Translator

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

O IRREVERENTE KAOS APRESENTA....

Mais barulho que música

" O PCP será governo, se e quando o povo português quiser"Jerónimo de SousaBem andei aqui às voltas com a minha calculadora, depois até tentei a Bola de Cristal e honestamente não consegui descobrir em que ano e em que eleições irá o PCP ter votos para ser governo. Sei que o mal não é só desse partido, também o BE e os outros pequenos partidos de esquerda repartem as culpas deste “orgulhosamente sós”, na incapacidade de se unirem para derrotar as politicas de direita. Cada um olha para si próprio, diz-se dono da verdade e da esquerda e recusa consensos. Quem desejar a união que se junte a nós, dizem todos, mas nenhum mostra a abertura para procurar a união naquilo em que podem chegar a uma acordo.O povo português há muito que vota na esquerda em maioria, mas também há muito que diz que não quer um governo do PCP. Sem união os votos nos no PCP, BE só servem para eleger mais um ou outro deputado e não para travar as politicas de direita que nos são impostas pela União Europeia através dos seus lacaios PS e PSD. Sem uma frente comum que junte todos os que são contra estas politicas, ultrapassando o que os divide e potenciando o que os une só nos condenam a mais do mesmo, a vermos no próximo dia 27 de Setembro a festa do Sócrates ou da Manuela Ferreira Leite. É este o respeito que lhes merecem aqueles que sempre votaram na esquerda e desejam poder viver num país mais justo? Ficam satisfeitos com mais umas décimas nos resultados eleitorais? Porque não se unem numa frente de esquerda que seja alternativa de poder. Porra, há portugueses que merecem essa alternativa.
A honesta Santa de Felgueiras

Fátima Felgueiras momentos após a apresentação da sua recandidatura à câmara da cidade afirmou que «Em Felgueiras nunca houve nada que não fosse rigor, honestidade, honra, determinação e coragem para fazer vingar a verdade."Uma candidatura em nome da honestidade. Eu oiço cada uma.
Afinal o 31 da Armada tem o Rei na Barriga

Os autores do blogue colectivo "31 da Armada” hastearam esta madrugada nos Paços do Concelho de Lisboa a bandeira da monarquia.Para assinalar o centenário da República de Lisboa, quatro dos membros do blogue, vestidos de Darth Vaders, numa acção que apelidaram de "guerrilha ideológica” escalaram o edifício da câmara e substituíram a bandeira da Câmara Municipal de Lisboa pela bandeira da monarquia.Não é com bandeiras da monarquia que me convencem. Imaginar que podíamos ter um rei como o Cavaco ou um Mário Soares (o herdeiro seria o João Soares) e ter de aturá-los toda uma vida assusta-me (dez anos já é uma cruz suficientemente pesada). Pronto, esses não têm a nobreza, nem barões ou condes são, mas olhando para a personagem que se reclama como Rei, o Duarte Pio não fico mais descansado. Será que já não chega de desgraças neste país? Para que estão a querer inventar mais?Ou foi só publicidade ao blog?
Os malandros dos pobres

Paulo Portas considera o Rendimento Social de Inserção (RSI) um "financiamento à preguiça". O JN apurou que uma das propostas que irão constar do programa eleitoral dos populares é o pagamento em géneros da prestação. Uma das prioridades do CDS será combater a fraude criada pela atribuição do RSI.Tanta fraude que há para aí e é logo a fraude dos mais pobres dos mais pobres que o Paulinho das Feiras coloca como uma das suas prioridades. Parece que afinal são os abusos que possam existir no RSI prejudicam muito mais o país e não o deixam sair da crise que os dos aldrabões e corruptos que fogem aos impostos, fazem trafulhices nas contas e vivem da especulação à sombra dos paraísos fiscais. Vão é trabalhar, se não arranjarem emprego podem sempre ir à sopa dos pobres e se não podem trabalhar não fazem falta e podem desaparecer. Malandros que só prejudicam este país.Já agora porque também não dizer que são os salários que não deixa a economia crescer mais e propor que os passemos a receber também em géneros? Lembram-se da frase, se vires um homem com fome não lhe dês um peixe, ensina-o a pescar? O CDS pensa exactamente o contrário.
Da nossa avença KAOS

TEMA ACTUAL: "CRISE DE DESEMPREGO NA INGLATERRA"



Jovens entre as idades de 16 a 24, anos, somando 928.000 estão sem emprego – registou-se um aumento de 53.000 nos três últimos meses até Junho.
-
Quase um em três entre as idades de 16 e 17 anos estão a sofrer a mesma situação - e na contingência do abandono da escola.
-
As estatísticas, sombrias, revelaram que o número total de desempregados no Reino Unido saltou de 220.000 para 2,43 milhões de desempregados - o mais alto desde 1995.
-
”The Prince's Trust” informou que o desemprego dos jovens está custando ao Reino Unido £ 3,4 milhões (libras) por dia em benefícios concedidos.
-
Martina Milburn, Chefe do Executivo, de assistência à caridade avisou: "Isto é apenas o começo de uma longa e espiral descendente, o que, muitas vezes, leva ao crime, a sem abrigo, ou pior.
-
"Só com a paragem do desemprego dos jovens, o sistema poderá resgatar o potencial perdido e salvar a economia com a perda de biliões de libras por ano".
-
O partido "Tories" alegou que a juventude da nação estava sendo "um veículo à deriva por causa do sonambulismo de um Governo que se encobre com a presente recessão".
-
O Ministro Mark Harper, das pensões afirmou: "O desemprego está rapidamente a tornar-se a mais premente e social, problema económico e político que assola o Reino Unido. "Os números só revelam metade da realidade.
-
"Por detrás destes problemas está a vida de milhões de pessoas aniquilada. Mais de uma década de complacência e negligência do Ministro do Trabalho afundado num fosso de habilidades onde nunca foi abordado durante o boom económico, os problemas de desemprego agora presentes.
-
"Peço aos ministros que acordem, parar de ignorar os problemas de uma geração de jovens e aprovar a nossa proposta de mais 100.000 que devem receber formação".
-
Senhor Secretário do Comércio Mandelson admitiu a taxa de desemprego eram "inaceitáveis" -, mas alegou que teria sido pior sob o partido Tories.
-
"Precisamos de empregadores públicos e privados, bem como os do sector caridade, para nos ajudar a montar esta campanha nacional para apoiar jovens no Reino Unido."
-
Contudo, a sua chamada a um protesto público pouco fez para clarear a escuridão para jovens desesperados para trabalhar. O desemprego estatísticas indesejável definir um intervalo de registos.
-
O número do alegado subsídio de emprego subiu de 24.900 em Julho para quase 1,6 milhões - a mais alta em 12 anos.
-
E o número de vagas diminuiu para 427.000 nos últimos três meses - o menor desde comparáveis registos começaram em 2001.
-
Média salarial - excluindo prémios - foi até 2,5 por cento sobre um ano atrás, mas foi a mais baixa desde Nacional de Estatística »registos começaram em 2001. -Houve 277.000 despedimentos em três meses até Junho - mais de 3.040 por dia. A taxa de desemprego no Nordeste tem subido em espiral para 9,8 por cento – um desemprego em cada 10 jovens, contra 5,9 por cento na região do Sudeste.
-
Economistas prevêem que o desemprego está no caminho de vir atingir três milhões de Fevereiro do ano próximo.
-
E acrescentaram: "Com mais de um em seis jovens fora do trabalho, o desemprego já está em nível de crise. O Governo tem de fazer mais para pôr as pessoas de volta ao trabalho, caso contrário, corremos o risco de perder uma nova geração de jovens e seguir para o desemprego em massa."
-
Entretanto as empresas, do Reino Unido, procuram trabalhadores estrangeiros porque são vistos como mais "duros no trabalho e de merecida confiança" de acordo com o “Chartered Institute of Personnel and Development”.
Fonte: "The Sun" Tradução livre de José Martins

NOTÍCIAS DE QUINTA-FEIRA (13.08.09)


Não poderia ficar em vão este acontecimento nacional: "A Catarina está grávida...!!!
Pimpinha Jardim está grávida
A filha mais velha de Cinha Jardim está grávida. Catarina Jardim, de 25 anos, e o namorado, Franscisco Spínola, namoram há mais de dois anos e estão “grávidos” há seis semanas, segundo o jornal 24 horas.


Pois se calhar era para juntar aos outros mapas que foram roubados à cinco séculos nos armazéns das Naus, da Ribeira de Lisboa e por via disso os portugueses viram-se lixados com os piratas ingleses e holandeses nos mares do Atlântico, Indíco e do Oriente.
Ladrão de mapas raros planeou golpe em Portugal
Um cidadão húngaro preparava-se para furtar mapas e outros documentos valiosos de bibliotecas portuguesas. Os planos estavam numa agenda apreendida aquando da sua detenção, anteontem, terça-feira, pela Polícia espanhola.
Comentar


Nem precisa de jurar depois de dizer tudo e ter ganho 100 mil euros já ninguém lhe compra mais a história!
Após humilhar Ronaldo, espanhola jura que não volta a falar do jogador

Os bombeiros não vão apagar o fogo?

Listas de Manuela Ferreira Leite incendeiam PSD
100 comentários [4193 visitas]



Aqui deve andar o pésinho do padre "Delícias" e um empurrãozinho do Tonecas Guterres . A igreja não faz política? Mentira com direito ao fogo do inferno!
PolémicaImagem do Santuário de Fátima utilizada em propaganda do PS
28 comentários / 745 visitas Ontem O reitor do Santuário de Fátima manifestou-se hoje desagradado com a inclusão da imagem da instituição na propaganda eleitoral da candidatura do Partido Socialista aos órgãos autárquicos do concelho: «A Igreja não faz política»

Estás perdoado Carlos (por agora)...!!!
Liechtenstein serviu o objectivo de moralizar as tropas de Queiroz
Portugal conseguiu hoje uma vitória e algum moral para os verdadeiros testes – Dinamarca e Hungria – que se aproximam na caminhada para o Mundial de 2010. O adversário também foi escolhido a dedo.

PARA O QUE POSSA SERVIR AOS LEITORES E FAZER O JULGAMENTO AO ISALTINO DE OEIRAS





ISALTINO, ORA CONDENADO,
“VIRA” FILÓSOFO OEIRENSE…

Brasilino Godinho
brasilino.godinho@gmail.com
http://quintalusitana.blogspot.com
01. A sentença condenatória do autarca de Oeiras
01.1 Do sítio www.sapo.pt com data de 03 de Agosto de 2009, transcrevemos:
“O Tribunal de Sintra condenou Isaltino Morais a uma pena de prisão efectiva de 7 anos e à perda imediata do seu mandato. O autarca já anunciou que irá recorrer desta decisão do tribunal. Isaltino Morais foi considerado culpado por quatro dos sete crimes de que estava acusado:
- Fraude fiscal pelo qual foi condenado a indemnizar o Estado em 463 mil euros e à pena de dois anos de prisão;
- Abuso de poder, pelo qual foi condenado a uma pena de prisão de um ano e três meses;
- Corrupção activa, pelo qual foi condenado a três anos e sete meses de prisão;
- Branqueamento de capital, pelo qual foi condenado a uma pena de quatro anos de prisão”.
01.2 As declarações do sorridente Isaltino, à saída do Tribunal:
“A população de Oeiras continua a acreditar na minha inocência”. Era esta a convicção de Isaltino Morais à saída do Tribunal Judicial de Sintra,
concluindo que «não foi provada qualquer acusação». Para o Presidente da Câmara de Oeiras, o Tribunal «considerou a prova arbitrariamente».
02. Um decente condenado? Ou um indecente condenado?
02.1 O Tribunal de Sintra julgou Isaltino Morais, considerando-o culpado de quatro crimes, do conjunto de sete que constavam da incriminação. E pronunciou a sentença condenatória. Perante este facto não cabe a ninguém especular sobre se a decisão é justa ou injusta.
O condenado proclama inocência. É uma atitude pessoal, interesseira e que ingloriamente se aventura por um mui restrito e pretensioso espaço de interesse pessoal. Desde logo, bastante comprometida na sua bondade, porque inquinada de vício peculiar se julga a si mesma – sem quaisquer garantias de isenção, seriedade, distanciamento e objectividade, insofismáveis.
Igualmente não colhe a pretensão absurda de encaminhar para o veredicto popular, à boca das urnas, o julgamento decisivo quanto à presunção de inocência do condenado Isaltino Morais. Sejam os resultados eleitorais quais forem, não terão qualquer relevância na apreciação da matéria factual em causa.
Aliás, poder-se-á dizer que é uma desonestidade intelectual a peregrina ideia de Isaltino Morais e dos seus apoiantes de considerarem que caberá ao eleitorado decidir se, na situação actual, ele é um decente condenado ou um indecente condenado. Pôr essa questão é um expediente idiota que até fere a inteligência do vulgar cidadão. E não abona em favor do autarca condenado pelo Tribunal de Sintra.
03. Certamente, à saída do tribunal, um condenado indecente
03.1 Assim foi! Isaltino Morais apresentou-se risonho, como se viesse de assistir a um espectáculo circense. Ficou-lhe mal que, sendo um antigo magistrado, tivesse sido desrespeitoso para com o tribunal. E acusou o tribunal de ter considerado as provas arbitrariamente. Ou seja: de modo arbitrário (que não depende da regra ou lei), abusivamente. É uma grave acusação aos juízes dizer-lhes que não se determinaram pela rigorosa e isenta aplicação da lei; insinuando que outros terão sido os critérios que aplicaram na elaboração da sentença - porventura, ao arrepio da legitimidade.
Tal nota (isaltinada) de pretendida irregularidade no processo decisório voltou - de forma muito subtil - à baila na conferência de imprensa quando Isaltino de Morais disse que se recusava a ser bode expiatório da classe política.
04. A absurda teoria da arbitrariedade bivalente de Isaltino…
04.1 As declarações de Isaltino Morais à porta do tribunal de Sintra e mais tarde, em conferência de imprensa, configuram uma absurda teoria de arbitrariedade bivalente, na qual se contempla o seu ego de recém-chegado cultor de pseudociência filosófica.
Primeiro, ele disse que o tribunal tinha decidido arbitrariamente em sede de consideração de prova. Mais tarde diria “que não foram apresentadas provas”. Confusão estabelecida. Como entender Isaltino? Houve prova mal considerada ou nem sequer foram apresentadas provas?
Depois afirmou que: “A população de Oeiras continua a acreditar na minha inocência”. Concluindo que “não foi provada qualquer acusação”. Uma conclusão interessante… Se a população de Oeiras acredita na inocência de Isaltino, por que carga de água é que Isaltino não haveria de acreditar na sua inocência? Claríssimo!!! Mais: Como poderia ser provada a acusação, se o povo de Oeiras não acredita nela?...
Verdade que Isaltino terá surpreendido muita gente com os seus eloquentes postulados de alto e isaltinado conteúdo filosófico (…), exemplarmente representados na sua “teoria da arbitrariedade bivalente” que adiante focaremos.
A terminar, acrescentou que o seu “julgamento será feito pelos oeirenses”. Tal afirmação é uma enormidade que jamais se poderia admitir ser pronunciada por um magistrado, mesmo que personalizado no cidadão Isaltino Morais. Ainda por cima, em clamorosa contradição com o seu apontamento marginal: “À Justiça o que é da competência da Justiça; à Política o que é da competência da Política”.
Depreende-se que Isaltino Morais ao pronunciar-se desta maneira, quanto ao “julgamento”, cometeu uma arbitrariedade que releva de se arrogar uma autoridade e prerrogativas de que não dispõe de todo. Então é ele que, envolvido numa causa própria, decide que são os eleitores que irão sentenciar a sua decência (inocência)?
Ademais, se tal “julgamento popular” fosse possível, não seria, também, uma arbitrariedade? Esta, praticada pelo colégio eleitoral formado pelos seguidores da isaltinada figura.
Por último, um parêntesis para destacar outra gritante contradição de Isaltino apresentada na referida conferência de imprensa: “Irei fazer a melhor campanha de sempre”. Então, quem está tão seguro do apoio popular necessita fazer “a melhor campanha de sempre”? Engraçado o contraste com o colega autarca, Filipe Meneses, de Gaia, que, convencido do agrado dos seus munícipes, já disse que não vai fazer nenhuma propaganda. Um exemplo para o Isaltino que, pelos vistos, lá tem reprimidas as suas angustiantes dúvidas… Daí, ser cauteloso. Não vá o Diabo ou o Grande Arquitecto do Universo tecê-las e pregar a partida ao devoto de Morais…
Do exposto - e atentando nas simplórias contradições do “discurso” da isaltinada criatura - facilmente se conclui que para Isaltino Morais a arbitrariedade tem duas valências que, sendo incompatíveis, ele considera que fazem todo o sentido: uma, que se atribuída ao Tribunal de Sintra, por Isaltino em benefício da sua pessoa, é algo de reprovável que terá de ser corrigido pela família judicial a que Isaltino Morais pertence; outra, se praticada por ele, famoso autarca de Oeiras e pelos seus convocados eleitores da próxima eleição municipal, seria um expediente perfeitamente aceitável pelo grupo dos “bons cidadãos” (obviamente, que, neste aspecto, o Zé-Povinho nem conta) que assentaram pouso, regalo e domínio na famigerada “QUINTA LUSITANA” em que está convertido o País – Portugal…
País que, displicentemente, se vai contemplando nestas andanças de mal fazer e pior haver…
______________________________________________________________________
P. S. Relendo o texto, fixo-me na parte final e reconsidero… Se todo o mundo dos portugas está acomodado e satisfeito com o granjeio que é feito na “QUINTA LUSITANA” pelos “bons cidadãos” que dela tomaram posse, conta e proventos, por que haverá pruridos morais ou objecções de princípios (e logo estes, que há muito tempo foram à vela) em acreditar nas numerosas presunções: - de inocências, decências, ardências, benemerências, anuências, potências, convivências, frequências e audiências - dos Isaltinos espalhados pelo país? Até vou mais longe! Também acreditando que Isaltino Morais – obviamente - vai ser absolvido, daqui lhe lanço um repto: Após a absolvição (que, conforme alegremente nos esclareceu, já estará no papo) ter sido concedida em papel firmado por douta autoridade superior da magistratura judicial e ostentando-a como estandarte, lance-se numa campanha nacional tendente a acabar com esse disparate (…) de certas instituições estatais não respeitarem os grandes estatutos de tantos “bons cidadãos” que, com charuto ou sem charuto a fumegar nas mãos limpas, dão lustre, conveniência funcional e reluzente fulgor, à laboriosa actividade de produção e exploração da “QUINTA LUSITANA”… Se tantos apreciam fados dramáticos e se já temos músicas pungentes, harmonizem-se os tons com as cadências e com as obscenas letras