Translator

sábado, 15 de janeiro de 2011

NUNO CALDEIRA DA SILVA: "PONTO DE VISTA EXPRESO PELA SAÍDA (VOLUNTÁRIA) DO PRESIDENTE DO SPORTING CLUB DE PORTUGAL"

José Eduardo Bettencour abandona


O Sporting sofreu mais uma humilhante derrota em Alvalade e José Eduardo Bettencourt apresentou a demissão do seu cargo de Presidente no rescaldo do jogo.

Oito anos na Vice-Presidência do clube, alguns dos quais na companhia de JEB e quase 63 anos de sócio, impedem-me de não me manifestar perante a situação.

Tenho por JEB amizade e respeito pessoais. É uma pessoa de bem, um sportinguista nato de coração generoso mas faltou-lhe liderança à frente do clube.

Desde cedo deixou que a estrutura e sobretudo os “abutres” (não gosto muito de adjectivar pessoas mas neste caso faço-o) que voam sempre sobre os clubes de futebol tomassem conta da nau e as consequências foram visíveis.

O futebol é um sector da industria de entretenimento muito especial e que movimenta muitos interesses sendo o principal os holofotes que sempre estão sobre os actores. A maioria diz detestar a atenção que a comunicação social dá ao mais pequeno acontecimento, mas não é capaz de resistir em aparecer numa boa capa especialmente quando esta o adula.

O futebol carece de uma forte liderança, unipessoal pois se assim não for não é liderança é um pseudo comando cedendo à esquerda e á direita e portanto não seguindo em frente. Como referi conheci com alguma profundidade o meio do futebol e a grande diferença que existe entre o FC do Porto e os seus dois grandes rivais é que naquele clube sabe-se quem manda. Ninguém tem dúvidas e nessa questão não entram empresários de futebol nem promotores publicitários, muito ao contrario do que acontece nos clubes de Lisboa.

As ditaduras, assim se pode chamar ao que me refiro, são pouco do meu agrado mas no futebol têm a enorme vantagem de não permitir intrusões alheias nem dúvidas sobre a liderança.

Ao grosso dos actores do futebol não se pode pedir, até pela sua proveniência social (e não escondamos as coisas – ainda me lembro do Cristiano Ronaldo com 16 anos que nem falar sabia) e formação, repito, não se pode pedir que actuem num ambiente de liberdade/responsabilidade que seria decerto mais produtivo.

José Mourinho costuma dizer que prefere jogadores inteligentes do que jogadores com grande talento e ele diz isso pois é mais simples para ele fazer entender os seus pontos de vista de uma forma concertada junto daqueles que têm capacidades de assimilação superiores.

Quem se aproveita deste ambiente são os “apoiantes, conselheiros e outros” dos actores e todas essas opiniões “avisadas” nada acrescentam ao bom funcionamento de uma equipa de futebol que necessita essencialmente de conhecer o “dono” e saber com muita clareza o dia seguinte.

Nada disso aconteceu durante a gestão de JEB. Os problemas de uma estrutura complexa, muito ao estilo empresarial mas não atenta aos recursos humanos de que dispunha, muito cedo começaram a vir ao de cima e JEB começou a isolar-se criando uma barreira entre ele e os que tinham opiniões diversas (e que no seu entender estavam contra ele) o que levou à demissão de Rita Figueira, Miguel Ribeiro Telles, entre outros.

O dia em que JEB, o Presidente veio a público chamar de terroristas aos sócios, mostrou-me o seu isolamento. Um Presidente nunca diz isso. Um Presidente “manda” dizer, um Presidente tem os seus apoiantes que dizem isso e outras coisas mas não pode descer tão baixo. Como o JEB eu também sou fundamentalmente um “adepto do peito” do clube mas o Presidente tem de deixar por momentos esse título de adepto pois tem de ter uma postura que não se conforma com o grito que se dá no momento em que o golo acontece, o impropério que se lança quando algo não core como gostamos, etc.

A recente contratação do José Couceiro, outro sportinguista sem dúvida e sem mácula, veio mais uma vez mostrar a incapacidade de JEB lidar com o universo complexo que é uma estrutura e um clube de futebol.

Que eu saiba JC não entrou para substituir ninguém, ninguém se demitiu para que ele entrasse, então porque é que só após tanto tempo foi notada a necessidade de um Director-Geral que afinal é mas é Administrador e que de início manda num dos administradores que por sua vez manda em JC.

A confusão com esta nomeação, que nada irá acrescentar ao clube a não ser mais um cadáver para outro armário, mostra a falta de ruma da estrutura do clube.

Agora virá outro Presidente mas a estrutura, as portas abertas aos adeptos, aos empresários, aos patrocinadores e aos jornalistas continuam escancaradas e portanto sem ser possível fazer uma remodelação completa (extremamente dispendiosa no momento em que a dívida é assustadora) em nada irá mudar o futuro próximo do clube com muita, mesmo muita pena minha.

Até à entrada do JEB o clube estava a trilhar os primeiros passos para poder criar uma organização com algum potencial de futuro. Os resultados desportivos era razoáveis. Agora voltámos para trás e vai ser muito difícil encontrar o rumo.

A JEB nunca lhe faltou o empenho, que sempre foi muito, mas faltou-lhe o engenho.

16 DE JANEIRO, UM DIA PARA RECORDAR...!!!

.

Residência dos embaixadores de Portugal, acreditados no Reino do Sião, em Banguecoque (Foto dos arquivos pessoais do autor)

Hoje dia histórico na minha vida e 100 anos que viva jamais deixarei de o recordar. Foi no dia 16 de Janeiro de 2008 que saindo do portão da Embaixada de Portugal em Banguecoque depois nele ter entrado por mais de 24 anos.
.
Tinha sido envolvido, miseravelmente, numa intriga que desconhecia ter sido apunhalado pelas costas. Não estou aqui a inventar nada, porque eu tenho as provas e em tempo saltarão para a praça pública, sem medo ou receio.
.
Mas depois de sair aquele portão, ao principio da noite do dia 16 de Janeiro de 2008 e de quando comecei a trazer à luz do dia verdades nuas e crua, nos meus blogues, fui ameaçado e chantageado, sujamente, que só de pessoas de baixo estofo moral, tais actos, poderiam ter vindo.
.
Evidentemente que isso é parte da história da Embaixada de Portugal em Banguecoque que foi minha casa e a servi, com toda a dignidade Portugal na Tailândia.
.
Na história desta missão diplomática de 191 anos (1820-2011) eu fui a segunda pessoa, ao serviço do Estado Português, que mais anos permaneceu dentro dela.
.
Durante a minha permanência de tão longa data não mais fiz que honrar o nome de Portugal no Reino da Tailândia e servido duas nações.
.
Na Tailândia investi uma vida de trabalho honesto, constitui nova família e formei uma filha, Maria Martins, na Universidade de Chulalongkorn, o nome de um Grande Rei e o Pai da moderna Tailândia de hoje.

Clique nas imagens para ler os textos e ver imagens

Nada mais fiz, durante a minha permanência de não parar de procurar onde estavam todos os “pedacinhos”, históricos de Portugal numa presença de 500 anos.

Fi-lo voluntariamente, sem lamber botas ao Poder ou armar-me em académico cultural. Não escrevi um livro, mas vários que serão um registo da minha passagem. Muitos desse restos perderam-se, mas eu registei-os em imagens ou no papel.
.
Depois de sair aquele portão no princípio da noite de 16 de Janeiro de 2008, vítima da maldade humana, a minha vida continuou e vai continuar a servir Portugal e Tailândia.
.
Perdoar talvez, mas esquecer nunca aos “malditos” que a ferramenta deles é a língua e não as mãos como sempre usei as minhas.
José Martins
.
P.S. – Não conheço os homens pelos galões mas pelas obras.

JORNALISTA JOÃO SEVERINO: CONSIDERAÇÕES SOBRE O LIVRO "TODOS OS PORTOS A QUE CHEGUEI"

.
Sábado, 15 de Janeiro de 2011
livro de rocha vieira incompleto

> Já li três vezes a parte respeitante a Macau do livro, pseudo biográfico sobre Vasco Rocha Vieira, "Todos os Portos a Que Cheguei" assinado por Pedro Vieira. Agora entendo perfeitamente a razão porque Rocha Vieira rejeitou o meu convite para ser o autor de um livro sobre a sua vida. O que está escrito, (detecta-se facilmente por mais de um escritor) está mal escrito. E mal, por quê? Porque não existiu a coragem de contar tudo e toda a verdade.

Infeliz ou felizmente, já decidi que irão comigo para o outro mundo as misérias e as grandezas de tudo o que sei sobre o que se passou em Macau nos últimos vinte anos de administração portuguesa do território macaense. Muito haveria a escrever que não está neste livro mal escrito. Mal escrito, porque Rocha Vieira decidiu "esquecer" ou "perdoar" tantos e tantos episódios concretos sobre o que se passou na sua vivência no Exército, nos Açores, no 25 de Abril, no 25 de Novembro e, fundamentalmente, em Macau.

Em Macau, onde o que está descrito no livro não representa nem um terço dos acontecimentos graves ou importantes que tiveram lugar durante a governação de Rocha Vieira. Casos como os da Fundação Oriente e Fundação Jorge Álvares, por exemplo, onde Rocha Vieira não quis deixar para a história o verdadeiro papel maléfico e ignóbil do ex-presidente da República Jorge Sampaio e do seu enviado Magalhães e Silva, este que sempre quis ser governador de Macau.

O general Rocha Vieira tinha a obrigação moral e patriótica de deixar um legado sublime sobre a história contemporânea de Macau. Um, dois, três ou vinte volumes, o que fosse necessário, mas tinha a obrigação de deixar escrito tudo, mas tudo o que se passou. Rocha Vieira sabe bem que teve de lidar com muitos interlocutores, mas a maioria deles de um carisma profundamente cobarde, falso e hipócrita. Este livro não divulga nem metade da verdade respeitante à administração de Rocha Vieira. Quando o governador podia legalmente transferir para Portugal 180 milhões de patacas, resolveu pegar nuns míseros 50 milhões para criar uma fundação importante, e ao fim e ao cabo ficar com a carreira manchada por não querer ferir susceptibilidades que mereciam ser decapitadas. De tal forma são cobardes, que nem se atrevem a contestar uma palavra mencionada no livro daquelas que são graves em qualquer areópago do relacionamento político.

Quero apenas salientar a desnecessária referência à prisão do líder da seita 14 quilatres. Segurança? Desde quando é que não foram sempre as seitas secretas a comandar as "operações" em Macau? Os autores do livro "esqueceram-se" de mencionar que Marques Baptista, ex-director da PJ de Macau, não estava apenas decidido a prender o líder chinês da 14 quilates, mas também uma outra personalidade. No gabinete de Marques Baptista, eu próprio lhe disse: "Cuidado, com o que vai fazer. Antes de prender esses dois, fale com o governador para ouvir a sua opinião".

A Pedro Vieira:

Que aprenda de uma vez por todas que nem todos os jornalistas se venderam em Macau. E que rejeito linearmente a ofensa que me faz na minha condição de ex-director de jornal de Macau, quando escreveu, a propósito da publicação de anúncios das Direccções de Serviços a saudar a chegada de Rocha Vieira a Macau, "A publicidade funcionava também como pagamento do silêncio dos jornais".

Repudio estas suas palavras e fique sabendo que o meu jornal "Macau Hoje" sempre foi livre, sempre teve a publicidade de instituições privadas que lhe garantiram a necessária sustentação financeira e que foi sempre o jornal que menos publicidade recebeu da administração Rocha Vieira.

tags:

ALEGRE E SÓCRATES: "O VIGARISMO POLÍTICO"

.
O mais sujo vigarismo político. Mas quem será quem que poderá confiar nesta gente? Será que os portugueses continuarão a viver sob esta "cambada" onde os escrúpulos e a seriedade não tem residência para esta bandidagem ou a doce "mafia" do nosso Portugal.
.

.
QUE VERGONHA...
Um diz-se Engenheiro - Socrates, outro
Doutor...Manuel " Triste"
BOMBA politica...
Um diz-se Engenheiro- Socrates, outro Doutor... Manuel " Triste "
Vamos ver se a Comunicacao Social a RTP ou SIC vai falar sobre isto agora.
Exemplar cidadão que se candidata à Presidência da República...e ele criticou o candidato Sr. Silva com a venda das accoes ao BPN....
.
No blog Portugal Profundo:
Saíu na revista Sábado, em 22-12-2010, mas só agora li, por aviso de um amigo.
.
http://www.sabado.pt/Multimedia/FOTOS/-spam---b--Politica---b----spam-/FOTOGALERIA-(NAO-MOVER-SO-COPIAR)-(38).aspx
.
A questão dos diplomas académicos parece ser um problema crónico dos socialistas portugueses: já não bastava Sócrates, agora até o ex-«Dr.» (com o 2.º ano de Direito, mas sempre tratado por Dr.) e actual «Doutor» Manuel Alegre. A notícia «O diploma que não existia», que contém o fac-simile da carta de Manuel Alegre ao cunhado, enviada de Paris, em 1964, e interceptada pela Pide, e a respectiva transcrição, é a seguinte: «O diploma que não existia
22-12-2010
Por Pedro Jorge Castro
Cinco dias depois de se ter refugiado em Paris, em Julho de 1964, Manuel Alegre escreveu ao cunhado, António Portugal, marido da irmã, e fez-lhe um pedido: "Preciso urgentemente dos meus documentos universitários, inclusive as cadeiras feitas e respectivas classificações. Junto do meu padrinho tenho possibilidades de completar o meu curso. Seria óptimo se 'arranjassem' as coisas de modo a que o certificado dissesse ter eu o 3.º ano completo."
A seguir , juntou um alerta contra a PIDE: "Será conveniente que esses documentos venham por mão própria, para esses " filhos da puta " não os roubarem no correio."
Manuel Alegre não concluiu o 3.º ano de Direito, daí o uso de aspas no verbo "arranjassem".
A carta, manuscrita, foi interceptada pela PIDE e está arquivada na Torre do Tombo, tal como uma transcrição dactilografada pela polícia política.
A ficha curricular de Manuel Alegre, guardada no Arquivo do Departamento Académico da Universidade de Coimbra, indica que o poeta concluiu o 1.º e o 2.º ano de Direito, mas quanto ao 3.º ano apenas regista aproveitamento na disciplina semestral de Direito Fiscal. Esteve inscrito também em Economia Política, a cujo exame faltou, e nas cadeiras anuais de Administração e Direito Colonial, Finanças e Direito Civil - mas não as concluiu.
Confrontado com esta questão, há um mês, numa entrevista dada à SÁBADO sobre outros aspectos da sua resistência ao salazarismo,Manuel Alegre respondeu que não se lembrava de ter feito um pedido ao cunhado sobre este assunto.
Assuntos que nao interessam serem indagados esquecem a muito boa gente ....
Questionado sobre se, tendo em conta que não continuou o curso por ter resistido à ditadura, acharia natural pedir para lhe passarem o diploma como se tivesse o 3.º ano completo, Manuel Alegre respondeu: "Não, de maneira nenhuma. Nem tinha sentido, nem eles passavam.
Então passavam a uma pessoa que é exilada? Não tem sentido nenhum. Não me lembro nada disso. Nem tem sentido."
Nessa entrevista, o candidato mostrou-se ainda convencido de que tinha concluído o 3.º ano do curso: "A memória que eu tenho é que tenho o 3.º ano de Direito e que estava a fazer cadeiras do 4.º ano."
Esta semana, confrontado com a informação oficial da Universidade de Coimbra (segundo a qual apenas completou uma cadeira do 3.º ano), Duarte Cordeiro, director de campanha do candidato apoiado pelo PS e pelo Bloco de Esquerda, disse que Manuel Alegre mantinha a resposta dada há um mês.
O candidato às presidenciais de Janeiro entrou na Faculdade de Direito em 6 de Novembro de 1956, e a sua última avaliação tem data de 19 de Março de 1964.
Estes sete anos e meio foram marcados por uma intensa actividade contra a ditadura, nas lutas estudantis, durante o serviço militar em Mafra e nos Açores, e na guerra colonial em Angola, onde esteve preso cinco meses.
Quando voltou a Coimbra sentiu-se vigiado em permanência: "Os gajos da PIDE não me largavam. (...) Percebi que estava arrumado e que, mais dia menos dia, ou ia para a cadeia ou teria de ir embora do país", conta no livro Uma Longa Viagem com Manuel Alegre, escrito por João Céu e Silva.
Na mesma página, diz que não completou o curso e sublinha: "Nem o quis fazer por via administrativa."» (Realce meu)
Nota: as aspas (") na palavra "arranjassem" constam do fac-simile da última página da carta.
Depois de ler isto quem e que vai votar num " TIPO" destes .....
Quantos mais casos como este nao havera em Portugal....
Portugal e conhecido como o pais de doutores, engenheiros, arquitectos, que por la passaram... com o decorrer dos tempo tudo se vem a saber....

TUDO BONS VIZINHOS

Podia mas nem vou falar da casa do Sr. Silva de Boliqueime na Aldeia da Coelha, nem do facto que ninguém saber onde está registrada a escritura, nem de como é bom sabermos que temos um Presidente poupadinho que consegue, cêntimo a cêntimo, para investir em ações e comprar esta modesta casinha com três pisos, seis quartos (cinco são duplos) e seis casas de banho, piscina e 1600 metros quadrados de área descoberta, que foi adquirida "através de um permuta com um construtor civil". Nem vou falar da boa vizinhança de Oliveira Costa, , Eduardo Catroga e Fernando Fantasia, administrador de empresas do grupo SLN. Nem vou falar das off-shores metidos nisto porque não quero que me acusem de estar a participar numa campanha suja, ou negra ou outra coisas qualquer. Só fiz este post para colocar este boneco do "Pátio das Cantigas" que me pareceu ficar aqui bem.

NASCER DUAS VEZES

Penso que ainda nunca tinha feito aqui o boneco do homem tão honesto, tão honesto que todos teremos de viver duas vezes para sermos tão honestos como ele. Se calhar ele já nasceu três ou quatro ou se calhar não. Mas, o que realmente me preocupa nisso do nascer duas vezes é se no renascer vou ter de sofrer o Sr. Silva de Boliqueime outra vez.
Esta metafísica da honestidade tem muito que se lhe diga.

RIR,RIR: "HUMOR SOCRATINO"

Se sofrer de miopia clique em cima das imagens para as ler



NOTAS VERBAIS-SOMOS UMA NAÇÃO DE IRRITADOS


15 Janeiro 2011
Irritam-se contra o facto dos chineses comprarem dívida, porque estão ricos; irritam-se contra a vontade dos timorenses em comprar, porque são pobres; e irritam-se contra os árabes a fazerem o mesmo, porque têm fundos soberanos. Mas então queriam que fosse o Vaticano a comprar e no dia 13 de Maio?

RIA,RIA O "PINGO DOCE É DO CARALHO"

video

RIA MUITO QUE LHE FAZ BEM...COM TRISTEZAS NÃO VAI A LADO NENHUM!

.
Português sempre optimista...ainda dizem que somos um povo triste e deprimido! Declaração de guerra de Portugal à China
Após uma consulta popular "sobre tanta loja chinesa", Portugal enviou uma mensagem à República Popular da China:
"Chinos, tarrequinhos: declaramo-vos guerra: temos 85 tanques, 27 caças, 4 navios, 2 submarinos (ainda só temos um, mas vem outro a
caminho) e 5.221 soldados".
O Estado chinês respondeu-lhes:
"Aceitamos a declaração, temos 38.000 tanques, 16.000 aviões, 790 navios, 455 submarinos e 300 milhões de soldados. "
Ao que Portugal respondeu:"Retiramos a declaração de guerra... Não temos como alojar tantos prisioneiros".
.
Nota deste blogue: "já viram se os chineses aceitassem a declaração de guerra, os prisioneiros, no nosso jardim, seria um bem para o desenvolvimento rural, desbravando terras, desertificadas, com as pás malucas que o exército chinês está equipado!"



A Pá Maluca do exército chinês - Ela faz TUDO !!!!

video

OS MILAGRE... CARLOS CASTRO SUICIDOU-SE!

Sábado, 15 de Janeiro de 2011
Carlos Castro suicidou-se

É a surpresa total. Há advogados que conseguem "milagres" e que de um dia para o outro dão a entender que um presumível crime indicado como tendo sido praticado com alhos, afinal, foi com bugalhos. Carlos Castro apareceu completamente mutilado, mas deve ter sido um acto de masoquismo quando se lê o que o advogado de Renato Seabra veio dizer: "Renato Seabra é um presumível inocente. Ninguém deve assumir o contrário ou especular sobre o que verdadeiramente se passou. O nosso objectivo é garantir o direito de Justiça para este jovem. Peço à comunicação social que respeite esse princípio até porque o público não conhece todos os factos importantes", afimou David Touger, advogado de Renato Seabra.

Entretanto, o juiz recusou fiança a Renato Seabra.

tags: ,

AS SUAS NOTÍCIAS NO DIA 15.01.11

Capa do Correio da Manhã Correio da Manhã

Faro: Mulher ferida em acidente
Matosinhos: Detido com 2,04 g/l
Sagres: Naufrágio de veleiro
Ateou fogo à própria casa
Helena André: Contra despedir

Capa do Público Público

Francisco Lopes: Voto em Cavaco ou Alegre não vacina contra o Governo
Tunísia: 29 dias de revolta derrubam 23 anos de ditadura
Manuel Alegre: "Nunca confundi política com negócios"
Junqueiro acusa Cavaco de estar a fazer campanha para as legislativas
Marta de La Cal: De Portugal para a Time

Capa do Diário de Notícias Diário de Notícias

José Manuel Coelho acusa Cavaco de "despesismo"
Defensor Moura enaltece trabalho voluntário
"Nunca confundi política com negócios"
Nobre promete resolver problemas dos cidadãos
'Portugal não está condenado a este afundamento'

Capa do Jornal de Notícias Jornal de Notícias

Parlamento desconfia da água das torneiras
Fonte de golos no Dragão
Produção de petróleo na Bolívia em vias de acabar
As cheias no Brasil
Ourives atacado na rampa da garagem

Capa do i i

Um português em cada cem tem um processo-crime. São arguidos, como nós
"Diga aos seus netos que vão votar." Cavaco quer evitar a abstenção
Doenças profissionais demoram dois anos a ser avaliadas
Carlos Castro. Programa da TVI sai do ar mas regressa para a semana
Adiamento do estatuto leva magistrados a pedir aposentação

Capa do Diário Económico Diário Económico

Conheça os apoios à contratação em 2011
Dia de ganhos em Wall Street, JP Morgan avança 1%
Empresas proibidas de despedir se recorrerem a ‘layoff'
Petrobras: "Não existe nada definitivo com a Galp"
IVA e biodiesel agravam combustíveis em 4 cêntimos

Capa do Jornal Negócios Jornal Negócios

Cavaco admite "alguma injustiça" nos cortes salariais na função pública
Lucros acima do esperado do JP Morgan animam Wall Street
Vídeo: "Se calhar comprámos algum tempo para convencer os nossos credores"
Presidenciais: A primeira semana
LetsBonus investe 1,5 milhões de euros em Portugal em 2011

Capa do A Bola A Bola

Kléber e Djalma com mercado
Vote na melhor equipa de sempre da história do futebol
Final do Pokerstars em directo
«Jesus voltará a fazer guerra ao FC Porto mas pode ser tarde» – Sérgio Conceição
«Quem não gostaria de ser treinado por Mourinho?» – Fábio Coentão

Capa do Record Record

Maniche de volta para estabilizar meio-campo
30 milhões mais jogadores
AVB 15 anos
Fábio Coentrão: «Estamos mais fortes do que o FC Porto»
Castro: «Sinto que é para voltar»

Capa do O Jogo O Jogo

António Regala optimista em relação ao futuro do clube
Taça Hugo dos Santos: Benfica vence Académica
Real Madrid tenta resgatar Van Nistelrooy
Benfica empata a quatro bolas com a Fundação Jorge Antunes
Paulo Henrique Ganso suscita interesse do Inter