Translator

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O defensor do Castelo


Quando se fala da vindo do FMI o Sr. Silva arma-se em defensor do castelo, mas esquece que foi ele o primeiro e principal responsável pelo esbanjamento dos milhares de milhões que chegaram da Europa e pelo sistema corrupto implementado durante os seus oito anos de governação. Foi durante o seu reinado que BPN, BPP e muitos outros bandidos construíram este castelo económico, sem estrutura para sobreviver à ganância dos invasores especulacionistas criados pela globalização. A vinda do FMI só será uma desgraça se os portugueses o deixarem, ou será que o Sr. Silva também defende a suspensão da democracia para aplicar as suas "recomendações"? Não têm as leis de passar no parlamento? Será que os partidos que agora pedem desculpa por aplicarem medidas de austeridade depois as vão aplaudir só porque a ordem vem dos seus "donos" internacionais?
O FMI é uma mentira que só se tornará realidade se nós o deixarmos acontecer. O FMI é o "black-bloc" da economia, é o medo que querem implantar para melhor calar os protestos. Já muitos foram enganado muitas vezes, (como agora aconteceu de novo com a violência durante a cimeira da NATO). Vão aceitar ser de novo?

EU PRIMEIRO-MINISTRO TERMINAVA,EM PORTUGAL, COM AS REFORMAS DE LUXO

.

Sabiam disto? O que acontece na Suíça? Não há reformas de luxo para ninguém!

Justamente uma única. Ora o que acontece (embora sejam uns “gajos” porreiros) os portugueses, aqueles que nunca tiveram “porra” nenhuma na vida e alguns foram criados a caldo temperado com banha, rançosa, de porco se conseguem apanhar a ponta do fio do novelo, sacam-no, desde logo todo.

.

Lá está o ditado: “não peças a quem pediu e não sirvas a quem serviu”.

.

Mas esta “merda” das reformas de luxo, aconteceram depois do 25 de Abril de 1974 e de quando apareceram por aí uns gajos que vergar a mola nunca foi com eles e sacam hoje reformas de 7 mil e mais, por aí acima, de euros.

.

Se eu fosse Primeiro.Ministro (vão por mim) eu dizia a essa gajada como se escreve “Xico” e colocava-os a receber a reforma mínima e tanto me fazia que levantassem a grimpa ou não.

.

Acabava com a “chulice” das reformas de luxo!

.

O retirado a esses “gajos” era para compensar os pobres velhos que nem “pilim” têm para comprar os medicamentos, por que nem todos são de “borla” ou beber um copinho de tinto para lhes animar a alma. Outra parte seguia para comprar comida aos que a não têm para dar ao dente.

Ao José Sócrates e seus acólitos estava “tramados” comigo, as suas contas seriam passadas a pente fino... Havia de saber onde essa gajada transferiu os dinheiros que roubou aos portugueses. Ele e o resto dos “vigas” mandava-os para a ilha das “Berlengas” e levarem com as cagadelas das gaivotas.

Andam por aí uns velhos, caducos, esses e porque sou humano, seriam bem instalados no Forte de Santo António no Estoril e sentá-los numa cadeira, a tomar banhos de sol, igual a que quebrou e caiu o Salazar. Teriam que acabar os seus dias e com o espectro do Salazar. Tanto mal disseram do homem e eles, depois, no Poder só fizeram merda e olharam para os seus umbigos.

.

Se eu fosse Primeiro-Ministro deste país a conversa seria outra!!!


José Martins

Reformas na Suíça com tecto máximo de 1700 euros


Mundo

Reformas na Suíça com tecto máximo de 1700 euros

Na Suíça, ao contrário de Portugal, não há reformas de luxo. Para evitar a ruína da Segurança Social, o governo helvético fixou que o máximo que um suíço pode receber de reforma são 1700 euros. E assim, sobra dinheiro para distribuir pelas pensões mais baixas.

2010-11-10 10:40:07

E se em Portugal fosse assim?

Agora vejam e ouçam, acedendo a:



http://ww1.rtp.pt/noticias/?t=Reformas-na-Suica-com-tecto-maximo-de-1700-euros.rtp&headline=20&visual=9&article=390426&tm=7

CRISE ECONÓMICA NA ZONA DO EURO

-
Nota: Jã há muito tempo que deixei de dar credibilidade às "tretas" mentirosas dos que têm governado Portugal e difundem para os portugueses.
Ora o PM José Sócrates e ministro da Finanças Teixeira dos Santos, mentem desalmadamente, como que a julgarem os portugueses uns "pacóvios" chegados lá de "xima" da terra da ´coina´.
Assim tenho ido para as agências noticiosas, de prestígio internacional, onde vou ao encontro de opiniões válidas em relação à política internacional e à crise da zona do Euro que já afectou dois pais da União Europeia e não se sabe ao certo o que irá acontecer a Portugal e à Espanha.
José Martins
22 de novembro (Bloomberg) - Jonathan Lemco, analista de crédito soberano da Vanguard Group Inc., fala sobre o pedido da Irlanda para uma ajuda e as perspectivas de contágio. A Irlanda foi forçado a voltar para a União Europeia eo Fundo Monetário Internacional para um socorro por causa das perdas acumulou por seus bancos depois de uma bolha imobiliária década implodiu. Lemco fala com Betty Liu na Bloomberg Television "In the Loop". (Fonte: Bloomberg)

CRISE ECONÓMICA NA ZONA DO EURO

Euro, Asian Stocks Climb After Ireland’s Bank-Rescue Package

O euro subiu face ao dólar e ao iene em meio a otimismo de um acordo para salvar os bancos da Irlanda vai impedir o contágio entre os mercados de crédito europeus. Fotógrafo: John Guillemin / Bloomberg

O euro quebrou uma reunião de três dias contra o dólar, ações e commodities caiu e levantou-se como títulos do Tesouro de resgate financeiro da Irlanda falhou em saciar a preocupação da Europa crise da dívida pode se espalhar. Bancos liderado partes inferiores EUA como agentes federais revistaram os fundos de hedge em uma sonda de insider trading.

O euro caiu 0,3 por cento para 1,3627 dólares. A & Poor's 500 Standard Index perdeu 0,2 por cento para 1,197.84 eo S & P GSCI Index de mercadorias diminuiu 0,3 por cento. Os custos para proteger e Português da dívida irlandês da inadimplência subiram, enquanto que os 10 anos do Tesouro EUA rendimento diminuiu sete pontos base para 2,80 por cento antes de uma venda de US $ 99 bilhões de notas esta semana. Após o encerramento dos EUA, S & P 500 futuro caiu 0,2 por cento em sete horas em Nova York, enquanto Austrália e Coreia do Sul estoques caíram no início do pregão.

As empresas financeiras levaram as acções europeias e dos EUA baixa como a Irlanda se tornou o segundo membro do euro para buscar um resgate da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional, um movimento que pode evitar uma corrida aos seus credores, enquanto ameaçavam a sua notação de crédito e da coalizão do governo. O Federal Bureau of Investigation invadiu pelo menos três fundos de hedge dos EUA.

"A desalavancagem é como uma espécie de terrier", disse James Dunigan, diretor de investimentos da PNC Wealth Management, em Filadélfia, que administra US $ 105 bilhões. "É chato você mantém. Nós abordados os problemas da Irlanda, mas ninguém sabe quem é o próximo. "

O euro perdeu 1,1 por cento contra o won sul-coreano e pelo menos 0,5 por cento contra as moedas de Taiwan, Suíça e Japão. O dólar se fortaleceu contra 10 de 16 pares principais.

Chumbo recusas Finanças

As empresas financeiras caíram 1,4 por cento para a maior queda entre os 10 setores do S & P 500. JPMorgan Chase & Co. ea Goldman Sachs Group Inc. caiu pelo menos 2,3 por cento. As perdas foram limitadas como Amazon.com Inc. liderou um comício em varejistas antes do início da temporada de compras natalinas, enquanto que a Hewlett-Packard Co. subiu 1,8 por cento, antes de apresentar resultados após o fecho da negociação. maior do mundo A fabricante de computadores saltou 3,1 por cento depois de horas de negociação após a previsão do lucro do primeiro trimestre que superaram as estimativas dos analistas.

Dois fundos de hedge, baseada em Connecticut, Nível Global Investors LP e Diamondback Capital Management LLC, foram procurados pelo FBI hoje, a agência o porta-voz Richard Kolko disse. Os agentes também executaram um mandado de busca em Loch Capital Management, em Boston, segundo uma pessoa familiarizada com a sonda, que não quis ser identificado porque o assunto não é público. Os ataques surgiram a partir de uma série de investigações de negociação privilegiada dirigido pelo escritório de Manhattan, EUA procurador Preet Bharara, segundo uma pessoa familiarizada com as sondas.

Sonda Insider Trading

O Wall Street Journal informou que a Securities and Exchange Commission e outros funcionários estão chegando ao fim de uma investigação sobre uma rede de informações privilegiadas envolvendo fundos de hedge, fundos mútuos comerciantes e banqueiros de investimento. O relatório final de novembro 19 pessoas não identificadas já familiarizado com a situação. Um dos focos é se os bancos Goldman Sachs divulgou informações sobre as aquisições de saúde e outros negócios, disse o jornal.

Os índices de referência para os EUA e as opções de ações europeu bati três dias a perder estrias como investidores impulsionou a compra de proteção para as ações. O VIX, como a Chicago Board Options Exchange Volatility Index é conhecido, subiu 1,8 por cento, para 18,37 em Nova York. O índice mede o custo de usar opções como garantia contra quedas no índice S & P 500. O Índice VStoxx, que mede o custo da proteção contra uma queda no índice Euro Stoxx 50, subiu 6 por cento.

"Esta sonda FBI parece estar ganhando algumas pernas", disse Dan Deming, um comerciante VIX opções em Stutland Equities LLC no chão da CBOE. "O setor bancário está se sentindo um pouco de calor através da placa enquanto os agentes do governo parecem estar intensificando o seu jogo um pouco. É definitivamente um impacto. "

As perdas do Banco

bancos dos EUA podem perder mais de US $ 100 bilhões em luta para recuperar as perdas dos investidores azedou de hipotecas, relatou Barron no fim de semana. O Financial Times relatou que os 35 maiores bancos dos EUA será breve entre US $ 100 bilhões e 150 bilião dólares após novos requisitos de capital internacional são impostas.

O Stoxx 600 Index Europa caiu 0,7 por cento, apagando os ganhos de até 0,8 por cento. bancos irlandeses levaram a declínios preocupação de que um resgate irá diluir apostas dos investidores existentes. Bank of Ireland caíram 19 por cento, enquanto a irlandesa Life & Permanent Plc afundou 27 por cento. Porsche levou auto estoques mais elevados, subindo 4,9 por cento, após o Bank of America Merrill Lynch recomenda compra de ações, dizendo que a fabricante de carros esportivos alemães, muito provavelmente não irão se fundir com a Volkswagen AG. O MSCI Asia Pacific Index subiu 0,6 por cento.

O índice MSCI Emerging Markets subiu 0,2 por cento como a Bombay Stock Exchange Sensitive Index saltou 1,9 por cento, o maior avanço desde 04 de novembro, com a Infosys Technologies Ltd., o segundo maior país exportador de software, subindo 2,7 por cento. do Brasil Bovespa caiu 1,8 por cento.

Preocupações da Dívida

O pacote de resgate irlandês que as estimativas da Goldman Sachs poderá total 95 bilhões de euros ($ 130 bilhões) não úmido especulações de que Portugal e Espanha seguem Portugal em bater no fundo criado pela União Europeia e do FMI, após o resgate na Grécia.

Credit-default swaps ligados a títulos do governo irlandês subiu de 20,3 pontos base, para 527,4, de acordo com a CMA, um provedor de dados. A Moody's Investors Service disse que pode baixar notação de crédito da Irlanda por mais do que o anteriormente previsto como o plano de ajuda ameaça aumentar a dívida do país.

default swaps em Portugal subiu 40,8 pontos base, para 457,6 e na Grécia foi de 37 pontos base superior ao 1,006.4, de acordo com a CMA. A Markit iTraxx Crossover Índice de swaps em 50 na maior parte da sucata-rated empresas européias subiu 4,7 pontos base, para 461,5, os preços Markit Group Ltd. show.

Rendimentos da Irlanda

O rendimento dos títulos irlandês de 10 anos caiu 4 pontos base para 8,31 por cento. O Banco Central Europeu comprou títulos do governo irlandês de hoje, de acordo com três pessoas com conhecimento das transações. Uma porta-voz do BCE em Frankfurt recusou a comentar.

"A realidade é que a estrutura está em vigor no momento de colocar os países em suporte de vida, mas o elo que falta ainda é o maior problema do que fazer depois que" Cambiz Alikhani, gerente de portfólio na Iveagh Wealth Fund, em Londres, disse em uma entrevista. "Até que esta questão seja respondida ainda estamos nesta situação de resgate de rolamento, que está em andamento desde 2008."

Primeiro-Ministro irlandês , Brian Cowen, disse que vai procurar as eleições nacionais no próximo ano depois que seu governo passa seu orçamento de 2011, um dia depois que ele pediu à UE para socorrer o sistema bancário da Irlanda. Partido Verde da Irlanda afirmou hoje que vai deixar o governo depois que o orçamento é passado, deixando Cowen sem uma maioria no parlamento e levantando a possibilidade de as eleições de janeiro. Os eleitores irlandeses "sentir-se enganados" pelo governo, líder do Partido Verde John Gormley , disse numa conferência de imprensa em Dublin.

Treasuries

O rendimento na nota de Tesouraria de dois anos caiu 5 pontos base para 0,47 por cento. Os leilões EUA US $ 35 bilhões a dívida hoje, seguido pelas vendas de títulos de cinco anos amanhã e notas de sete anos em dois dias.

Algodão, cobre, gasolina e café caiu pelo menos 1,4 por cento, para levar quedas nas commodities. O petróleo bruto caiu 0,3 por cento, para 81,74 dólares por barril em Nova York.

Algodão diminuiu para quatro semanas de baixa em Nova York em meio a especulações de que a demanda global vai diminuir, a China, maior importador, toma medidas para desacelerar o crescimento e como plantar expande na Índia. Algodão para entrega em março caiu tanto quanto 4.9 por cento para 1,1715 dólares a libra em Nova York. A fibra caiu 8,2 por cento na semana passada, o maior desde fevereiro de 2009.

O dólar de Nova Zelândia caiu contra todos os 16 de seus pares mais negociadas, enfraquecendo 0,5 por cento, para 77,45 centavos de dólar dos EUA. S & P baixa perspectiva de crédito da nação em seu rating AA + para negativa, dizendo em comunicado que "o principal risco para os ratings seria um enfraquecimento significativo na qualidade de crédito do setor bancário da Nova Zelândia."

Para contatar os repórteres nesta história: Rita Nazaré em Nova York, rnazareth@bloomberg.net; Jeff Kearns em Nova York, jkearns3@bloomberg.net

Para contactar o editor responsável por essa história: Nick Baker em nbaker7@bloomberg.net.