Translator

sexta-feira, 10 de abril de 2009

ÁGUAS PASSADAS AINDA FAZEM MOVER MOINHOS....ESTA POLÌTICA.... "A GRANDE PORCA!!"

Passou-se há 20 anos em Macau.
-
Residia no território que estava sob a jurisdição do PS. Macau sempre haja sido terra de piratas. Mas com o correr do tempo os piratas foram mudando de roupagem e de tácticas. Houve por lá políticos do PS, em comissão de serviço, que em Macau tarimbaram.
-
Regressaram à "Pátria Querida" e continuaram ligados ao partido que lhes deu a mão, fama e dinheiro.
-
Quando conheci Macau, pela primeira vez, em 1982, governado pelo, oficial da Marinha, Almeida Costa, o território estava a despertar para o progresso. Quando por um ano (1987-1988) permaneci em Macau, como funcionário da Companhia de Electricidade de Macau (CEM), era um ver-se chegar, todos os dias novas caras, para servirem como funcionários o Governo de Macau. Detestei Macau, achei a terra pequenina e tudo muito mesquinho e "zarpei", com minha mulher e o "bé-bé" Maria, a minha filha, para a Tailândia
-
Eram os "tesos" sem eira nem beira em Portugal e que seguiam para Macau, apadrinhados, sob a divina graça e benção do PS.
-
A Drª. Maria Barrosa, a esposa do Presidente da República Dr. Mária Soares, mais o pianista Adriano Jordão organizaram o "Festival Internacional de Música de Macau" que por alguns anos esteve sob os arranjos do Jordão que viria a ser mandado com a "panca às costas" pelo então Governador Rocha Vieira.
-
O Jordão não se convenceu, metia dó, quando passava por Banguecoque, a contar a sua desgraça de ter perdido o arranjo de vida. O Prof. Freitas do Amaral, num parecer, deu-lhe a razão, mas parece que o pianista não recebeu uma "pataca" que fosse de indemnização.
-
Estabeleceram-se em Macau, companhias de construção, portuguesas, fantasmas, sem maquinaria para fazer obras, mas um escritório com engenheiros que entregavam de empreitada aos chineses.
-
Os famosos "Grandes Projectos" foram criados pelo Governador Carlos Melancia onde se incluia um aeroporto construido sobre as águas do Rio das Pérolas; mais uma ponte de Macau para a Taipa e outras obras.
-
Projectos que não eram construídos por amor a Macau...
-
Era necessário andar com isso depressa, por que Macau em Dezembro de 1999, passaria a ser adiministrado pela China. Carlos Melancia foi traído pela sua inocência e, hoje, já velho está falido e sem dinheiro.
-
Foi abandonado por aqueles que protegeu e os fez subir na política e nos "arranjos" de vida que reverteu em riqueza. Poderia aqui descrever muito mais sobre aquilo que aconteceu em Macau que agora tudo não passa de história do passado.
-
Mas esses políticos que foram despachados e apadrinhados pelo Presidente da República Dr. Mário Soares, não foram para Macau para fundir canhões, como o Manuel Bocarro, cujo este "triste", fundia, fundia bocas de fogo de grosso calibre, para conseguir o hábito de Cristo, que nunca el-Rei de Portugal lho viria a conceder. A desgraça do Bocarro não ser olhado por boa-vista dos padres porque correram os rumores que o pobre do fundidor era "marrano" (judeu cristão-novo)
-
Os contemporâneos de Macau sob a divina graça do P.S., foi para eles o subir na vida e sairem das tesuras desde logo chegados a Macau, abanaram a árvore das patacas e entreteram-se, enquanto por lá se quedaram, apanhar a "patacada".
-
Regressaram a Portugal e aqui encontram outras árvores das patacas, sentaram-se à sombra dela, tiraram o chapéu da cabeça, colocando-o junto a eles e esperam que o chapéu se enchesse para ficarem com mais uma "chapelada", não de patacas mas de euros.
José Martins


Quarta-feira, Abril 08, 2009

«QUISERAM PARA MINISTRO QUEM EU NÃO QUIS PARA DIRECTOR DE SERVIÇOS»
-
Tornou-se de repente actual a entrevista concedida pelo Dr. José António Barreiros a "O Independente" de 28/10/2005.Nesta o conhecido advogado José António Barreiros explicava porque e como demitiu, em Macau, o actual ministro da Justiça, na sequência de tentativas de pressão sobre um juiz então feitas por Alberto Costa.
-
- Qual a razão verdadeira por que demitiu Alberto Costa em 1988 do cargo que ele desempenhava em Macau, director dos Assuntos de Justiça?JAB
-
- A razão verdadeira é a que está escrita. Achei que estava quebrada a confiança pessoal, profissional e política na pessoa dele e que a Administração Pública de Macau não podia conviver com um tal dirigente, que tinha tido uma "conduta imprópria" como a dele. Isto mesmo face aos critérios de Macau.
-
- Mas o governador Carlos Melancia revogou o seu despacho.JAB
-
- É verdade, mas não na parte em que o demitia, só na parte em que eu dizia por que o tinha demitido. Foi uma situação única, caricata, mas sintomática. O governador parecia incomodado com o que eu dizia no despacho de demissão. Mas o que eu escrevi na fundamentação do meu despacho foi a mera cópia do que concluiu o inquérito disciplinar que ele próprio mandou instaurar: que Alberto Costa tinha contactado o juiz, à revelia da tutela, alegadamente para o elucidar sobre os aspectos técnico-jurídicos e económicos do caso; e esclarecimentos que, em seu entender, justificariam uma revisão da sua decisão ou decisões sobre a situação prisional dos arguidos e, eventualmente, a sua cessação e subsequente soltura.
-
E porque haveria o governador de estar incomodado, a ponto de se dar ao trabalho de revogar a fundamentação do seu despacho, mesmo não revogando o despacho?JAB
-
- É uma longa história. Mas uma coisa boa resultou para Alberto Costa desta actuação bizarra do governador: que ele, recorrendo para os tribunais administrativos do despacho do governador, que o demitia sem fundamentação, ganhasse a causa, com razão, e fosse contemplado com uma lauta indemnização. Bem lhe pode agradecer.
-
Mas de que história se tratava?JAB
-
- A história que toda a gente veio a conhecer e com a qual ninguém se incomodou: o processo em causa desembocava, então, nos meandros da aquisição pela empresa Emaudio de uma participação no milionário negócio da televisão de Macau. Ora, se pensarmos em quem eram os sócios da Emaudio, os interessados e os beneficiários no negócio...
-
E quem são?JAB
-
- Não me peça pormenores. Tudo isso faz parte de uma história a que ninguém quis ligar, em que todos, hipocritamente, viraram a cara para o lado. Digamos, o senhor Robert Maxwell, que está sepultado no Monte das Oliveiras, em Israel, e os seus amigos portugueses. Grandes amigos e amigos grandes.
-
Envolvendo...JAB
-
- Envolvendo quem estava no negócio e todos aqueles que tinham a obrigação de se terempreocupado com essas e outras questões que vieram a seguir e que as deixaram passar em claro, mesmo quando foram escândalo público. Eles estão aí.
-
Acha que Alberto Costa estava ao serviço desses interesses?JAB
-
- Não tenho que achar o que ninguém achou. Ele disse que tinha ido falar com o juiz para esclarecimento técnico-jurídico recíproco, a nível académico, e sobretudo face a "perplexidades" de amigos dele, um dos quais, segundo ele denunciou, assessor da Presidência da República. Pelo que, no seu entender, tudo se passou numa base de amizade, confiança pessoal, etc.
-
Mas o juiz não considerou isso...JAB
-
- Pelo menos na manhã seguinte queixou-se por escrito, por envolver um funcionário sob minha tutela. E tinha Costa ido, por duas vezes, como cidadão ou como director, falar com o juiz - não foi falar com um amigo mas sim com um juiz em funções - por causa de um processo-crime a seu cargo em que havia duas pessoas presas preventivamente. Aliás, o juiz não era amigo dele. Ele é que vinha por causa das "perplexidades" dos seus próprios "amigos". Enfim, eis uma curiosa maneira de considerar a magistratura: considerar normal que um dirigente da administração pública fale com juízes com processos com presos a cargo, para os fazer rever decisões nesses processos e depois dizer que isso foi feito a nível académico e a título particular. E foi isto o que sucedeu.
-
Abandonou o PS por causa do caso Alberto Costa?JAB
-
- Sim. Escrevi uma carta a Vítor Constâncio, então secretário-geral, a relatar o que vi em Macau e, ao regressar, onde andavam muitos socialistas e ao que andavam. Nem tive resposta. Ou melhor: o chefe de gabinete dele respondeu-me a dizer que o PS "nada tinha a ver com Macau"! Hilariante.
-
E o PS tinha a ver com isso?JAB
-
- Não sei se deva confundir o PS com os negócios, os interesses e as ambições de certas pessoas, por mais bem colocadas que estivessem dentro do partido. O PS foi, aliás, o único partido em que estive, inscrito em 1974 por proposta de Francisco Salgado Zenha. Desde que saí não voltei nem voltarei a qualquer partido. Concorri a Sintra pelo PSD, mas como independente. E hoje estou a anos-luz da política e destes políticos.
-
Mas ficou agastado com a história...JAB
-
- Não tinha que ficar. A consequência directa de ter demitido Alberto Costa foi ser demitido pelo Presidente da República, Mário Soares, alegadamente a meu pedido. É verdade que foi a pedido: não queria continuar. Mas é também verdade que já ninguém me queria ali. Cada um de nós foi - desculpe o óbvio - igual a si próprio. E não pense que tive orgulho no que fiz. Tive vergonha de ter de conviver com isto e de assistir ao que se seguiu.
-
Mas o que se passou na realidade?JAB
-
- O inquérito disciplinar mandado instaurar pelo governador considerou que a conduta de Alberto Costa não integrava uma "pressão sobre magistrado", de onde não era fonte de responsabilidade disciplinar ou criminal mas uma simples "conduta imprópria" da parte dele. Claro que o hoje ministro tenta desvalorizar a conclusão do inquérito dizendo que é uma simples" opinião". Isto na parte em que diz ter sido uma conduta imprópria da sua parte, porque quanto ao resto - o não ser infracção disciplinar - já acha que é o seu certificado de boa conduta. Do que ninguém se livra é dos factos.
-
Surpreende-o vê-lo agora ministro da Justiça?JAB
-
- Já poucas coisas me surpreendem. Mas, ao ter visto na altura que no rol de testemunhas de Alberto Costa no processo disciplinar estavam Jorge Sampaio, Jorge Coelho, Jaime Gama e António Vitorino, percebi logo o que ainda hoje entendo muito bem: aquele rapaz tinha futuro na política. Um grande futuro.
-
Mas eram testemunhas abonatórias...JAB
-
- Claro, e numa fase em que o processo nem sequer acusação tinha. Eram pessoas que, segundo ele, podiam testemunhar o seu "perfil moral, profissional e cívico". Por isso indicou também dois juízes e um procurador-geral-adjunto.
-
Quem?JAB
-
- Acha que isso interessa?... Note, eu não quero confundir. Uma coisa são os amigos "perplexos" do dr. Costa, por causa dos quais ele foi falar com o juiz, outra as pessoas que se prestaram a ser citadas como testemunhas de carácter. Houve quem me escrevesse depois a explicar-se, alegando que não sabia ao que ia. Felizmente guardo tudo em lugar seguro, o pior dos quais ainda é a minha memória.
-
Seja franco, pensa que ele tem perfil para ser ministro da Justiça?JAB
-
- Quiseram para ministro quem eu não quis para director de serviços. São critérios. Mas o problema não é ele ser ministro agora. O problema é ele ter sido deputado, ministro da Administração Interna e sei lá mais o quê. Acho que quem permite isso e com isso coexiste que responda. Eu respeitei-me, demitindo-o. Ponto final.
-
Não pensa que isto está agora a ser agitado por causa da greve dos magistrados?JAB
-
- Não imagino o seu jornal ao serviço dos grevistas... Acho que isto preocupa muitos magistrados, o saberem o currículo do ministro que lhes coube desta, embora alguns "quadros" tenham uma postura mais complacente...
-
Está a referir-se a quem?JAB
-
- Aos que gostam, a nível sindical, de negociar com dirigentes fracos ou enfraquecidos. Esses,quando dialogam com o poder, fingem ignorar os defeitos e exaltam mesmo discretamente alguma virtude, na mira do melhor para as suas reivindicações...
-
Isto aconteceu há muito tempo...JAB
-
- Isso de Macau, pois a complacência com a criatura é de hoje. Pois foi. Aliás, curiosamente, no "site" do Ministério da Justiça, S. Exa. omite esta sua função de director do Gabinete dos Assuntos de Justiça em Macau, de que o demiti. No "site" do PS é que vem esta parte do seu currículo. Muito interessante, não acha?
-
Posso perguntar-lhe por que motivo aceitou falar agora?JAB
-
- Porque, finalmente, a nível dos factos, se sabe agora tudo - e está tudo documentado -, para que quem quiser julgar julgue por si. A revelação pelo blogue Verbo Jurídico do acórdão do Tribunal Administrativo é o ponto final. Nada fica à mercê de especulações. Percebe-se enfim quem é quem. Alberto Costa escreveu um dia um livro a que chamou "Esta não é a Minha Polícia". Eu, que ando pelos corredores da Justiça, posso dizer: este não é o meu ministro. Só que sei porquê - e explico. Neste momento talvez seja uma boa altura para se explicar. Talvez haja quem, finalmente, queira ouvir, pelo menos parte da história. Não é que algo mude. É só para não fazerem de conta.

ESTAREMOS MESMO NESTE CAMINHO?

Encontramos este artigo na internet e de autor desconhecido.... Que transcrevemos na íntegra
Junho 01, 2005
-
Bildeberg
-
Eles fazem parte dessa sociedade secreta , e inventaram a "crise" se quiserem vejam o site do Silvio Guerrinha que está lá tudo o que eles não querem que tu saibas em www.realidadeoculta.com . Eles estiveram reunidos há pouco tempo no dia 08 de maio e umas das figuras foi o Guterres , Sarmento , Balsemão , Barroso etc.. .
No site está lá a forma como eles manipulam as pessoas
-
Junho 01, 2005
QUADRILHAS DE LADRÔES E PREDADORES DO ERÁRIO PÚBLICO
Os motivos que levaram o Marechal Gomes da Gosta a revoltar-se com as suas tropas no epílogo da conturbada I República, para libertar Portugal das unhas destruidoras dos Partidos Políticos de então, a que chamou as "quadrilhas" de ladrões destruidores e famintos da Pátria, não estariam muito distantes da libertinagem política, da incapacidade e do desbaratamento de recursos que o País vem enfrentando nos últimos anos.
-
A impreparação da grande massa das elites políticas - ressalvadas as honrosas excepções - o laxismo e as benesses que foram criando para si mesmos, consagrando-lhes o ego e numa lógica de carreiristas com proventos de gritante injustiça, é insustentável para o País.
-
Muitos deles, impreparados e sem qualquer esperiência de vida, pavoneiam-se nos seus baixos desempenhos com os costumados primores de arrogância e julgam-se os senhores e donos da democracia!!!
-
Hoje uns e amanhã outros, numa sucessão de chorudas reformas que escandalizam o comum dos portugueses, assim vão expurgando o País, o Povo e a Europa.
-
E Viva a II República nesta onda de desgraças sucessivas, em que periodicamente aparecem os salvadores como o actual Executivo!!!!.
-
Posted by omelhordarede at junho 1, 2005 12:10 AM

GRANDE "CACHA"- ELEIÇÕES ANTECIPADAS OU UM CAMBALACHO EM BUSCA DA MAIORIA?

Hoje Sol-10.04.09
Para evitar maior desgaste
Governo ponderou demitir-se e provocar eleições
Por Helena Pereira*
O círculo próximo do 1.º-ministro ponderou a hipótese de o Governo se
demitir e precipitar a realização das eleições legislativas, evitando o desgaste que o provável arrastamento de casos judiciais possa provocar até Setembro
Acaba no domingo o prazo para que Cavaco Silva pudesse convocar eleições legislativas antecipadas para o mesmo dia das eleições europeias – o calendário que José Sócrates chegou a defender como preferível numa das suas últimas entrevistas televisivas.
E este cenário foi reforçado e chegou a ser discutido pelo grupo mais restrito da direcção socialista, na sequência da precipitação das notícias sobre o caso Freeport, o envolvimento do nome do primeiro-ministro e de seus familiares.
José Sócrates, porém, afastou a hipótese de demissão do Governo – que forçaria a convocação de eleições antecipadas pelo Presidente da República, na impossibilidade de o PS sugerir outro primeiro-ministro ou viabilizar solução parlamentar alternativa (e afastada que é qualquer hipótese de Cavaco Silva optar por um Governo de iniciativa presidencial).
Sócrates, como o SOL apurou, está mesmo determinado a sujeitar-se a votos apenas em Setembro.
Sobretudo porque em caso algum admitiria ser o PS a dar o pretexto para uma crise política e, até ao momento, nenhum partido da oposição pôs em causa a legitimidade do Governo ou do primeiro-ministro por causa do caso Freeport e dos seus desenvolvimentos
conhecidos.
* com Maria Teresa Oliveira

CEGUEIRA E GANÂNCIA




Quinta-feira, Abril 09, 2009

Um conto de cegueira e ganância

Estatísticas Banco de Portugal mostram que da totalidade dos créditos ao consumo concedidos pelas instituições financeiras que operam em Portugal, uma percentagem de 48,5% não tem qualquer garantia em caso de incumprimento. Há 26.8% dos valores que estão cobertos por uma hipoteca e para cerca de 10% foi negociada à cabeça uma garantia pessoal, prestada por uma empresa ou por um particular. Analisando o crédito automóvel, os números dos empréstimos não garantidos são ainda maiores, atingindo os 55%.Junte-se o endividamento dos portugueses que já vai para os 120%, para os créditos que nos foram impingidos utilizando todas as técnicas de marketing e precursão e podemos questionar esta gente se esta crise não é um fim há muito conhecido como inevitável? Estavam todos cegos ou simplesmente compactuavam com a ganância de alguns? Quem criou, quem apoiou, quem sustentou, quem fechou os olhos para que chegássemos a este ponto? Rua com eles todos.
Publicada por Kaos em
12:31 10 Pastagens Link
Pastos:
, , , , , , , , ,




O Engenheiro defendeu na Assembleia da Republica que a seu apoio à candidatura do “Cherne”, à Presidência Europeia se justificava por ele ser português e este apoio ser patriótico. A sua cumplicidade com o crime da invasão e destruição do Iraque é assunto do passado e até o facto de ele ter demonstrado a sua subserviência aos interesses dos poderosos e dos grandes grupos económicos não o parece demover. É do interesse de Portugal que o Presidente da Comissão Europeia seja português não interessando quem ele é. Pelos vistos isso basta não importando quais as suas ideias nem as suas práticas. Tudo isto em nome do patriotismo, coisa que não mostra muito quando nos impinge um “Tratado de Lisboa” à força, recusando realizar um referendo, vende este país aos interesses de outros, retirando-lhe poder negocial, destruindo a nossa capacidade produtiva, tanto na industria como na agricultura e condenando-nos a ser o “Inatel” da Europa. Por muito menos já os portugueses defenestraram alguns “patriotas” destes no passado.
Publicada por Kaos em
00:01 7 Pastagens Link
Pastos:
, , , ,
Quinta-feira, Abril 09, 2009
Da nossa avença KAOS

SÃO ROSAS, PATRÃO SÃO ROSAS


O uso, em serviço, de blusas decotadas, saias muito curtas, gangas, perfumes com cheiro agressivo, roupa interior escura, saltos altos e sapatilhas, é proibido às funcionárias da Loja do Cidadão de 2ª geração de Faro, inaugurada no passado dia 3, com a presença do primeiro-ministro José Sócrates que referiu ser “a mais moderna e avançada do Paísin “CM”Se hoje fosse 1 de Abril não acreditava nesta notícia. Assim, fico quase sem palavras. Aqueles tempos cinzentos do antes do 25 de Abril renascem na própria moral salazarista. Está tudo doido?PS: Gostava de saber como é feita a fiscalização à roupa interior das funcionárias.
Da nossa avença KAOS

SEXTA-FEIRA SANTA - AUTO DO CALVÁRIO


Sacrificado ele e os principais ladrões. Os outros "gatunos" são sacrificados, em colectivo, noutra praça pública

Grafismo de José Martins

BATER PALMAS É DE BORLA...


05 de Abril de 2009: Paulo Pedroso na apresentação da candidatura em Almada
-
Publicada por vml
Categoria:

4 comentários:
Rui Silva disse...
Cada vez percebo menos esta sociedade onde vivemos. Como é que um politico daqueles ainda continua a dar cartas?Reza a cantiga do povo português..."Quanto mais me fdx mais gosto de ti"Quando é que este povo irá abrir os olhos?
Segunda-feira, 06 Abril, 2009
vml disse...
A anestesia de pouca-vergonha tem surtido efeito. Aos poucos vamos tornando-nos num povo de putas, pedófilos, chulos, chico-espertos, corruptos, and so on. A cifra vai em 5 milhões, que são os que votam neles. 5 milhões que vivem da teta.
Terça-feira, 07 Abril, 2009
João Aziomanoris disse...
É vergonhoso mas é o país nada democrático onde vivemos, em que um peófilo recebe indemenizações superiores às das vitimas pagas por nós, volta a ser deputado, quando nunca foi ilibado em tribunal, mas sim retirado do processo a mando da Maçonaria que controla PS e PSD. Pois eles têm que defender os deles com telhados de vidro imorais não vão esses meter maiorais ao barulho, pois há-os no PS/PSD e nas pseudoelites, e são bastantes. Sou um Nacionalista Português com ideologia Templária (defensor do que de bom fez o Estado Novo e foi muita coisa) e sendo também um activista anti-NWO, apesar de ser militante do MMS. Venho dar os parabéns ao PNR e afins elos, por terem coragem de focar certos temas que os outros partidos da assembleia e outsiders não focam.Sou é totalmente contra alguma colagem vossa ao nazismo e fascismo, pois Salazar nunca se reviu nem gostava desses regimes, apenas se serviu deles para proteger Portugal, acresce que a formatação da NWO é tão bem feita que a maioria das pessoas nem se apercebe que abraça causas que servem para as alienar das coisas importantes. Para quem não saiba o Nazismo a par do Comunismo foram ambos criados pelos antecessores do Bilderberg, assim Judeus do grande capital também controlavam e lucravam com o próprio Nazismo. Hoje em dia quem controla e fianancia na sombra os grupos de extrema-direita e de extrema- esquerda é uma sociedade secreta subalterna do Clube Bilderberg, sediada na América do Sul (México e Argentina, remeniscência dos Nazis que para lá fugiram com auxilio da P2 e do vaticano) chamada SINARQUIA. Logo o conselho que dou a todos os nacionalistas e nazis portugueses é que abram horizontes e combatam sim a NEW WORLD ORDER das sociedades secretas que nos querem escravizar, em vez de gastar energias em serem racistas e xenófobos. Em termos de nacionalismo português têm o meu apoio, agora colagens a tudo o que Portugal sempre combateu e racismo, sou totalmente contra e terão a minha oposição.Saudações Lusitanas a todos os verdadeiros patriotas.João Santos "Aziomanoris"http://portugalesoterico.blogspot.com
Quinta-feira, 09 Abril, 2009
Patyxa disse...
Meu Deus que Tristeza:(
Quinta-feira, 09 Abril, 2009
Enviar um comentário
Mensagem mais recente Mensagem antiga Página inicial
Subscrever:
Enviar comentários (Atom)
Da nossa avença Terra Portuguesa