Translator

sexta-feira, 15 de abril de 2011

PORTUGAL: VERGONHA! DEPOIS DE 9 SÉCULOS DE INDEPENDÊNCIA TEMOS UM TUTOR!

.
Tem nome de jogador de futebol, é dinamarquês, aterrou em Lisboa e vem tratar-nos da saúde. .
.
Poul Thomsen nunca foi eleito mas é ele quem vai governar os que nos vão governar. Devíamos estar assustados. Mas não estaremos afinal aliviados? Bem-vindo, Poul Thomsen, trazei dinheiro para as nossas dívidas, mas sobretudo trazei pujança c...ontra esta cagança e bom-senso para a nossa liderança. Os que cá estão endoideceram. Continuam a falar de um país que já não existe. E a que eles próprios ajudaram a cavar a sepultura, dançando agora sobre ela, sem pudor nem decência. .
.
A comitiva que hoje aterra em Lisboa, de membros do FMI, BCE e Comissão Europeia, vem consumar o nosso fracasso. Cada degrau que pisem na descida do avião é uma chicotada no nosso orgulho, na nossa autonomia, no nossa autodeterminação. O País está hoje humilhado.
.
Em vez de uma marcha fúnebre, temos um cortejo de carnaval. José Sócrates conseguiu, dois dias depois de o País se ajoelhar, produzir o seu mais irreal discurso de sempre. O Congresso do PS encenou um triunfalismo que é ofensivo para um País intervencionado.
.
Foi um delírio colectivo triste, um comício com o fanatismo de Vasco Gonçalves, uma propaganda alucinógena. Leni Riefenstahl, a cineasta de Hitler, ter-se-ia comovido. Os políticos comportam-se como herdeiros que disputam as partilhas de fortuna nenhuma. .
.
É preciso um entendimento entre três partidos, que os vai vincular mesmo durante as eleições a medidas de austeridade, mas todas as pontes de contacto estão a ser dinamitadas. O Presidente da República faz de conta que não é nada com ele (imagine que era com Mário Soares: tem alguma dúvida de que já tinha posto esta gente na ordem?). José Sócrates fala de Passos Coelho como se tivesse acabado de lhe dar uma tareia em bilhar de mesa.
.
Passos Coelho "contrata" Nobre para presidente da Assembleia da República e ainda alguém se vai lembrar de José Manuel Coelho na Madeira. Mas não há grande cuidado com a gravidade da situação financeira que atravessamos. .
.
Os 80 ou 90 mil milhões de euros que vamos pedir ainda não estão garantidos. Há muitos países que estão enfurecidos e que falam de nós como de leprosos. As lideranças europeias são hoje fracas e pressionadas pelas suas opiniões públicas.
.
Mesmo a senhora Merkel, que adoramos odiar, deu a cara por nós, em Berlim, nem há um mês. E nós? Desgovernamo-nos em declarações públicas como quem entra num restaurante cheio com uma metralhadora descontrolada na mão. . A principal razão pela qual a Europa nos quer ajudar não se chama Portugal, chama-se Espanha, chama-se euro.
.
Essa é a nossa protecção. Já que não nos sabemos ajudar, ao menos ajudemo-los a ajudar-nos. Poul Thomsen é, como Hamlet, dinamarquês e verá que há algo de podre neste reino. Portugal falhou. Entrou em bancarrota. Ficou sem dinheiro. Somos a chacota da Europa, nem na desgraça nos unimos. .
.
Portugal vai ser, segundo o FMI, o único país do mundo em recessão em 2012. E no entanto, os políticos, as elites, os governantes, agem sem tino. Não chegou terem atirado o País para eleições no pior momento possível. Agora nem para acordarem um pedido de ajuda se entendem.
.
O País não é todo um coliseu, há muitos sítios onde hoje o orgulho nacional se sente ferido. Na Beira Alta, onde há honra, é costume dizer-se uma frase que um dia Henrique Monteiro usou no "Expresso": vergonha é não ter vergonha. E ninguém pede desculpa a Portugal. . O "El Pais" dizia "Los políticos ceden el mando em Portugal". O "The New York Times" falava em "Squabbling Portugal to agree aid deal ahead of vote", enquanto o seu gémeo "Herald Tribune" dizia "Bailout for Portugal will put politicians in a vise". Finalmente o "Financial Times" avançava "Portugal's PM launches opposition attack". .
.
Todos os artigos traçavam um retrato feio da classe política portuguesa, entretida em guerrinhas idiotas enquanto o país se afunda (o FMI prevê, mesmo sem o PEC IV ou V, uma recessão em 2011 e 2012). Some-se a isto o que se passou no último Ecofin, onde o ministro das Finanças, que não deve ter lido a Constituição, aventou que Comissão, BCE e FMI têm de negociar directamente com os partidos; e onde um Presidente, que se cala intra-portas, falou demais… e está tudo dito.
.
É por isso que não nos podemos queixar dos puxões de orelhas de governantes estrangeiros. Quem pode condenar o "shut up" de Ollie Rehn a Cavaco, ou o recado do ministro das Finanças da Finlândia, que sugeriu um pacote mais duro do que o PEC IV? E quem se pode atirar ao ministro holandês que recomendou a Portugal uma "reviravolta completa"
.
Nunca me iludi com a qualidade da nossa classe política. Mas nunca pensei que um dia chegaríamos a esta humilhação. Ouvir jornais e colunistas estrangeiros (de referência) dizer que o nosso resgate pode ser prejudicado porque a classe política se coloca ao nível do miserável é mau demais. Mas é verdade. Que vergonha! .
.

Sem comentários:

Enviar um comentário