Translator

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

HUN SEN: "E SUA BIRRAS, DE AGRESSOR; PERIGOSAS

Diplomacia batalha do novo



Camboja pede a ONU a enviar força de manutenção da paz, a Tailândia diz que disputa deve ser resolvida bilateralmente

Fronteira entre Tailândia e Camboja não foi, completamente, calma,ontem. como Phnom Penh começou a internacionalizar o conflito de fronteira, pedindo a Organização das Nações Unidas para enviar forças de paz para conter a violência no templo hindu de Preah Vihear, enquanto Banguecoque estava lutando para trazer para baixo a nível bilateral.
-
À margem: Hun Sen já cheira mal que tresanda. Tempo para o Cambodja de ver livre deste ditadorztio que voltou em dinossauro e um agressor. Cambodja não pode com uma gata pelo rabo e constantemente envolve-se em conflitos, com a Tailândia, por via das ruínas do Kao Preah Vihar quando o acesso, à rocha, é pelo lado da Tailândia. Nós estivemos lá em 1992.
José Martins

HOJE APETECEU-ME ABRIR AS MINHAS GAVETAS

.

Imagem da esquerda: o cartaz, anunciante, da grande metragem. Direita: Monumento erigido, em honra da Rainha Suriyothai, em Ayuthaya
.
Em minha casa tenho várias gavetas onde guardo tantas e mais recordações de uma vida de deambulante nos "meandros" da diplomacia. Nunca estive parado nem adormeci durante a minha longa caminhada a servir Portugal na Tailândia.
.
Fui odiado e amado e conservo, de cabeça levantada, os meus odiozinhos de estimação. Procurei, em todas as pessoas que conheci um amigo e conservá-lo para sempre.
.
Confiei, demasiadamente, num e viria sofrer as consequências dessa amizade. Me parece que anda por aí a movimentar-se entre os esquemas (de artista) que traçou há uns nove anos. Nunca o intriguista passou e a verdade é como o azeite vem no "timing" certo à tona da água.
.
Há 10 anos, depois da exibição, do filme épico Suriyotai enviei a peça abaixo transcrita para a Agência Lusa/Macau.
.
SURIYOTHAI
O filme épico conta o heroísmo da Raínha Suriyothai que em meados do século XVI, toma o comando o exército do Reino de Ayuthaya, após o seu real esposo ter sucumbido durante a peleja, contra as forças invasadoras do reino de Pegú (Birmânia). Foi graças aos relatos de Fernão Mendes Pinto na sua Obra Peregrinação e, possivelmente transmitidos pelo luso Domingos Seixas que estivera, como soldado, ao serviço da Corôa siamesa durante 23 anos.
.
A produção do filme com mais de três horas de exibição é uma Obra prima do Princípe Chatrichalerm Yukol onde consegue trazer para a tela o esplendor da cidade de Ayuthaya, os usos e costumes da época, as batalhas onde os elefantes são as verdadeiras máquinas de guerra, as armas cujas estas tinham sido, há pouco mais de 20 anos, introduzidas pelos portugueses.
.
São os portugueses que ensinam o manejo dessas mesmas armas e que transformam o sistema obsoleto e rudimentar de defesa da época.
.
A Inauguração da extraordinária obra prima do cinema tailandês, teve lugar na mais ampla e elegante sala de espectáculos da capital tailandesa no dia 15 de Agosto, onde entre as centenas de convidados, presentes princesas reais, gente ligada à cultura, arte e social a todos o níveis da Tailândia e a diplomacia acreditada em Banguecoque.
.
Portugal esteve representado pelo Embaixador José Tadeu Soares e com ele,como seu convidado, o jornalista da SIC Carlos Cruz, acompanhado de sua jovem e bonita Mulher, Raquel Rocheta que recentemente casaram na Tailândia, dentro do rito tradicional da cerimónia tailandesa e depois lavrado o registo do matrimónio na Secção Consular da Embaixada de Portugal, em Banguecoque, seguindo a lua de mel no inolvidável “País dos Sorrisos”.
.
O filme custou 400 milhões de baht tailandese que em dólares americanos, produzem o montante de 9 milhões.
.
As bilheteiras no primeiro dia de abertas ao público, para o dias 17 e 18 de Agosto venderam 100.000 bilhetes (cerca 600 escudos por unidade).
.
A empresa produtora Prommitr Production http://www.suriyothai.mweb.co.th/ tem nego-ciações avançadas com três potências distribuidoras, multinacionais, de Hollyood, outras da Alemanha, França e países da Ásia. Foi também já contactada,preliminarmente por outras companhias do mundo.
.
De Portugal e Brasil ainda não existem contactos e, segundo um porta voz da produtora, informou-me, na noite da Gala da apresentação dos actores e actrizes intervenientes na super produção e exibição que estaria interessada em que nestes dois países irmãos a História da Rainha Suriyothai fosse conhecida. Aqui fica o alvitre aos interessados na representação do filme.
.
Brevemente vai ser inserida na página AQUIMARIA o desenvolvimento da história com ilustrações.
José Martins

ANA BENAVENTE ESCACHA SÓCRATES AO MEIO

.
Ana Benavente integrou a direcção política do PS com Ferro Rodrigues
MANUEL ROBERTO
Autoritarismo do PS de Sócrates ultrapassa "centralismo democrático" de Lenine
Por Nuno Simas
Ana Benavente é cáustica com os anos de governação do primeiro-ministro. E aponta tiques de autoritarismo, de distribuir "lugares e privilégios" e render-se ao neoliberalismo

É um retrato arrasador do PS, do Governo e de José Sócrates. A ponto de Ana Benavente, secretária de Estado da Educação de António Guterres (1995-2001), dizer que jamais pertenceria a um Governo de José Sócrates com uma pasta idêntica. "Porque, se o fosse, já teria apresentado a minha demissão." A confissão da ex-dirigente socialista é feita numa entrevista à Revista Lusófona de Educação.

O tema é a educação na luta contra a exclusão e pela democracia, mas a conversa vai até à política pura e dura e o actual estado do Governo do PS e da liderança de José Sócrates. Aí, mais uma vez, Benavente é dura. Muito dura. O PS tornou-se "neoliberal" - "fazer do capital financeiro o dono e árbitro do desenvolvimento económico é uma capitulação face ao neoliberalismo que não é digna de um partido socialista". Mas há mais.

No PS, há falta de debate interno e Ana Benavente critica "o autoritarismo da actual liderança". "Tornou-se autocrata, distribuindo lugares e privilégios, ultrapassando até o "centralismo democrático" de Lenine. Alimentando promiscuidades que recuso", lê-se na entrevista.

Cinco teses para reconstruir
Na conversa publicada ao longo de 15 páginas, é pedido à antiga governante que aponte "sete pecados mortais" do PS. Ana Benavente fá-lo (ver caixa) e, entre eles, aponta a "falta de ética democrática e republicana".

Na lista de divergências de Benavente registem-se mais umas quantas. Por exemplo, a acusação de o PS de Sócrates ter assumido "políticas de direita" - termo muito usado pelo PCP ou pelo Bloco - através das privatizações ou das reduções drásticas no sector público. Ou ainda de o PS ter abdicado "da defesa dos trabalhadores e dos mais desfavorecidos".

O Orçamento do Estado de 2011, aprovado depois de uma negociação com o PSD, é "o revelador máximo" das divergências: "Estado abusador, castigo para os pobres, poupanças nas políticas sociais".

O futuro é encarado com algum cepticismo pela ex-dirigente nacional do PS, que integrou o secretariado quando Ferro Rodrigues foi líder.
E de pouco valeria, perante estes "pecados", "a confissão e a absolvição com mais ou menos "castigos" e rezas". O problema é "mais grave".

"O PS hipotecou o seu papel na sociedade portuguesa e deixou-nos sem perspectivas de um futuro melhor. Assumiu o papel que antes pertencia aos centristas do PSD, ocupou o seu espaço e tornou o país mais pobre, política e economicamente."
O caminho passa, para Benavente, por o PS partir do seu "papel histórico" de conseguir um "reforço dos direitos dos trabalhadores, desenvolvimento dos direitos de cidadania e do consumidor, reforço da assistência pública, mudança do paradigma energético, desenvolver um sistema de saúde solidário e alargar o sector público". "Novas vagas de democracia" serão exigidas por todos os que, "assustados pelo eventual desemprego, comprados por um hiperconsumo esmagador e com medo da anunciada recessão", vão "querer respirar livremente e reconstruir a paz".

Na área da Educação, a ex-governante acusa Sócrates e o Governo de, nos últimos seis anos, terem "maltratado" a escola pública com políticas educativas "marcadas pela centralização" ou pelo "questionamento da qualidade" dos professores através do sistema de avaliação ou da publicação de rankings de escolas.

COLARINHOS BRANCOS,MÃOS SUJAS E MENTES CORRUPTAS...




ASSIM O RECEBEMOS,IGUALMENTE O DIVULGAMOS COMO DEVER CÍVICO
.
Colarinhos brancos, mãos sujas e mentes corruptas…
.
Não meus caros leitores, não se trata do nome de um livro, nem sequer de um filme, e muito menos de ficção, mas apenas do título que considerei mais adequado para resumir tudo que uma investigação levada a cabo por um jornalista da TVI24H permitiu detectar, muito embora, na verdade, a matéria em causa possa inspirar qualquer realizador para levar a cabo um filme de sucesso garantido, dado envolver corrupção, delatores, ameaças de morte, processos de averiguação com conclusões duvidosas, milhões e milhões de euros, tudo no âmbito de empresas públicas responsáveis por imóveis propriedade do Estado, e um pedido de audiência para a apresentação de provas relacionadas com o atrás referido, recusada, segundo é afirmado por um dos intervenientes, pelo Sr. Primeiro-Ministro, por impossibilidade de agendamento…
.
E muito disto baseado em documentos e nas declarações, melhor, afirmações de dois intervenientes no “sistema”, um dos quais directamente identificado, e que deu mesmo a cara na entrevista que concedeu.
.
E nada mais desejo adiantar sobre o conteúdo do programa, até para aguçar o apetite pelo acesso à cópia do programa transmitido pela TVI24H,infelizmente a horas de fraca audiência, situação agravada pelo facto de a estação em causa não ser acessível à maioria dos portugueses.
.
E, para os interessados no conhecimento total das situações publicitadas no programa em causa, aqui fica o seu nome: “Abutres”.
.
E basta entrar em “Abutres TVI 24H” e procurar a reportagem, antecedida por um anúncio que dura 20 segundos.
.
Quanto à duração do programa, é o suficiente para muito apresentar e muito fazer reflectir; cerca de 31 minutos.
.
Por mim, de imediato divulguei o anexo que me foi fornecido a dezenas de amigos e conhecidos, com o pedido de encaminhamento, para todos os seus contactos, ao mesmo tempo que apresentei uma denúncia na Procuradoria Geral da República, via mail e, pelo mesmo meio, solicitei a intervenção do Sr. Presidente da República.
.
Perguntarão, talvez, muitos dos Srs. Leitores, o que ganharei com tal. A resposta é extremamente fácil e simples: a paz de consciência e o sentimento de um dever cívico cumprido. Prova de que me mantenho coerente.
.
E, para terminar: Sinto-me lisonjeado por o título da reportagem ser um plágio, embora apenas muito parcial, do título de um Artigo de Opinião, da minha autoria e designado de “Vampiros, Abutres, Sanguessugas e outros parasitas”.
.
Os Abutres continuam a voar, principalmente a alto nível, e só armas muito potentes os poderão abater; tivesse eu pelo menos uma…

Não é o Islão radical que preocupa os EUA - é a independência


A natureza de qualquer regime que apoia no mundo árabe é secundário ao controle. Os assuntos são ignorados até que quebrar as suas cadeias

"O mundo árabe está em chamas", disse Al-Jazeera informou na semana passada, enquanto toda a região, aliados ocidentais "estão perdendo rapidamente sua influência." A onda de choque foi posto em marcha pela dramática insurreição na Tunísia, que expulsou um western- ditador apoiado, com repercussões especialmente no Egito, onde manifestantes oprimido policiais brutais de um ditador.

Os observadores compararam com a queda de domínios russos em 1989, mas há diferenças importantes. Fundamentalmente, não Mikhail Gorbachev existe entre as grandes potências que apoiam os ditadores árabes.

Em vez disso, Washington e seus aliados para manter o princípio estabelecido também que a democracia só é aceitável na medida em que está em conformidade com os objectivos estratégicos e económicos: a multa em território inimigo (até certo ponto), mas não no nosso quintal, por favor, se não for devidamente domesticado .

Uma comparação de 1989 tem alguma validade: a Roménia , onde Washington mantém seu apoio Nicolae Ceausescu, o mais cruel dos ditadores europeus do leste, até a fidelidade tornou-se insustentável. Em seguida, Washington elogiou o seu derrube, enquanto no passado foi apagado. Esse é o padrão: Ferdinand Marcos, Jean-Claude Duvalier, Chun Doo-hwan, Suharto e muitos outros gangsters útil. Pode estar em curso, no caso de Hosni Mubarak, juntamente com os esforços de rotina para tentar garantir um regime sucessor não veer longe do caminho aprovado. A esperança atual parece ser legalista Mubarak general Omar Suleiman, acaba de ser nomeada vice-presidente do Egipto. Suleiman, o antigo chefe dos serviços de inteligência, é desprezado pelo público rebelando quase tanto como o próprio ditador.

Um refrão comum entre os especialistas é que o medo do islamismo radical exige (relutante) oposição à democracia, por razões pragmáticas. Embora não sem algum mérito, a formulação é enganosa. A ameaça geral sempre foi a independência. Os EUA e seus aliados têm apoiado regularmente islamitas radicais, às vezes, para evitar a ameaça do nacionalismo secular.

Um exemplo conhecido é a Arábia Saudita, o centro ideológico do islamismo radical (e do terror islâmico). Outro em uma longa lista é Zia ul-Haq, o mais brutal dos ditadores do Paquistão e favorito do presidente Reagan, que realizou um programa de islamização radical (com financiamento saudita).

"O argumento tradicional apresentadas dentro e fora do mundo árabe é que não há nada de errado, tudo está sob controle", disse Marwan Muasher, um ex-funcionário da Jordânia e hoje diretor do Médio Oriente para a pesquisa do Carnegie Endowment. "Com essa linha de pensamento, as forças entrincheiradas argumentam que os adversários e de fora para pedir a reforma estão a exagerar as condições no terreno".

Assim o público pode ser demitido. Os traços doutrina para trás e generaliza em todo o mundo, para EUA território casa também. Em caso de agitação, mudanças táticas podem ser necessárias, mas sempre com um olho para reassumir o controle.

O movimento vibrante democracia na Tunísia era dirigido contra "um estado policial, com pouca liberdade de expressão, de associação e de graves problemas de direitos humanos", governado por um ditador, cuja família era odiado pela sua venalidade. Então, disse embaixador dos EUA Robert Godec em um cabo de Julho de 2009 divulgado pela WikiLeaks.

Portanto, para alguns observadores do WikiLeaks "documentos devem criar um sentimento de conforto entre o público americano que os funcionários não estão dormindo no ponto" - na verdade, que os cabos são tão favoráveis das políticas dos EUA que é quase como se Obama está vazando ele próprio (ou assim Jacob Heilbrunn escreve em The National Interest .)

"A América deve dar Assange uma medalha", diz a manchete do "Financial Times", onde Gideon Rachman escreve : "a política externa para a América surge como princípio, inteligente e pragmática ... a posição pública tomada por os EUA sobre qualquer questão é geralmente o privado posição também. "


Nessa visão, a WikiLeaks mina "teóricos da conspiração" que questionam os motivos nobres Washington proclama.

cabo Godec apóia essas decisões - pelo menos se não procure mais. Se o fizermos, como política externa, relatórios de analistas Stephen Zunes no Foreign Policy in Focus, achamos que, com informações Godec na mão, Washington forneceu 12 milhões de dólares em ajuda militar para a Tunísia. Quando isso acontece, a Tunísia foi um dos cinco beneficiários estrangeiros: Israel (rotina); as duas ditaduras do Médio Oriente o Egipto ea Jordânia, e Colômbia, que há muito tempo tem o pior histórico de direitos humanos ea maior parte da ajuda militar dos EUA no hemisfério.

exibem Heilbrunn A é o apoio dos árabes para as políticas dos EUA visando o Irão, revelada por cabos vazada. Rachman também aproveita este exemplo, como fez a mídia em geral, saudando essas revelações encorajadores. As reações mostram quão profundo é o desprezo pela democracia na cultura educada.

é que a população pensa - facilmente descoberto. unmentioned Segundo pesquisas divulgados pelo Instituto Brookings, em agosto, alguns árabes concordam com Washington e comentaristas ocidentais de que o Irã é uma ameaça: 10%. Em contraste, eles consideram os EUA e Israel como as principais ameaças (77%, 88%).

A opinião dos árabes é tão hostil às políticas de Washington de que a maioria (57%) acham que a segurança regional poderia ser aumentado, se o Irã tivesse armas nucleares. Ainda assim, "não há nada de errado, tudo está sob controle" (como descreve Muasher, a fantasia dominante). Os ditadores nos apoiar. Seus temas podem ser ignoradas - a menos que quebrar as suas cadeias, e então a política deve ser ajustada.

Outras fugas também aparecem para dar apoio às decisões entusiasmado com a nobreza de Washington. Em julho de 2009, Hugo Llorens, embaixador dos EUA em Honduras, informou Washington de uma investigação da embaixada de "questões jurídicas e constitucionais em torno de 28 junho de remoção forçada do presidente Manuel Zelaya 'Mel'."

A embaixada concluiu que "não há dúvida de que o tribunal militar, supremo e congresso nacional conspiraram em 28 de Junho, no que constituiu um golpe ilegal e inconstitucional contra o Poder Executivo". Muito admirável, exceto que o presidente Barack Obama começou a romper com a quase totalidade da América Latina e na Europa, apoiando o regime golpista e destituir atrocidades subseqüentes.

Talvez as revelações mais notáveis WikiLeaks têm a ver com o Paquistão, revisto pelo analista politico Fred Branfman em Truthdig.

Os cabos revelam que a embaixada dos EUA está bem ciente de que a guerra de Washington no Afeganistão e no Paquistão não só intensifica desenfreado anti-americanismo, mas também "os riscos de desestabilização do estado paquistanês" e ainda levanta uma ameaça do pesadelo: que as armas nucleares podem cair nas mãos de terroristas islâmicos.

Novamente, as revelações "deve criar uma sensação de conforto ... que os funcionários não estão dormindo no ponto" (palavras Heilbrunn) -, enquanto Washington stalwartly marchas para o desastre.

© Noam Chomsky 2011

DEUS,PÁTRIA E FAMÍLIA E O REVERSO DEPOIS DE 25 DE ABRIL

.



Estou absolutamente de acordo com quem teve esta ideia

O QUE FOI ACRESCENTADO COM O 25 DE ABRIL

AFINAL FOI SÓ UM .............A............m
Portugal, desde o séc. XX, tem estado sujeito a dois lemas:
No Estado Novo (1926-1974), o lema era : "Deus, Pátria e Família!"
Nesta democracia pós 25 de Abril, por espantoso que possa parecer, o lema tem sido praticamente igual,
apenas aumentou... mas só uma letra.

De facto, o lema actual, e que se agravou com os vigaristas que nos tem (des) governado nestes últimos anos é :
"Adeus, Pátria e Família!"

AS SUAS NOTÍCIAS NO DIA 07.02.11

Capa do Correio da Manhã Correio da Manhã

Falso aviso de bomba para evitar viagem do marido
Barcelos: Acidente fere quatro
GNR atira gás a jogadores
Miguel Macedo: Sócrates mentiu
Sabugal: Esfaqueado em bar

Capa do Público Público

Incêndio em prédio nas Caldas da Rainha faz três mortos
Avaliação à gestão do risco
Suspensão do processo de reformulação das carreiras trava a fundo reforma do Estado
Concorrência e recessão lideram as preocupações das empresas
Sorteio do Joker (6/2011)

Capa do Diário de Notícias Diário de Notícias

Bombeira de 22 anos morre em acidente de viação no IC2
Helicóptero envolvido nas buscas de cidadãos ingleses
Creche ilegal usava drogas para adormecer os bebés
Menores ajudam mãe a matar o pai
Estado paga menos na infertilidade

Capa do Jornal de Notícias Jornal de Notícias

Líder do MpD reconhece derrota em Cabo Verde
PAICV lidera contagem de votos em Cabo Verde
Síria e Turquia defendem aspirações do povo egípcio
Falso aviso de bomba para evitar viagem do marido
Kubica terá um ano para recuperar a mobilidade da mão

Capa do i i

CDS admite rescisões por mútuo acordo na função pública
PSD não viabiliza moção de censura da esquerda após tomada de posse do Presidente
Cavaco II. Presidente mede o pulso para futuras eleições
Casa Pia. Quanto podem valer as desculpas de Bibi?
Plataforma sindical de professores regressa com mais aliados

Capa do Diário Económico Diário Económico

Sete bancos já cobram ‘spreads’ acima de 4%
Harmonização fiscal na União Europeia pode custar 200 mil empregos
Mercado aguarda mega-emissão de dívida de Portugal
Empresas do Estado falham cortes exigidos por Teixeira dos Santos
Confiança no Governo em queda livre

Capa do Jornal Negócios Jornal Negócios

As notícias em foco na edição de hoje, dia 7 de Fevereiro, no Negócios
Dados do emprego nos EUA levam acções asiáticas a prolongar ganhos
Portugueses são os que menos confiam no Governo, seguros e banca
Extradição de Julian Assange começa hoje a ser julgada
Começou semana de greves nos Transportes

Capa do Oje Oje

Bolsa de Tóquio fecha sessão em alta
Alemanha e França ditam condições em Bruxelas
Somincor reinveste em Neves-Corvo
Soros confia no euro, mas teme o dólar
Exportações crescem 23% numa década

Capa do Destak Destak

Neves (PAICV) e Veiga (MpD) eleitos deputados
Polícia e Forças Armadas ocupam nove favelas no Rio de Janeiro
Actriz porno Ana Monte Real em destaque no dia II do Eros
Villas-Boas queria vencer "nem que tivesse de marcar um golo com a mão"
Bis de Ronaldo na goleada "merengue" à Real Sociedad (4-1)

Capa do A Bola A Bola

Bettencourt segura Paulo Sérgio até ao fim
Walter tem defesa
Estrelas dos Laureus já começaram a desfilar (COM VÍDEO)
Bora Milutinovic elogia portugueses (COM VÍDEO)
Laureus entregues esta segunda-feira em Abu Dhabi (COM VÍDEO)

Capa do Record Record

Internacionais em debandada
A melhor série acontece na fase mais conturbada
Capital argentino sobe valor da águia
Jesus concede folga para hoje
Paulo Sérgio não vacila

Capa do O Jogo O Jogo

Sana e Agra ambicionam a titularidade
Boston Celtics triunfam diante dos Orlando Magic
Bebé: “A vinda à seleção é bastante boa, porque não tenho jogado com grande regularidade”
Valência vence Hércules por 2-0 e está a um ponto do 3º lugar
Michelle Brito vence primeiro título no circuito profissional