Translator

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

União de facto

uniao de facto

O Presidente da República promulgou a nova lei que dá mais direitos às "uniões de facto", mas como já tinha acontecido com o casamento entre pessoas do mesmo sexo, veio afirmar que promulgar não é o mesmo que concordar. Mas, afinal, qual tem sido a sua relação com o Primeiro-ministro? Tem sido um casamento ou uma união de facto

CHINA - O PERIGO AMARELO PARA O OCIDENTE

.

A China do Futuro vai nos engolir !

Luciano Pires é diretor de marketing da Dana e profissional de comunicação

Alguns conhecidos voltaram da China impressionados.
Um determinado produto que o Brasil fabrica em um milhão de unidades, uma só fábrica chinesa produz quarenta milhões...
A qualidade já é equivalente. E a velocidade de reação é impressionante.
Os chineses colocam qualquer produto no mercado em questão de semanas...
Com preços que são uma fração dos praticados aqui.

Uma das fábricas está de mudança para o interior, pois os salários da região onde está instalada estão altos demais: 100 dólares.
Um operário brasileiro equivalente. ganha 300 dólares no mínimo, que acrescidos de impostos e benefícios representam quase 600 dólares.
Quando comparados com os 100 dólares dos chineses, que recebem praticamente zero benefícios.... estamos perante uma escravatura amarela e alimentando-a...

Horas extraordinárias? Na China...? Esqueça !!!
O pessoal por lá é tão agradecido por ter um emprego que trabalha horas extras sabendo que não vão receber nada por isso...

Atrás dessa "postura" está a grande armadilha chinesa.
Não se trata de uma estratégia comercial, mas sim de uma estratégia de " poder"
para ganhar o mercado ocidental .
Os chineses estão tirando proveito da atitude dos 'marqueteiros' ocidentais, que preferem terceirizar a produção ficando apenas com o que ela "agrega de valor": a marca.

Dificilmente você adquire atualmente nas grandes redes comerciais dos Estados Unidos da América, um produto "made in USA". É tudo "made in China", com rótulo estadunidense.

As Empresas ganham rios de dinheiro, comprando dos chineses por centavos e vendendo por centenas de dólares...Apenas lhes interessa o lucro imediato e a qualquer preço.
Mesmo ao custo do fechamento das suas fábricas e do brutal desemprego. É o que pode-se chamar, de "estratégia preçonhenta".

Enquanto os ocidentais terceirizam as táticas e ganham no curto prazo, a China assimila essas táticas, cria unidades produtivas de alta performance, para dominar no longo prazo.

Enquanto as grandes potências mercadológicas que ficam com as marcas, com os designes...suas grifes, os chineses estão ficando com a produção, assistindo estimulando e contribuindo para o desmantelamento dos já poucos parques industriais ocidentais.

Em breve, por exemplo, já não haverá mais fábricas de tênis ou de calçados pelo mundo ocidental. Só haverá na China.

Então, num futuro próximo veremos os produtos chineses aumentando os seus preços, produzindo um "choque da manufatura", como aconteceu com o choque petrolífero nos anos setenta..... Aí já será tarde de mais.
Então o mundo, perceberá que reerguer as suas fábricas, terá um custo proibitivo e irá render-se ao poderio chinês.

Perceberá. que alimentou um enorme dragão e acabou refém do mesmo.
Dragão este, que aumentará gradativamente seus preços, já que será ele será quem ditará as novas leis de mercado, pois será quem manda e terá o monopólio da produção .
Sendo ela, a China, e apenas ela, quem possuirá as fábricas, inventários e empregos será ela também quem vai regular os mercados e não os "preçonhentos".

Iremos, nós e os nossos filhos,netos... assistir a uma inversão das regras do jogo atual que terão nas economias ocidentais o impacto de uma bomba atômica... chinesa.

Nessa altura em que o mundo ocidental acordar, será muito tarde.

Nesse dia, os executivos olharão tristemente para os esqueletos das suas antigas fábricas, para os técnicos aposentados jogando boliche no clube da esquina, e chorarão sobre as sucatas dos seus parques fabris desmontados.E então lembrarão, com muitas saudades, do tempo em que ganharam rios de dinheiro, comprando "balatinho dos esclavos" chineses,

vendendo caro suas "marcas- grifes "aos seus conterrâneos.

E então, entristecidos, abrirão suas "marmitas" e almoçarão as suas marcas, que já deixaram de ser moda e, por isso, deixaram de ser poderosas pois foram todas copiadas....

CERIMÓNIAS MILITARES: UM ANACRONISMO POLÍTICO, SOCIAL E HISTÓRICO?

.


18 AGO2010

“Sobre a nudez crua da verdade, o manto diáfano da fantasia”
Eça de Queiroz

Confesso que gosto de assistir a cerimónias militares. Sempre que posso e me convidam, faço por estar presente. Sou uma espécie de abencerragem … Desta feita fui assistir ao dia da Infantaria, que coincide com o dia da batalha de Aljubarrota de que este ano se comemorou o 625º (!) aniversário. Esse magnífico fim de tarde de uma aurora luminosa, feito de armas ímpar, inspirador perpétuo dos brios nacionais.

Como é timbre das coisas militares a cerimónia decorreu simples, digna e escorreita. Tempo para observar e reflectir. Eis o resultado.

Se pensarmos bem, todas as cerimónias militares em geral, e algumas em particular (como esta última), representam um anacronismo político. Porquê? Simples, porque tudo o que nela se defende, todo o seu ambiente e todo o seu espírito, não têm qualquer correspondência com a postura política, dos políticos contemporâneos.

Reparem: os militares apelam à defesa da Pátria, evocam os heróis nacionais que a defenderam ao longo dos séculos; honram os caídos nos campos de batalha (no campo da honra?!), respeitam-se os símbolos nacionais. No âmbito político entrega-se a soberania a entidades internacionalistas; subordina-se as leis nacionais ao articulado de Bruxelas,quase ignoraram a santificação de D.Nuno, escondem da população os novos equipamentos para as FAs (vidé submarinos...),etc.

Será que alguns destes actos são compatíveis com o juramento de Bandeira? Ou será que um dia destes vão legislar no sentido de colocarem o símbolo da UE, ao lado da bandeira das Quinas, na formatura?

Nas cerimónias militares respira-se ordem, hierarquia, organização, respeito… quanto à parte política os leitores responderão por si.

Os militares evocam as grandes referências da Nação, aqueles que se bateram com risco de vida, enfim os seus chefes ilustres e os patronos. No campo político permite-se que um cidadão desqualificado pelo seu passado anti patriótico, por se ter bandeado com os inimigos que nos emboscaram as tropas, num passado recente, seja candidato a Presidente da República e Comandante Supremo das FA (e alguns militares também apoiam!...)

No âmbito das cerimónias militares apela-se à união, à coesão, à lealdade, à camaradagem; no campo político é tudo centrifugo e desagregador, deixando a luta político-partidária de ser uma confrontação frutuosa de ideias e de uma luta leal pelo exercicio temporal do Poder, para se transformar numa guerra civil permanente que nos amarga o quotidiano e nos compromete o futuro! (vale o facto de ainda não termos entrado em violência política, mas será que não entraremos a breve trecho?).

Por isto, uma cerimónia militar, representa do ponto de vista político, um anacronismo. E estou convicto que a maioria dos políticos, mesmo os de nomeada, acham os militares uns seres anacrónicos, que não entendem, representam uma despesa e são uma maçada.

Por outro lado, uma cerimónia militar é já um anacronismo social. Porquê? Simples, porque as cerimónias militares são a expressão pública de toda a vivência, referências e estrutura que se vive paredes adentro da Instituição Militar (IM) e tal estar nos antípodas, dos hábitos e valores (ou ausência deles), que há umas três décadas a esta parte imperam na sociedade. O expoente de tudo isto pode ser exemplificado com o fim do Serviço Militar Obrigatório (uma asneira de gabarito!) e a subsequente dificuldade em arranjar recrutas. Além disso, as cerimónias militares não têm público - tirando os familiares nos juramentos de bandeira e cada vez mais têm uma cobertura fugaz na comunicação social.

Ora havendo a existência destes dois anacronismos rapidamente podemos passar para um anacronismo histórico, ou seja, a uma coisa do passado.

Poderá parecer, assim, pela lógica aristotélica, que as cerimónias militares – ou seja a IM – se deveria adaptar às realidades políticas e sociais.

Acontece porém, que aquilo que as FAs e os militares defendem, o modo como se organizam e os valores que os orientam, estão correctos e não podem ser outros. E por isso não são aquelas que têm que se adaptar aos maus exemplos dos políticos e da sociedade. São estes e esta, que devem arrepiar caminho das veredas que levam ao precipício e para onde querem, conscientemente ou não, arrastar uma Instituição quase milenar, que lhes é indispensável.

Uma palavra última para um pequeno anacronismo sobre as cerimónias militares, elas próprias: os discursos são longos e abundantes. Alguns reflectem apenas uma “choca” académica oriunda da “universidade” militar de Pedrouços. Deve-se gastar alguma reflexão nisto.

Em primeiro lugar o público – que já vimos ser escasso – não ouve nada; as forças em parada – por razões que seria ocioso explanar – também não escutam coisa alguma - a estes deve-se falar em ambiente apropriado; os discursos não podem dizer nada de relevante: os assuntos de serviço, devem ser tratados em sede própria; recados para a sociedade ou para o poder político, também. Quem sair fora deste âmbito ver-se-á demitido, seguramente com a carreira prejudicada. Por outro lado, dizer “generalidades e culatras” ou tecer elogios que cheirem a unto, também não fica bem a ninguém. Passar mensagens, referir exemplos, explicar conceitos, dar referencias, de forma entendível e enxuta, eis o desafio. Enfim, a audiência é a bancada…

Finalmente, os discursos em nada reflectem o que se fala a seguir no almoço, tão pouco ao café…

Os anacronismos, verdadeiros ou falsos criam desintonias e estas têm consequências que, por norma, não são boas.

Realidade que o Eça, tão bem, já identificara. www.aloportugal.org

João José Brandão Ferreira

TCor/PIlav(Ref)

UM ESTUDO SÉRIO SOBRE A CERVEJA - TRANQUILOS EMBARRILEM QUE SÓ LHES FAZ BEM!!!

.



Já era tempo que fosse publicado um estudo sério e que se fossem desmistificando algumas crenças infundadas!

1. A CERVEJA PODE MATAR?
Pode. Há uns anos, um rapaz, ao passar pela rua, foi atingido por uma caixa de cerveja que caiu de um camião levando-o à morte instantânea. Além disso, casos de enfarte do miocárdio em idosos teriam sido associados a publicidade a cervejas com modelos de belas mulheres...

2. O USO CONTINUADO DO ÁLCOOL PODE LEVAR AO USO DE DROGAS MAIS PESADAS?
Não. O álcool é a mais pesada das drogas: uma garrafa de cerveja pesa cerca de 900 gramas.

3. A CERVEJA CAUSA DEPENDÊNCIA PSICOLÓGICA?
Não. 89,7% dos psicólogos e psicanalistas entrevistados preferem whisky.

4. MULHERES GRÁVIDAS PODEM BEBER SEM RISCO?
Sim. Está provado que nas operações STOP a polícia nunca faz o teste do balão às grávidas. E se elas tiverem que fazer o teste de andar em linha recta, podem sempre atribuir o desequilíbrio ao peso da barriga.

5. A CERVEJA PODE DIMINUIR OS REFLEXOS DOS MOTORISTAS?
Não. Foi feita uma experiência com mais de 500 condutores: foi dada uma caixa de cerveja para cada um beber e, em seguida, foram colocados um por um diante do espelho. Em nenhum dos casos os reflexos foram alterados.

6. A BEBIDA ENVELHECE?
Sim. A bebida envelhece muito depressa. Para se ter uma ideia, se se deixar uma garrafa ou lata de cerveja aberta, ela perderá o seu sabor em aproximadamente quinze minutos.

7. A CERVEJA CONDICIONA NEGATIVAMENTE O RENDIMENTO ESCOLAR?
Não, pelo contrário. Algumas universidades estão a aumentar os lucros com a venda de cerveja nas cantinas e bares.

8. O QUE FAZ COM QUE A BEBIDA CHEGUE AOS ADOLESCENTES?
Inúmeras pesquisas têm vindo a ser feitas por laboratórios de renome e todas indicam, em primeirissimo lugar, o empregado de mesa.

9. A CERVEJA ENGORDA?
Não. Tu é que engordas.

10. A CERVEJA CAUSA PERDA DE MEMÓRIA?
Que eu me lembre, não!

AS SUAS NOTÍCIAS NO DIA 18.08.10

Capa do Correio da Manhã Correio da Manhã

Foge depois de atropelar quatro jovens
Cristiano Ronaldo: Real Madrid empata
Geovanni: Ex-Benfica nos EUA
James Milner: Negociado com o City
Seia: Idosa morre intoxicada

Capa do Público Público

EUA com sinais positivos em Julho
O dilema da Casa Branca: o que fazer aos gigantes que criaram a bolha imobiliária?
O milagre do pleno emprego no concelho de Alvito
Formação garante entrada mais rápida no mercado
Retrato do mercado de trabalho em Portugal

Capa do Diário de Notícias Diário de Notícias

'Superbactéria' ainda não chegou a Portugal
Criatividadenão faltou
Escultores veteranos vencem no Furadouro
Francisco Leitão ainda pode ser libertado
Jerónimo apoia Confederação das Colectividades

Capa do Jornal de Notícias Jornal de Notícias

Braga desafia favoritismo do Sevilha
Dono diz que pitbull se defendeu
Contas de magnata passadas a pente fino à procura de desvios
Condutor apanhado com 4,2 g/l de álcool é reincidente
Boleia a amigo acabou com roubo de BMW e tiro na perna

Capa do i i

Fogos. Reacendimentos aumentam pelo quarto ano consecutivo
Ana Jorge manda rever prescrição de antibióticos
Mário Machado, Rui Dias e Fernando Gonçalves condenados a prisão
Deputados do PSD são os mais faltosos. Sexta-feira é o dia com mais ausências
Caso Feteira. Duarte Lima é do principais suspeitos

Capa do Diário Económico Diário Económico

Nova Deli faz ultimato à BlackBerry
Domingos tem sete milhões de razões para vencer
Emprego está ao nível mais baixo da década
“Não temos uma Nokia mas temos projectos de sucesso”
“Nenhum Governo governa sem Orçamento aprovado”



Capa do Jornal Negócios Jornal Negócios

BHP parte para a luta na oferta de 30 mil milhões pela Potash
As notícias em foco na edição de hoje, dia 18 de Agosto, no Negócios
Petróleo regressa às quedas após relatório divulgar aumento das reservas nos EUA
Bolsas asiáticas avançam pela quarta sessão consecutiva
16º - António Horta Osório

Capa do Oje Oje

Produção industrial cresce 1% nos EUA com indústria automóvel
PSI 20 fecha a ganhar 1,81% com Cimpor a brilhar
Feira Internacional de Construção e Habitação atrai 83 reservas
Atentado terrorista causa 22 feridos na Rússia
Acordo entre Sport TV e ZAP deixa África Austral sem jogos da Liga portuguesa

Capa do Destak

Destak

Ministério da Saúde diz que hospitais demoram 112 dias para pagar a fornecedores
Advogados de Mário Machado e Rui Dias vão recorrer
Machado e outros arguidos "agiram com culpa grave"
Amnistia Internacional apela às autoridades que deixem de perseguir mãe de Orlando Zapata
Placebo anunciados no Coliseu de Lisboa

Capa do A Bola A Bola



Benfica negoceia Traoré
Empresário de Paraíba confirma contactos
Stojkovic cada vez mais perto de ficar no plantel
Guerreiros contra espanhóis
«Benfica é hipótese interessante» - Salvio

Capa do Record Record

Recordação de Sevilha
Galões de favorito
Crise de centrais
Outro extremo a caminho
Águias compram Traoré por 4 milhões

Capa do O Jogo O Jogo

“Estudantes” vencem Tourizense (1-0) na apresentação do "clube-satélite"


Varejão hospitalizado em Espanha
Ferguson: "Não me parece que o ritmo das contratações caras vá abrandar"
Van der Vaart: "Para mim não é um problema que Ozil venha"
David Addy suspenso por um jogo