer do "male" do que agora a Toyota anunciou a quebra de vendas. Mas não aconteceu à Toyota só , vai suceder a outras linhas de produção de automóveis da Europa e Estados Unidos.
O Governo espanhol anunciou que a Espanha entrou em recessão económica e atrás dela vão outros países que compõem o "club" dos 27. Portugal como é conhecido não está melhor e a CGD (dinheiro do Povo português) injectou 100 milhões de euros numa empresa, alemã multinacional, estabelecida em Vila do Conde para não entrar na falência e dois mil portugueses desempregados.
Vem me à mente de quando UK de Sua Majestade (neta da Rainha Vitória) aplicou sanções à Rodésia sob o Governo do rebelde PM Iam Smith, onde naquela ex-colónia britânica, praticamente, todos os veículos ligeiros e pesados eram "Made In England".
Não sai do Reino Unido uma agulha que fosse para a Rodésia.
O Iam Smith marinbou-se para as sanções e mandou colher urtigas sua majestade a raínha.
Todos os veículos pesados (eu era mecânico na altura na Rodésia), continuaram a circular e a ser usados na construção de estradas.
E a vida naquele país continuou sob o signo da abundância, porque as terras era demasiadamente fertiles.
A Tailândia tem demasiados veículos a circular ainda por muitos anos pela frente e não só a muita produtividade do solo deste Reino onde há lugar, para trabalhar a terra, para a possível crise de desemprego à vista. Quando cheguei à Tailândia, há 30 anos, a população do reino era de 41 milhões e a cidade Banguecoque com 4 milhões.
Só havia uma linha de montagem de camiões da Isuzu estabelecida desde 1953.
Porém encontrei muita fartura de comida, boa gente e o modo de vida baratíssimo.
Mas já lá vão 30 anos e custo de vida na Tailândia continua (tudo que é produzido no solo) baratíssimo.
E não me canso de afirmar que os efeitos da crise mundial não vai, de certo modo, afectar este país, porque irá continuar a exportar muita comida e a preços competitivos que outras nações não poderão equipará-lo.
Os turista, com algum dinheiro, continuarão a vir à Tailândia porque para eles o preço das férias ser-lhe-á mais em conta.
Mas com, falhas na indústria do turismo com Toyotas e outras empresas multinacionais a encerrar suas actividades a vida vai continuar e as gentes deste país a continuarem a viver sob o signo da abundância.
Por "morrer uma andorinha" não acaba a primavera na Tailândia.
José Martins
P.S. O autor não tem ciúmes da posição do Nuno Caldeira da Silva! Entenda-se e fique claro... Como vão cantar, no dia 8 de Janeiro, próximo, 74 felizes primaveras bem vividas (a trabalhar) e com saúde, apenas o colocar os pontos, vírgulas e ises aonde devem estar. "Nunca o invejoso medrou nem quem ao pé dele morou...!