Translator

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

QUEM QUER UM CAGANER? (3)


Quinta-feira, 18 de Novembro de 2010
por João Carvalho 18.11.10

Este caganer é para o ministro Mendonça. Às segundas, quartas e sextas, para suspender o TGV, põe o guarda da linha férrea de frente e mostra a bandeirola vermelha; às terças, quintas e sábados, para avançar com o TGV, vira o ferroviário de costas e deixa o projecto sair...


tags:


PartilharEmail
SAPO LinksTwitterGoogle bookmarksFacebook


PORTUGAL - ECONOMIA PROBLEMAS


Portugal

Portugal tem os mesmos problemas que em outros lugares - uma dívida pública crescente (86% do PIB) o financiamento de um governo de decisões de perda (a 9% do PIB). De fato, juntamente com a Irlanda, é visto como o mais fraco da economia europeia depois da Grécia.

A esquerda do governo Português tem lutado ao longo de um governo minoritário, depois que membros de sua separação do partido em 2009 para aderir a um partido de extrema-esquerda.

Desde então, eles têm confiado em votos de seus adversários de centro-direita que têm sido amplamente favorável até agora.

Em um esforço para evitar uma crise, como a Grécia, no início deste ano Portugal moderadamente cortar gastos públicos e aumento de impostos.

Mas os emprestadores no mercado financeiro têm sugerido isso não é suficiente.

Portanto, o governo se comprometeu a passar os cortes mais severos e aumentos de impostos no seu orçamento de 2011 previsto para meados de Outubro.

Mas a oposição anteriormente suporte disse que eles não vão votar em mais aumentos de impostos, apesar de a OCDE recomenda que eles façam.

Como resultado dessa indecisão, os custos dos empréstimos subiram ainda mais esta semana como emprestadores se preocupar com a capacidade de Portugal para cumprir as suas promessas de trazer das suas finanças públicas volta à

boa saúde.

Isso vai piorar as coisas para Portugal, já é um país muito pouco competitivo, que tem experimentado um crescimento económico baixo da última década.

P.S. – Autor desconhecido e apareceu no e-mail deste blogue josegomes.martins@gmail.com

CRISE ECONÓMICA NA ZONA DO EURO - 18.11.10

Brian Lenihan, finance minister of Ireland
Brian Lenihan, ministro das Finanças da Irlanda. Fotógrafo: Aidan Crawley / Bloomberg

Funcionários da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional deslocam-se a Dublin hoje com o propósito do Governo irlandês de perto aceitar uma ajuda para suas finanças nacionais e do sistema bancário.

O governo vai manter conversações com a UE, FMI e o Banco Central Europeu na capital "ao longo de vários dias", disse um porta-voz do Ministério das Finanças. As discussões serão realizadas no Banco Central da Irlanda, e a agência vínculo , do Ministério da Fazenda. Não estão previstos encontros com a imprensa hoje.

Enquanto Comissário da UE , Olli Rehn, indicou, ontem, o centro de discussões sobre o sistema financeiro, o banco central disse que a Irlanda terá também em conta passos "para melhorar o mercado de confiança "nas" finanças públicas. "primeiro-ministro Brian Cowen disse que o governo é totalmente financiado até meados -2011.

"Estamos no fim do jogo", disse James Nixon, do co-chefe economista europeu do Societe Generale em Londres. "A ajuda é extremamente necessária, não apenas para conservar a soberania, mas para o sector bancário".

A missão de Dublin aliviou as preocupações dos investidores sobre as perspectivas fiscais da Irlanda. O rendimento é de 10 anos dos títulos públicos, a Irlanda caiu 13 pontos base para 8,327 por cento ontem, cortando o "spread" sobre títulos da dívida alemã equivalente a 551 pontos-base. A propagação tocou um recorde 652 pontos em 11 de novembro.

Ministro das Finanças, Brian Lenihan não tem eventos agendados, públicos, hoje.Cowen, que disse a emissora estatal RTE, ontem à noite que ele não irá definir a sua posição de negociação antes de iniciar as conversações, vai participar de um evento promovido pela International Business Machines Corp às 12:30 horas de hoje.

Livro Scan

A União Europeia, do BCE e da equipe do FMI fará a liquidação, da dívida, dos bancos endividados da Irlanda para determinar se o governo pode corrigir o sistema bancário por conta própria ou precisa de recuar sobre os 750 bilhões de euros (US $ 1 trilhão) Europeu de Estabilidade Financeira do Fundo. Enquanto Cowen rejeitou falar de um resgate total, ele está se esforçando para convencer investidores que seu governo pode fortalecer um sector bancário golpeado pela queda da propriedade.

Desgraças, bancárias, da Irlanda são "transbordando ao máximo", disse Rehn a repórteres em 16 de Novembro. A decisão de enviar funcionários da UE para a Irlanda "deve ser considerada como uma intensificação dos preparativos para um pedido da Irlanda para um programa da União Europeia e do FMI."

Presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, poderá fazer seus primeiros comentários, públicos, sobre o resgate irlandês, em potencial, quando ele falar sobre o projecto, painel, às 14:30 de hoje em Frankfurt.

"As negociações têm sido problemáticas", disse Ken Wattret, economista-chefe da zona do euro do BNP Paribas em Londres. "No centro há um conflito de interesses - o desejo da UE é parar o contágio para empurrar Portugal para o EFSF e um programa do FMI, enquanto o governo irlandês não está disposto a abrir mão do controle de sua política econômica."

Para contatar o repórter nesta história: Dara Doyle em Dublin, ddoyle1@bloomberg.net

Para contactar o editor responsável por essa história: John Fraher na jfraher@bloomberg.net

EL PAÍS: "A SELECÇÃO DEL BOSQUE RECEBE OUTRA SURRA DE PORTUGAL."



Espanha não transmite prestígio
A selecção de Del Bosque, muito pálida, recebe outra surra de Portugal e da Argentina
JOSÉ SÁMANO - Lisboa - 18/11/2010
Ela caiu diante da Argentina e recebeu outra surra de Portugal, dois adversários que enfrentaram jogos no trânsito de penitência, dolorosa, através do sucesso na África do Sul e sua turbulenta história de derrotas recentes. Não é que a selecção de Del Bosque foi acomodado com uma estrela no peito, mas a defesa de seus títulos é sempre um desafio para os adversários.

ALJUBARROTA, MAIS UMA VEZ, RESSUSCITOU COM LUZ!





Portugal 4 (sem tosse) Espanha 0 (à esquerda
Por uma noite, o campeão do mundo foi Portugal

PUXA....DE ESPANHA SÓ "GAJAS" E A TOCAR CASTANHOLAS...!!!

.
"Eu cá de Espanha gosto muito de ver os "encerros" de Pamplona e ver os espanhois correr em frente e pendurados nos cornos dos bois"


Mundial de 2018
FIFA diz que candidatura Ibérica tem "baixo risco" de falhar
por LUIS MANUEL CABRAL Ontem


Um relatório da FIFA coloca as candidaturas da Inglaterra e de Portugal-Espanha como as que apresentam menor risco de falharem a organização do Mundial de Futebol.

BLINDADOS PARA QUÊ? AS VELHAS CHAIMITES JÁ FORAM PARAR À SUCATA?



A heroica Chaimite
Cimeira da NATO
Blindados adquiridos para Cimeira ainda não chegaram
por LusaOntem

A dois dias da Cimeira da NATO, em Lisboa, a Polícia de Segurança Pública (PSP) garantiu hoje que dois dos cinco blindados adquiridos estarão em Portugal antes do início do encontro internacional, que decorre sexta-feira e sábado.

Em conferência de imprensa na Direcção Nacional da PSP, questionado pelos jornalistas sobre a chegada dos blindados, o porta-voz Paulo Flor garantiu que duas destas viaturas vão chegar a Portugal antes da Cimeira da NATO.

"Ao longo desta semana esperamos que de facto cheguem. Aquilo que já vos foi informado aqui no decorrer de outras conferências de imprensa - e assumido publicamente pelo director nacional da PSP -- foi que duas destas viaturas de transporte de pessoal com protecção balística estariam em Portugal", respondeu.

Segundo Paulo Flor, "neste momento" os dois blindados "ainda não chegaram a Portugal mas vão chegar antes da cimeira da NATO". "A cimeira começa dia 19, hoje é dia 17", recordou.

O secretário de Estado adjunto e da Administração Interna, Conde Rodrigues, disse no dia 04 de Novembro à Agência Lusa que o equipamento comprado para a PSP por causa da cimeira da NATO, no valor de cinco milhões de euros, já tinha começado a ser entregue e que a segurança do encontro está garantida.
Tags: Portugal
Partilhar

PS: "E O FORROBODÓ SOMA E SEGUE-SE...!!!

.
Instituto do Emprego ordenou averiguação por indícios de acumulação ilegalAssessor do PS na Câmara de Lisboa recebeu 41.100 euros indevidamente. 17.11.2010 - 07:42 Por José António Cerejo
.
Jovem dirigente do PS ganha o salário de assessor a tempo inteiro ao mesmo tempo que recebe subsídios do IEFP para criar o seu posto de trabalho. Empresa criada está inactiva.
Câmara não explica contratação e diz que desconhece subsídios do IEFP


(Foto: Helder Olino)

Um jovem de 26 anos, sem currículo profissional nem formação de nível superior, foi contratado, em Dezembro, como assessor técnico e político do gabinete da vereadora Graça Fonseca na Câmara de Lisboa (CML). Remuneração mensal: 3950 euros ilíquidos a recibo verde.

.

Desde então, o assessor - que estava desempregado, fora funcionário do PS e candidato derrotado à Junta de Freguesia de Belém - acumulou esse vencimento com cerca de 41.100 euros de subsídios relacionados com a criação do seu próprio posto de trabalho.

.

Filho de um funcionário do PS que residiu até 2008 numa casa da CML com uma renda de 48 euros/mês, Pedro Silva Gomes frequentou o ensino secundário e entrou muito novo para os quadros do partido. Em 2006 foi colocado na Federação Distrital de Setúbal, onde se manteve até meados de 2008, ano em que foi reeleito coordenador do secretariado da secção de Santa Maria de Belém, em Lisboa. Entre os membros deste órgão conta-se a vereadora da Modernização Administrativa da CML, Graça Fonseca.

.

Já em 2009, Gomes rescindiu por mútuo acordo o contrato com o PS - passando a receber o subsídio de desemprego - e em Outubro foi o candidato socialista à Junta de Belém. No mês seguinte, perdidas as eleições, criou a empresa de construção civil Construway, com sede na sua residência, no Montijo, e viu aprovado o pagamento antecipado dos meses de subsídios de desemprego a que ainda tinha direito, no valor total de 1875 euros, com vista à criação do seu próprio posto de trabalho.

.

Logo em Dezembro, o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) aprovou-lhe também um subsídio, não reembolsável, de 57.439 euros, para apoio ao investimento na Construway e para a criação de quatro postos de trabalho, incluindo o seu. Deste valor Pedro Gomes recebeu 26.724 euros ainda em Dezembro, sendo 4086 para investimento e 22.637 para os postos de trabalho.

.

No dia 1 desse mesmo mês, porém, o jovem empresário celebrou dois contratos de prestação de serviços com a CML, para desempenhar funções de "assessoria técnica e política" no gabinete de Graça Fonseca. O primeiro tem o valor de 3950 euros e o prazo de 31 dias. O segundo tem o valor de 47.400 euros e o prazo de 365 dias. O segundo destes contratos refere que os serviços serão prestados no gabinete de Graça Fonseca e no Gabinete de Apoio ao Agrupamento Político dos Vereadores do PS.

.

A autarca disse ontem ao PÚBLICO que foi ela quem convidou Gomes e garantiu que ele é "efectivamente" assessor do gabinete do PS, cuja coordenação, acrescentou, lhe foi "confiada". Este gabinete, porém, não tem existência real, sendo que Pedro Gomes é assessor de Graça Fonseca, tal como outro dos três assessores que teoricamente o compõem. O terceiro é assessor da vereadora Helena Roseta.

.

Graça Fonseca disse que Gomes "foi contratado por estar à altura das funções às quais foi adstrito e por ser um lugar de confiança política". A autarca garantiu que desconhece o facto de o seu assessor ter recebido os subsídios do IEFP. Já a direcção deste instituto adiantou que Gomes já recebeu este ano mais 12.593 euros para apoio ao investimento, tendo ainda a receber cerca de 10.500 euros.

.

Face às perguntas do PÚBLICO sobre a acumulação ilegal do lugar de assessor com os apoios recebidos e aos indícios de que a Construway não tem qualquer actividade, o IEFP ordenou uma averiguação interna e admite que a restituição dos valores recebidos pelo empresário venha a ser ordenada. O presidente da CML, António Costa, não respondeu às perguntas do PÚBLICO.

.

PS não explica rescisão do contrato de trabalho

.

Os subsídios recebidos por Pedro Gomes foram concedidos ao abrigo de uma cláusula legal referente a pessoas em situação de "desemprego involuntário". Nos termos da lei, considera-se involuntário, entre outros, o desemprego que tenha origem num acordo de cessação do contrato de trabalho.

.

A lei estabelece, porém, que só são considerados desempregados involuntários os trabalhadores cujas rescisões de contratos de trabalho por comum acordo "se integrem num processo de redução de efectivos, quer por motivo de reestruturação, viabilização ou recuperação da empresa, quer ainda por a empresa se encontrar em situação económica difícil".

.

Quer isto dizer que para ter acesso ao subsídio de desemprego e aos apoios que recebeu do IEFP, Pedro Gomes teria de ter saído do Partido Socialista no quadro de um processo de redução de pessoal determinado por um daqueles motivos. O PÚBLICO perguntou ao PS qual o fundamento do acordo de rescisão acordada com Pedro Gomes no ano passado mas não obteve resposta.

O JORNAL "THE SUN" - POBRE PORTUGAL ESTÁ `BEIRA DA MISÉRIA,.....

Leprechaun protestor
Baixo e para fora? ... crise irlandesa também poderia afetar os contribuintes do Reino Unido
Tem sido um tempo para chegar, mas hoje estamos a assistir à agonia da moeda única europeia, tal como a conhecemos.

Pobre Portugal está à beira da miséria, o preço para se inscrever para uma moeda bodged que estava condenado desde o início.

Os irlandeses devem adeus a seu lugar como uma nação independente e controle da mão económicos incompetentes sem rosto, em Bruxelas.

E a Irlanda não está sozinho. Grécia já está busto. Outros seguirão em breve.

Como os coletores de Emerald Isle, com horríveis conseqüências para o emprego e os preços da habitação, que vai arrastar outros estados fracos Euro sob as ondas com ele.

Estes são os porcos - Portugal, Irlanda, Grécia e Espanha - que zombavam muito profundamente no vale da UE.

Eles arriscaram tudo em um one-size-doesn't fit-aposta todo o dinheiro que está prestes a falir.

A menos que os chefes das Finanças da UE acorda fácil, esta crise está prestes a se transformar em uma catástrofe full-blown.

E se os dissipadores da zona euro, arrisca-se a sugar-nos para baixo com ele. Grã-Bretanha, graças a Deus, é não parte da zona euro.

Nós sensatamente mantida a libra e tem a liberdade para flutuar como os outros vão abaixo.

Mas não estamos imunes. Contamos com a Europa para 60 por cento das nossas exportações - com um décimo de quem vai para a Irlanda.

Os contribuintes e os da estatal Royal Bank Of Scotland também estão expostos a más dívidas de Portugal - cerca de R $ 10billion vale para o Reino Unido sozinho.

Estamos ainda mais expostos em Espanha, que também está balançando. Se derruba Espanha, Portugal e Itália podem até seguir. As dívidas combinadas são impressionantes.

Mesmo gigantesca economia da Alemanha não pode socorrê-los - e os eleitores alemães não iria deixá-lo.

Estes perigos não saiu de um céu azul claro.

O Sol, entre outros, tem alertado para o risco de derrocada da União Europeia desde os dias de Ted Heath e Jacques Delors. Foi leitores do Sun que bloquearam o sonho de Tony Blair de aderir ao euro.

Não há tempo para regozijar. Mas é hora de perguntar por que nós temos investido muito em o que equivale a um pacto de suicídio político e econômico.

Traz mais a perspectiva de um referendo sobre se devemos ou fora deste indignação democrática. Não eleita e irresponsável eurocratas stand exposto como "imperadores sem roupas".

Eles têm torcido as regras estabelecidas pela própria União Europeia para proteger a moeda única. Eles permitem que a demanda Alemanha taxas de juro baixas para atender às suas exportações, deixando países como os suínos, com nenhuma arma para controlar a inflação.

Os gregos irresponsável emprestado e gasto e nunca pagou impostos. Eles mereciam ir à falência. Mas, em vez de dar o exemplo de expulsá-las do euro, em Bruxelas desperdiçou uma última oportunidade para salvar a moeda.

Resgatar a Grécia foi o dobre de finados da união monetária. Agora, todos na União Europeia - incluindo a Grã-Bretanha - vai pagar o preço.