Translator

segunda-feira, 1 de junho de 2009

ELA A "CENSURA", MESMO ENCAPOTADA ANDA POR AÍ


Um pequeno grande líder mais o Azeredo e a Estrela na ERC, actualmente, a única pessoa com uma vaga ligação ao jornalismo é a senhora Estrela Serrano, que tem uma brilhante e interessante tese de mestrado a mostrar como a Presidência de Mário Soares, em que ela era assessora de imprensa, manipulou os jornalistas.

Clique em baixo para saber mais

ANA GOMES: UM PAU PARA TODA A COLHER!


Poucos portugueses conhecem a carreira diplomática de Ana Gomes e quase de nada que tenha valido.
-
Possui um "curriculum" fraquíssimo!
-
Ana Gomes subiu na diplomacia de quando seu marido, o diplomata, António Canasteiro Franco, foi o Chefe da Casa Cívil do então Presidente da República Dr. Jorge Sampaio.
-
Surge o Caso de Timor-Leste e Jorge Sampaio acredita-a como Encarregada de Negócios a.i. em Dezembro de 1999, na Embaixada de Jacarta e, em Julho de 2000 e, acreditada, como Embaixadora de Portugal na Indónésia.
-
Em Abril de 2003 a senhora requere licença sem vencimento, junto à Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros, até hoje. Deixou a carreira diplomática e enveredou pela política no Partido Socialista (PS).
-
Valeu-se da popularidade e do apoio internacional ao caso de Timor-Leste e viria a colher dividendos.
-
Volta heroína de nada e é constantemente entrevistada pela comunicação social onde se incluem os canais de televisão. Ana Gomes, nada entendia do caso de Timor-Leste, mas tem a cobertura do presidente Jorge Sampaio, este como ela a facturar com os acontecimentos.
-
Para que ela viesse a entender algo sobre Timor-Leste, contratou o jornalista da Lusa (meu amigo de longa data e trabalhamos juntos) Paulo Nogueira, um especialista em política do Sudeste Asiático e coloca-o como adido da imprensa junto á missão diplomática de Portugal em Jacarta.
-
Devido à popularidade grangeada mercê do caso Timor Ana Gomes, mandou a diplomacia colher malvas e o Partido Socialista coloca-a como deputada no Parlamento Europeu.
-
Ana Gomes tem-se dado por lá muitíssimo bem e foi dando as suas "bocas" (humanitárias!!!!!!) em cima dos võos da CIA nos céus de Portugal. Ana Gomes continua imparável na estrada das suas ambições.
-
Como a Elisa Ferreira pretende ser a presidente da câmara do Porto; ela também quer uma câmara para sí; Sintra é a sua opção e desalojar o Prof. Fernando Seara. Me parece que Sintra é a última etape de sua vida que Ana Gomes quer vencer.
-
Agora apoiando, forte e feio Vital Moreira e vem mencionar os pecados capitais do BPN (acusando o PSD) como que o seu chefe José Sócrate, tenha sido um "santinho", imáculo, de pau de amieiro para colocar num altar.
-
Ana Gomes não tem sentido nenhum humanitário, mas o seu "umbigo"; as suas vaidades e... continua a gostar muito de si.
-
Os Vitais do partido dela que vão para a horta colher urtigas e se fiquem a coçar da comichão, mais tarde ou cedo ela lhes espetará a "punhalada" nas costas.
José Martins

Fernando Veludo (nFactos/arquivo)
Ana Gomes volta a trazer o caso BPN para a campanha


Notícias relacionadas
Vital não está disponível para debates de ...
-
ANA GOMES E A LÓGICA-ESTRUME
-
Há Um dia PALAVROSSAVRVS REX
-
Notícias da Campanha - Ana Gomes volta com o caso BPN
Há 12 horas
Socialistas - Objectivo 2009
-
O DESESPERO ANDA À SOLTA
Há 14 horas
ARGIVAI online
-
Opinião na TVI
-

Ana Gomes volta a envolver o PSD no caso BPN
01.06.2009 - 17h53 Leonete Botelho
Desta vez foi Ana Gomes a desafiar Manuela Ferreira Leite a dizer o que pensa do “escândalo BPN”. Nas “Palavras Assinadas” naTVI, a candidata do PS ao Parlamento Europeu volta a acender o rastilho da polémica ao considerar o caso como “criminalidade financeira organizada em torno de off-shores, bancos estrangeiros de fachada, um negociante de armas procurado pela Justiça espanhola”.Desde sexta-feira à noite, depois do veemente “Não me calarei” de Vital Moreira, que o tema estava arredado da campanha socialista ao Parlamento Europeu. Sábado e domingo José Sócrates esteve nos dois comícios, em Braga e em Viseu e as tréguas do fim de semana não serão mera coincidência.Mas ontem a sétima da lista socialista voltou ao ataque. “ A líder do PSD não se pronunciou até hoje sobre o escândalo BPN”, um caso de “criminalidade financeira organizada que pode envolver o esbulho de 200 mil depositantes, que já implicou 1400 milhões de euros ao Estado e que mancha gravemente a credibilidade interna e externa do sistema financeiro português”, afirmou Ana Gomes. Um caso, repetiu “de criminalidade financeira organizada que envolve altas figuras do PSD: Oliveira e Costa, Dias Loureiro, Joaquim Coimbra, para citar apenas três nomes”. Mas nem dito isto Ana Gomes considera estar a identificar o caso ao partido laranja: “Não se trata de responsabizar o PSD pelo BPN, é exactamente o contrário”. E é por isso que a eurodeputada defende que “é urgente” Ferreira Leite pronunciar-se.“Tem de demarcar-se, tem de condenar os actos eventualmente praticados por militantes do PSD no BPN, tem de exigir a investigação célere e a punição exemlar”. Porque, avisa, “se não se demarcar do BPN, estará a comprometer o bom nome do PSD”.
-
Comentários
1 a 5 de um total de 215
Escrever comentário
-
02.06.2009 - 04h50 - Leandro Coutinho, Porto
A Ana (tal como a Elisa) deveriam estar caladas e caladinhas durante a campanha.. Porquê? Primeiro porque não entra mosca nenhuma (é só a outra opção).. Depois, porque essas duas meninas estão nesta campanha apenas para assegurar tacho.. para assegurar que têm poiso garantido.. Uma está com vontade de regressar ao Porto como autarca e a outra para uma terra que nunca foi a sua.. É um pé num estribo e noutro ao mesmo tempo.. Assim, ficam já seguras numa montada.. se o resto correr mal, já não há problema.. Arriscar? Fazer entrega total a uma causa? Isso não. Isso é para quem for tolinho.. (É por essas e por outras que o Fernando Gomes, há anos atrás, pensava qe tinha um feudo garantido e saiu-lhe o gado mosqueiro com a vitória do Rui Rio)..
-
02.06.2009 - 00h39 - Paulo Conceição, Espinho
Os elementos que configuram o défice democrático do Parlamento Europeu, referem-se à maneira de como este é eleito. De facto, por um lado, o contéudo das campanhas eleitorais que os partidos nacionais organizam pouco tem a ver com as questões europeias, e o que se pretende verdadeiramente é sondar os eleitores sobre matérias de foro interno; por outro, é inevitável que os eleitores sejam em menor quantidade e estejam, em todo o caso, muito menos interessados em exprimir opiniões que julguem irrelevantes. Daí a abstenção. Para além disso, uma vez que se considera que o Parlamento Europeu tem pouca influência sobre as políticas europeias, também o mecanismo clássico que consiste em premiar quem trabalhou bem e punir quem trabalhou mal não funciona. As eleições europeias continuam a ser pouco mais do que uma sondagem de opinião seguida com algum interesse nos diversos contextos nacionais. Ao contrário do que crêem alguns neoparlamentares a solução não consiste em conferir maiores poderes ao Parlamento Europeu, mas em mudar a dinâmica das eleições europeias, criando uma verdadeira concorrência eleitoral entre os partidos de âmbito transnacional. -
02.06.2009 - 00h37 - Nem mais nem menos, Lx
O Luís, de Almada gosta muito que as pessoas sejam consultadas em referendo, mas o PCP não queria o referendo ao aborto...Dizia que a AR tinha legitimidade para decidir. Aí já era mau ouvir o bom povo... (eheheheheh!).
-
02.06.2009 - 00h28 - anonomo, POrto
agentes Potugueses? Colonialismo? Você não sabe do que fala, pois não? Veja o que aconteceu quando Portugal saiu de lá (pois, foram invadidos), mas antes já grupos pró e anti-indonésia se degladiavam entre eles. O Mesmo aconteceu após a independência. Não me venha com essas tretas. É óbvio, que austrália não quer instabilidade junto às suas fronteiras. Para mais a Républica Popular da China já está de olho no território há muito tempo. Quanto às armas, quantos inocentes já foram mortos pelas kalashnhikov (agora a sua evolução tem outro nome)?
-
02.06.2009 - 00h21 - Bruno Moreira, Arroiolos
Análise: - O mal das Sociedades Europeias, principalmente as que estão inseridas na UE, prendem-se com um sistema de plebiscito, mas que acaba por ser indirectamente elitista e até um pouco corporativista, já não direi, tanto, como oligárquico. A mesma estrutura europeia, sofre de uma manipulação refinada, senão vejamos: quando um referendo apresenta um resultado contrário ao desejado, este vai-se repetir, através de pressões/chantagens sofisticadas para que o resultado final seja: YES MAN! Ora vejamos toda esta "açorda" onde está o Durão, o Sarkozi, o Berlusconni, o Zapateiro, o Brawn, a Angela e tantos outros! Podem dizer que é democracia, mas o que se assiste a nível micro e macro-económico, são os arranjos de bastidores onde são encaixados amigos e familiares em postos-chave e de influência administrativa. Isso é que tem de ser alterado! Se a tudo isto juntarmos as decisões emanadas por burocratas e tecnocratas residentes, isto levará sempre a um estado de latência permanente devido a desenquadramentos económico-culturais, do tipo, destruição de algumas infraestruturas de produção e até do próprio ensino
.
Compilação desta peça aproveitando várias fontes.

PORTUGAL - O JARDIM DE OPORTUNIDADES PARA HABILIDOSOS


Apesar de serem militantes de partidos rivais são amigos desde a infância
-
Acções da Mota-Engil desvalorizaram 40,4% desde entrada de Jorge Coelho
-
O Coelho, é um grande gestor.Principalmente porque luta contra tudo e contra todos, nomeadamente o desGOVERNO.Coitadinho do coelhonezinho!Tem perdido todos os concursos, coitadinho, porque o Freenóquio lhe boicota o trabalho! A sorte da Empresa, é que agora o sr.Loureiro, desempregado do conselho, o vai ajudar, e dentro de 6/7 meses eles vão comprar a CGD,(BPN incluido)
-
É caso para dizer: que raio de título é este - aquele, o do Expresso? Para dizer, afinal, que as acções da empresa X desvalorizaram Y% (por causa do Sr. Z???) e iniciaram uma recuperação de W% desde Janeiro deste ano!... Por aqui me fico, sinceramente não gosto de misturas dispensáveis salvo quando efectivamente existe relação causa-efeito directa, entendível e comprovável.40,4% desde entrada de Jorge Coelho
-
Lisboa, 31 Mai (Lusa) - Um ano depois de ter assumido a presidência-executiva da Mota-Engil, Jorge Coelho já pode afirmar que o seu plano estratégico está no terreno, mesmo perante um ambiente económico adverso, principalmente para o sector da construção e obras públicas.
-
Alta Velocidade é prioridade para Portugal Jorge Coelho: TGV «já devia ter avançado há 20 anos»
-
Jorge Coelho
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre

Ir para: navegação, pesquisa
Jorge Coelho
Ministro de
Portugal
Mandato:
XIII Governo Constitucional
Ministro Adjunto
Ministro da Administração Interna
Ministro do Equipamento Social
Partido:

Partido Socialista
-
Jorge Paulo Sacadura Almeida Coelho (n. Viseu, 17 de Julho de 1954), empresário e dirigente político português.
Cresceu em
Mangualde, estudou no Colégio Santa Maria e São José. O avô, Raúl Coelho, apoiante do regime, integrava as listas da União Nacional. Jorge Coelho iniciaria a sua actividade política na União Democrática Popular (UDP), tornando-se, mais tarde, militante do Partido Socialista, de cuja Comissão Permanente, se mantém coordenador.
Foi Chefe de Gabinete do Secretário de Estado dos Transportes do
IX Governo Constitucional, Francisco Luís Murteira Nabo (1983-85) e Deputado à Assembleia da República entre 1987 e 1995. Em Macau, exerceu os cargos de Chefe de Gabinete do Secretário de Estado Adjunto dos Assuntos Sociais, Educação e Juventude (1988-89) e Secretário Adjunto para a Educação e Administração Pública do Executivo de Macau (1989-91). Desempenhou, depois, o cargo de Ministro de Estado e do Equipamento Social (Obras Públicas) no XVI Governo, demitindo-se na sequência da queda da ponte de Castelo de Paiva. Membro do Conselho de Estado a partir de 2004, leccionou no Instituto Superior de Comunicação Empresarial e no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. De 2005 a 2008 foi comentador no programa Quadratura do Círculo, na SIC Notícias.
Licenciado em Organização e Gestão de Empresas, pela
Universidade Técnica de Lisboa, é administrador da empresa de consultoria Congetmark e, desde Abril de 2008, CEO da construtora Mota-Engil.
Nota: Nada temos acrescentar do que acima estás transcrito e copiado de várias fontes. A principal: Epresso.

GENERAL MOTORS ANUNCIOU FALÊNCIA


Cadillac Eldorado de 1958 AP- O 'Solstice' da Pontiac, exposto, principios de Abril en Nova York FRANCE PRESS
General Motors a maior falência da indústria automóvel dos Estados Unidos.
-
O grupo automóvel General Motors anunciou hoje num tribunal de Nova York, como esperado, o pedido para ser autorizado a usar Capítulo 11 da Lei de Falências dos Estados Unidos e com isto produziu a suspensão de pagamentos de uma empresa industrial em toda a história do país
-
Especificamente, a empresa tem dívidas de 172.810 milhões de dólares (122,500 milhões de euros no câmbio actual) em 31 de Março de 2009, data em que o seu património avaliado em 82.290 milhões de dólares (58,360 milhões de euros), que déficit cai no capital próprio de R $ 90.520 milhões de euros (64.200 milhões de euros).
Fontes várias

ELEIÇÕES EUROPEIAS -PEIXEIRADA DO DIA

Os mais "bons" cá do nosso jardim, plantado à beira-mar, têm contado as mais diversas anedotas há "portuguesada".
-
Quaisquer um destes "gajos" oferecem muitas omeletas aos "papalvos" que os ouvem. Só que tenho cá muitas dúvidas onde vão buscar os ovos para fritar a omeletada.
-
Antigamente diziam: "quem mente vão direitinho para o inferno... Então estes mentiroso, se assim fosse, já há muito que estariam feitos em cinzas



A eleição do dia, para o mais mentiroso, vai para o Manuel Pinho (ministro da Economia), com as suas célebres bocas de muitos empregos! Iria resolver, mais o Basílio Horta (o da AICEP) o problema da "Qimonda" e hoje (31.05.09), a todos os trabalhadores, foi técnicamente, anunciado o desemprego!
-
O Pinho, sem remissão de pecado merecia já hoje ir direitinho para o fogo do Inferno!
José Martins

PRÓ PARLAMENTO EUROPEU

O slogan. Vote, vote no CDS! Tá na moda!

CURSO DE OLEIRA!

A arte de de vir a ser uma boa oleira

DULCE PONTES

Isto é para ouvir e repetir!