Translator

segunda-feira, 28 de março de 2011

ISLÂNDIA: "UM EXEMPLO PARA PORTUGAL SEGUIR"

Crise financeira mundial Islândia.

O povo é quem mais ordena. E já tirou o país da recessão por Joana Azevedo Viana, Publicado em 26 de Março de 2011 .

A crise levou os islandeses a mudar de governo e a chumbar o resgate dos bancos. Mas o exemplo de democracia não tem tido cobertura

Nem o frio pára o povo: duas revoluções pacíficas já levaram a grandes mudanças. Os protestos populares, quando surgem, são para ser levados até ao fim. Quem o mostra são os islandeses, cuja acção popular sem precedentes levou à queda do governo conservador, à pressão por alterações à Constituição (já encaminhadas) e à ida às urnas em massa para chumbar o resgate dos bancos.

Desde a eclosão da crise, em 2008, os países europeus tentam desesperadamente encontrar soluções económicas para sair da recessão. A nacionalização de bancos privados que abriram bancarrota assim que os grandes bancos privados de investimento nos EUA (como o Lehman Brothers) entraram em colapso é um sonho que muitos europeus não se atrevem a ter.

A Islândia não só o teve como o levou mais longe. Assim que a banca entrou em incumprimento, o governo islandês decidiu nacionalizar os seus três bancos privados - Kaupthing, Landsbanki e Glitnir. Mas nem isto impediu que o país caísse na recessão. A Islândia foi à falência e o Fundo Monetário Internacional (FMI) entrou em acção, injectando 2,1 mil milhões de dólares no país, com um acrescento de 2,5 mil milhões de dólares pelos países nórdicos.

O povo revoltou-se e saiu à rua. Lição democrática n.º 1: Pacificamente, os islandeses começaram a concentrar-se, todos os dias, em frente ao Althingi [Parlamento] exigindo a renúncia do governo conservador de Geir H. Haarde em bloco. E conseguiram. Foram convocadas eleições antecipadas e, em Abril de 2009, foi eleita uma coligação formada pela Aliança Social-Democrata e o Movimento Esquerda Verde - chefiada por Johanna Sigurdardottir, actual primeira-ministra.

Durante esse ano, a economia manteve-se em situação precária, fechando o ano com uma queda de 7%. Porém, no terceiro trimestre de 2010 o país saiu da recessão - com o PIB real a registar, entre Julho e Setembro, um crescimento de 1,2%, comparado com o trimestre anterior. Mas os problemas continuaram. Lição democrática n.º 2: Os clientes dos bancos privados islandeses eram sobretudo estrangeiros - na sua maioria dos EUA e do Reino Unido - e o Landsbanki o que acumulava a maior dívida dos três.

Com o colapso do Landsbanki, os governos britânico e holandês entraram em acção, indemnizando os seus cidadãos com 5 mil milhões de dólares [cerca de 3,5 mil milhões de euros] e planeando a cobrança desses valores à Islândia. Algum do dinheiro para pagar essa dívida virá directamente do Landsbanki, que está neste momento a vender os seus bens. Porém, o relatório de uma empresa de consultoria privada mostra que isso apenas cobrirá entre 200 mil e 2 mil milhões de dólares.

O resto teria de ser pago pela Islândia, agora detentora do banco. Só que, mais uma vez, o povo saiu à rua. Os governos da Islândia, da Holanda e do Reino Unido tinham acordado que seria o governo a desembolsar o valor total das indemnizações - que corresponde a 6 mil dólares por cada um dos 320 mil habitantes do país, a ser pago mensalmente por cada família a 15 anos, com juros de 5,5%.

A 16 de Fevereiro, o Parlamento aprovou a lei e fez renascer a revolta popular. Depois de vários dias em protesto na capital, Reiquiavique, o presidente islandês, Ólafur Ragnar Grímsson, recusou aprovar a lei e marcou novo referendo para 9 de Abril. Lição democrática n.º 3: As últimas sondagens mostram que as intenções de votar contra a lei aumentam de dia para dia, com entre 52% e 63% da população a declarar que vai rejeitar a lei n.o 13/2011.

Enquanto o país se prepara para mais um exercício de verdadeira democracia, os responsáveis pelas dívidas que entalaram a Islândia começam a ser responsabilizados - muito à conta da pressão popular sobre o novo governo de coligação, que parece o único do mundo disposto a investigar estes crimes sem rosto (até agora). Na semana passada, a Interpol abriu uma caça a Sigurdur Einarsson, ex-presidente-executivo do Kaupthing.

Einarsson é suspeito de fraude e de falsificação de documentos e, segundo a imprensa islandesa, terá dito ao procurador-geral do país que está disposto a regressar à Islândia para ajudar nas investigações se lhe for prometido que não é preso. Para as mudanças constitucionais, outra vitória popular: a coligação aceitou criar uma assembleia de 25 islandeses sem filiação partidária, eleitos entre 500 advogados, estudantes, jornalistas, agricultores, representantes sindicais, etc.

A nova Constituição será inspirada na da Dinamarca e, entre outras coisas, incluirá um novo projecto de lei, o Initiative Media - que visa tornar o país porto seguro para jornalistas de investigação e de fontes e criar, entre outras coisas, provedores de internet. É a lição número 4 ao mundo, de uma lista que não parece dar tréguas: é que toda a revolução islandesa está a passar despercebida nos media internacionais.

SÓCRATES: "A PRIMEIRA QUEDA"


Clique na imagem para a ler o conteúdo


EU ACRESCENTO: "SÓCRATES É UM DOIDO VARRIDO A GOVERNAR PORTUGAL

António Barreto a crise politica e o P.S.

Este vale a pena ler e imprimir optei por transcrever as palavras para texto pois ficam mais poderosas: http://www.youtube.com/watch?v=y5wD1IJzneU&feature=channel_video_title~ António Barreto (ex-socialista e uma voz sensata) sobre a crise politica e o P.S. Ouvir com atenção a partir dos 4m: " (...) Os socialistas gostam de bater nos fracos, nos frágeis porque é fácil, é rápido e gostam muito de ajudar os amigos, os amigos do partido, os amigos, os amigos de certos grupos, de certas empresas são muito ávidos dessa ajuda e muito ávidos de bater nos fracos (...)

Este P.S. não está a prestar serviços ao país. E não respeita a democracia o que é uma coisa confrangedora; (...) A política chegou em Portugal a um estado de indecência (...); a maneira como o 1º ministro, o líder do grupo parlamentar socialista e o ministro da presidência se anunciaram firmes para a lide, parece que estão a entrar numa praça de touros, isto não é uma praça de touros, isto é um país (observação eu diria antes que é um manicómio, para escolher este individuo como 1º ministro - duas vezes) é um povo que está a sofrer uma situação social muito difícil que não se compadece com este marialvismo destes pequenos políticos (...); o essencial foi o gesto deliberado do 1º ministro, aquele é um gesto pensado deliberado porque senão fosse deliberado ou pensado porque senão fosse deliberado ou pensado é totalmente inconsciente e então este homem merece repouso, (Nota merece, merece na ala psiquiátrica dos doidos furiosos) não merece outra coisa, mas eu penso que foi um gesto deliberado para provocar a ira (...) dos partidos e do P. R. e para os encostar à parede (...); o 1º ministro estava e está em perda permanente sistemática à muito tempo, creio aliás que é das poucas boas notícias do dia de hoje o nos termos visto livres dele, pelo menos para já (...) ele sabia que não tinha força, não tinha competência, não tinha inteligência, que não estava à altura, não tinha margem de manobra.

Que tinha enganado muito e toda a gente, que tinha enganado a União Europeia, que tinha problemas com as contas e estatísticas do arco-da-velha, que ele não conseguia endireitar o défice que não conseguia endireitar o endividamento, ele sabia que tinha de recorrer ou à União Europeia ou ao Fundo Monetário e por isso eles inventaram já à dois meses aquele fantástico slogan - para defender Portugal - Portugal precisa de se defender de Sócrates não é do mundo nem da Europa precisa de se defender de José Sócrates (...) Francisco Assis (...) tentou fazer-nos acreditar o inacreditável, que o P. S. não está agarrado ao poder, que o P. S. está de boa-fé, que o P. S. informou os adversários que informou o P. R., ele aí excedeu-se (...) mas estou convencido que este P. S. não irá muito longe nas eleições (...) este ano e meio desgastou até os critérios morais de comportamento, de cortesia democrática democrático de comportamento político, as relações entre as pessoas (...) o povo não sabe o estado em que se encontram as finanças públicas portuguesas, não sabe muitos dos dirigentes políticos, eles próprios não sabem em que estado estão as coisas, há sinais de que muita, muita, muita manipulação nomeadamente nos pagamentos da saúde, nos pagamentos da educação, nos pagamentos de certas obras publicas, nos pagamentos de algumas dívidas para não falar no caso do B. P. N. e de outras coisas.

Eu gostava de apelar (...) ao Presidente da República e ao senhor governador do banco de Portugal para que antes das eleições, digam à população, digam ao povo em que estado se encontram realmente as finanças públicas, há tempo, há dois meses, é possível fazer uma mini auditoria às contas nacionais, às finanças públicas (...)com os dados que temos e algum trabalho e algum esforço é possível informar os portugueses do real estado das finanças públicas, é possível informar os portugueses do real estado das finanças públicas dos nossos compromissos do nosso endividamento e das perspectivas para os próximos doze meses.

Ir a eleições sem fazer isto perante o povo é de uma enorme deslealdade e disso senão, se fizer, serão responsáveis todos os actuais dirigentes políticos; (...) é um bocadinho inédito o facto de um país estar em tão grandes dificuldades, ter os meios (...) para os resolver, pelo menos a parte nacional que nos compete e que não é a crise internacional, e não os ter aproveitado, ter desperdiçado todos os meios que tinha (...) creio que há alguma desfaçatez e isto vai contribuir para que agora evidentemente paguemos uma factura que seja mais alta, mais elevada (...) se a única coisa que eles (partidos) continuam a pensar nos próximos tempos é na vantagem partidária, no emprego dos seus amigos e dos seus rapazes, na gestão da coisa pública para o seu partido, nos favores prometidos, celebrados e comprometidos se é isso que eles pensam (...) podem correr o risco de ter resultados que não garantem nada e que é necessário recomeçar tudo outra vez (...)" 23 de Março 2011 SIC

OS NOSSOS "CHOURIÇOS" DOMÉSTICOS

Ao ponto a que se chegou: 7.427 euros por reunião!!! - Uma questão de Numeros!

Assunto: Ao ponto a que se chegou: 7.427 euros por reunião!!! - Uma questão de Numeros!
Este email é muito interessante para se ver até que ponto uns quantos senhores *Ex -qualquer cargo politico, *se auto remuneram e recebem beneficios que certamente serão isentos de alguns encargos....

Não admira tanta "escola" ! Ainda hoje os "aprendizes" que ainda estão no "berçário" da AR e futuros *Ex -qualquer cargo politico, *discutiam se deviam ou não prescindir da água engarrafada !
Grande poupança !

Mas não discutem outras regalias como as *"senhas de presença" a que os trabalhadores não teem direito porque é sua obrigação ir trabalhar!

Não é para isso que são pagos ?*
*Enquanto houver tantos tachos e "governinhos & governanços" este país jamais levantará a cabeça!* Sublinho que os 7427 euros que cada um, em média, recebe por reunião correspondem a cerca de 17 salários mínimos!!!
*E anda por aí muita gente com fome a revoltar-se contra os direitos humanos na China. * *E nós por cá?*
Em que condição está *um trabalhador, com família, que anda a trabalhar 17 meses para ganhar aquilo que um nababo ganha numa ou duas horas!!!*

*REENVIANDO:*

A VERDADE PURA (COMO TODOS ANDAMOS A SER ALDRABADOS POR MEIA DÚZIA DE GAJOS)

Em verdade vos digo que de finanças públicas não percebo nada... Mas entendo das minhas, por que o meu pouco "cacau" foi ganho dentro de honestade e regulando-me ganhar 4 e gastar 3. Depois de passarem a fotografia cliquem no endereço e vão direitos a um video onde são ditas verdades nuas e cruas e o ruim que não tarde afectar todos nós


Clique a seguir:

PORTUGAL: "MEUS FILHOS NÃ HÁ NADA A FAZER...."

Debruço-me apenas sobre um pequeno "grupito" de Institutos que sorvem hávida e sôfregamente os dinheiros dos nossos impostos. Mas .... para que servem?!!!!
Aquele cantinho mais ocidental da Europa que, como já dizia Jorge de Sena, nem o mar quer, esse mesmo, Portugal, tem hoje 349 Institutos Públicos, dos quais 111 não pertencem ao sector da Educação.

Se forem descontados também os sectores da Saúde e da Segurança Social, restarão ainda 45 Institutos com as mais diversas funções.
Há ainda a contabilizar perto de 600 organismos públicos, incluindo Direcções Gerais e Regionais, Observatórios, Fundos diversos, Governos Civis, etc.) cujas despesas podiam e deviam ser reduzidas, ou em alternativa – o que parece ser mais sensato – os mesmos serem pura e simplesmente extintos.
Para se ter uma noção do despesismo do Estado, atente-se apenas nos supra-citados Institutos, com funções diversas, muitos dos quais nem se percebe bem para que servem.
Veja-se então as transferências feitas em 2010 pelo governo socialista do meu "ódiozinho de estimação" para estes organismos: ORGANISMOSDESPESA (em milhões de €)
Cinemateca Portuguesa3,9
Instituto Português de Acreditação4,0 Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos6,4
Administração da Região Hidrográfica do Alentejo7,2
Instituto de Infra Estruturas Rodoviárias7,4
Instituto Português de Qualidade7,7

Administração da Região Hidrográfica do Norte8,6
Administração da Região Hidrográfica do Centro9,4
Instituto Hidrográfico10,1 Instituto do Vinho do Douro10,3

Instituto da Vinha e do Vinho11,5
Instituto Nacional da Administração11,5

Alto Comissariado para o Diálogo Intercultural12,3
Instituto da Construção e do Imobiliário12,4
Instituto da Propriedade Industrial14,0

Instituto de Cinema e Audiovisual16,0 Instituto Financeiro para o Desenvolvimento Regional18,4
Administração da Região Hidrográfica do Algarve18,9 Fundo para as Relações Internacionais21,0
Instituto de Gestão do Património Arquitectónico21,9
Instituto dos Museus22,7
Administração da Região Hidrográfica do Tejo23,4
Instituto de Medicina Legal27,5

Instituto de Conservação da Natureza28,2
Laboratório Nacional de Energia e Geologia28,4
Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu28,6

Instituto de Gestão da Tesouraria e Crédito Público32,2
Laboratório Militar de Produtos Farmacêuticos32,2
Instituto de Informática33,1

Instituto Nacional de Aviação Civil44,4
Instituto Camões45,7 Agência para a Modernização Administrativa49,4
Instituto Nacional de Recursos Biológicos50,7
Instituto Portuário e de Transportes Marítimos65,5

Instituto de Desporto de Portugal79,6
Instituto de Mobilidade e dos Transportes Terrestres89,7
Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana328,5

Instituto do Turismo de Portugal340,6
Inst Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação589,6
Instituto de Gestão Financeira804,9

Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas920,6
Instituto de Emprego e Formação Profissional1.119,9 TOTAL.........................5.018,4

- Se fossem reduzidas em 20% as despesas em estes organismos, e apenas estes, as poupanças rondariam os 1000 milhões de €, e evitava-se a subida do IVA. - Se fossem realizadas fusões, extinções ou reduções mais drásticas, a poupança seria da ordem dos 4000 milhões de €, e não seriam necessários cortes nos salários. - Se para além de tudo isto, em outros mais tantos Institutos se procedesse de igual forma, o PEC 3 não teria tido sequer razão de existir.
DURA LEX, SED LEX

LÍBIA: "MULHER, SELVATICAMENTE,VIOLADA.

Operador de camera da CNN enfrenta arma, e quebrada sua a câmera num hotel da Líbia hotelAo pessoal CNN.com28 de marco de 2011 - Atualizado GMT 0142 (0.942 HKT)



. Tripoli, Líbia (CNN) - fotojornalista CNN Khalil Abdallah estava tomando café da manhã de sábado em um hotel de Trípoli, que abriga imprensa estrangeira quando entrou uma mulher no restaurante, gritando que ela havia sido estuprada e espancada por dias pelas brigadas de Muamar Khadafi. Sua entrada repentina surpreendeu o grupo de jornalistas internacionais, que estavam prestes a começar um outro dia cobrindo a crise na Líbia . O rosto da mulher, estava muito ferida, uma contusão de longa duração para o lado esquerdo de seu rosto.

Ela, chorava, gritava, levantando seu vestido para mostrar uma coxa com sangue. Seus tornozelos e os pulsos eram sangravam, onde ela disse que tinha sido presa. Um dos poucos presentes que falavam árabe, o fotojornalista, entendida seus apelos. "Ela estava dizendo:" Somos todos libaneses! Por que não nos tratam da mesma coisa? ' "Abdallah relatou domingo para CNN.com. A mulher disse aos jornalistas que tinha sido detida em um posto de controlo do governo a leste de Tripoli, amarrada, espancado e estuprado por dois dias. Seu nome era Eman Al-Obeidy, disse ela. Mulher acusa as forças libanesas de Muamar Kadafi a ter estrupado "Olhe o que brigadas de Khadafi fez para mim!" ela gritou. "Minha honra foi violada por eles!" Os repórteres reunidos em torno dela, tentando acalmá-la, Abdallah lembra.

Ele e outros fotojornalistas correram para as câmeras e recoilher imagens "Estávamos todos em choque", disse Abdallah, tentando manter uma mão firme. Ele sabia que cuidam de outras - os homens do governo da Líbia atribui a jornalistas estrangeiros para acompanhar todos os seus movimentos - eram próximos. Repórteres mal tinha feito algumas perguntas antes de os inspectores estavarem sobre eles, empurrando repórteres para o lado, tentando mandar a mulher embora. Alguns deles estavam usando seus emblemas distintivos vermelhos, disse Abdallah, enquanto outros estavam à paisana. Eles jogaram socos.

Os jornalistas tentaram se defender e manter a mulher longe dos inspetores. "Foi como um amontoado de rugby", disse Abdallah. Um correspondente da emissora britânica Channel 4, Jonathan Miller, tentou empurrar um dos acompanhantes de volta. A mulher estava tentando lutar bem, disse Abdallah. "Ela está empurrando-o (a guarda) de volta, dizendo: 'Não me toque, me deixe em paz!" ", Disse. "A partir desse ponto em diante, todos neste hotel era contra nós (os jornalistas)", contou o fotógrafo. Minders correu atrás de jornalistas, saltando sobre eles, espancando-os, disse ele. Em um ponto um saco foi colocado sobre a cabeça da mulher e ela foi levada para o jardim do hotel. Ela foi interrogada por cerca de 40 minutos e, em seguida voltou para dentro. Eles anunciaram que a mulher estava louca e que ela estava sendo levada para o hospital. "Todos os acompanhantes estavam nos dizendo que estava bêbado ou tinha problemas mentais", disse Abdallah.

Pouco tempo depois, a mulher foi conduzida através do lobby. Jornalistas seguida, protestando, gritando para os homens de deixá-la ir. Um jornalista pode ser ouvida no vídeo pedindo-lhe: "Você está OK" "Não", responde a mulher, com a voz trêmula. Ela grita em uma câmera: "Se você não me vê amanhã, então é isso!" A mulher é forçada em um carro esperando. Ela grita que ela está sendo levada para a cadeia. Os acompanhantes disse aos repórteres que eles pudessem ver a mulher novamente mais tarde. "Foi-nos dito que iríamos ver as pessoas novamente, mas nunca fazemos", disse Abdallah. Uma imagem que ele capturou mostra um contador de apontar o dedo para Abdallah pouco antes de arrancar sua câmera e quebrá-lo. "Ele arrancou o microfone desligado, o visor, as unhas afundado no meu braço", disse Abdallah. "Eu estava puxando a câmera de uma forma, ele foi puxando a outra maneira." Embora lutando por sua câmera, Abdallah viu um guarda ali perto, segurando uma pistola 9 mm. O fotojornalista soltou e começou lentamente a volta para fora do restaurante.

Então ouvi algo Abdallah da acompanhantes que ele se habituou a esperar, mas que nunca deixa de picá-lo. "Ele é árabe!" gritavam. "Por que ele está fazendo isso conosco? '" "Quando você é rotulado como aquele, não importa o que a sua cidadania é", disse ele. "Mas o que eu senti mais foi terrível para a mulher e como o governo vai lidar com ela. "Isso é a coisa que é mais perturbador." Pós-escrito: A mulher da Líbia, que invadira o hotel Tripoli para dizer aos jornalistas, estrangeiros, que as tropas do governo a estuprou quando um porta-voz governo, Ibrahim Moussa, transmitia informações a repórteres numa conferência de imprensa neste domingo.

A CNN não tem sido capaz de confirmar o anúncio, independentemente, do porta-voz. P.S. - Tradução não revisada que dá para bom entendedor meia palavra basta!

AS SUAS NOTÍCIAS DO DIA 28.3.11

Capa do Correio da Manhã Correio da Manhã Sporting faz rectificação de sócios e votos Japão: Sismo e alerta de tsunami Encontrada morta em casa Arronches: Sino de igreja furtado Madeira: Incidente com avião

Capa do Público Público Em plena crise de credibilidade, executivos da Moody"s ganharam mais 60 por cento em 2010 Quantos "falsos recibos verdes" existem ao certo? Mais de metade dos jovens têm um contrato não permanente PS vence eleições cantonais em França, FN ganha terreno Sp. Braga vence em Olhão e aproxima-se do Sporting

Capa do Diário de Notícias Diário de Notícias Poupança de 200 milhões na PSP e GNR não saiu do papel Universidades há dez anos sem novos professores Nogueira Leite: Se alguém tem feito tudo para que Portugal recorra ao FMI é o engenheiro Sócrates Miguel Relvas: "PS insiste numa atitude de pugilismo verbal" Sondagem dá vitória ao PSD mas sem maioria absoluta

Capa do Jornal de Notícias Jornal de Notícias Heróis recebidos em ambiente de festa em Guimarães Sismo de 6,5 ao largo do Japão e alerta de tsunami Chave do Joker Prestação da casa subiu 62 euros em apenas um ano Mais de 65 mil utentes aguardam por cirurgia no Norte do país
Capa do i i Sindicato já instaurou processo contra administração da CP Jardim à beira-mar plantado. O flower power de Tó Romano Cavaco Silva não vai intervir na avaliação dos professores PSD não pede auditoria às contas do Estado. Tema está na campanha "O voto no Parlamento foi contra Sócrates", diz Rebelo de Sousa
Capa do Diário Económico Diário Económico Petróleo cai pela terceira sessão consecutiva Derrota de Merkel enfraquece o euro Nova empresa de media nacional quer comprar DN e TSF New York Times começa hoje a cobrar conteúdos em formato digital Actualização do limite de despesa por ajuste directo é "normal"
Capa do Jornal Negócios Jornal Negócios Taiwan com interesse na privatização da TAP e outras empresas portuguesas Bolsas asiáticas caem com receios de radiação no Japão Saiba como combater a inflação Passos critica falta de "audácia" no plano de privatizações do PS As notícias em foco na edição de hoje, dia 28 de Março, no Negócios

Capa do Oje Oje SCC entra em Angola e Cabo Verde Energia das ondas avança em Peniche Europa empurra Portugal para o pedido de resgate PT assegura linha de crédito de 900 milhões Gasolina poderá subir esta semana

Capa do Destak Destak Bragança e Zamora querem que a próxima cimeira ibérica discuta ligação da fronteira em autoestrada As razões dos nossos piores arrependimentos Godinho Lopes apela à união e recusa "excessos" Godinho Lopes reitera que só anuncia treinador "no momento certo" Godinho Lopes garante realização de auditoria
Capa do A Bola A Bola José António deve recuperar Reunião para definir Dudu Jaílson perto da saída Espanhóis andam loucos por Guarín «Vou impor uma liderança forte» - Godinho Lopes
Capa do Record Record Gigantes para a baliza Aposta total em Jara Tiros de Fredy Guarín para quebrar barreiras Villas-Boas para o pódio A lista de Godinho

Capa do O Jogo O Jogo Sílvio garante que só sabe do interesse do FC Porto pelos jornais Sporting (Eleições): Números finais apontam para 14.619 sócios votantes e 91.482 votos Real Madrid: Mourinho garante que Benzema evoluiu “porque tem um treinador exigente” Godinho Lopes não garante reforços prometidos Domingos Paciência: “O terceiro lugar passa a ser o nosso objectivo”

VARA: UM BOM RAPAZ...!!!

Um país em crise...de decência





O ex-vice-presidente do BCP, Armando Vara, que suspendeu as suas funções no banco privado em 2009 por alegados envolvimentos no processo Face Oculta, relacionado com corrupção e crimes económicos, recebeu uma indemnização de 562 mil euros, que acresce aos 260 mil euros de remuneração fixa. Vara recebeu um total de 822 mil euros do BCP em 2010, embora já não estivesse em exercício de funções desde o ano anterior. Recorde-se que Vara é acusado de três crimes de tráfico de influência no processo Face Oculta, relativo ao negócio da sucata que tem 36 arguidos. O BCP gastou 4 milhões em salários e prémios no ano de 2010. Se o estado gastou 2 mil milhões para salvar a pele ao sistema bancário e se os bancos têm lucros de centenas de milhões de euros, mesmo depois de pagar principescas indemnizações e prémios, seria justo que fosse a banca a pagar agora ao estado o dinheiro que este gastou para os salvar da falência. Injusto é que sejamos nós a pagar pelos roubos e trafulhices de gente gananciosa.

A "BARBUDA" DA ROUBALHEIRA

Nova lei (para o ROUBO): Montantes por ajuste directo e sem concurso público aumentam

O Governo decidiu aumentar os montantes que podem ser gastos por ajuste directo e sem concurso público, escreve o «DN». A lei já foi publicada em Diário da República, na véspera do debate no Parlamento sobre o Programa de Estabilidade e Crescimento para 2011-2014 (PEC4), chumbado a 23 de Março.
Na nova lei ministros, autarcas e directores-gerais vão poder gastar mais dinheiro a partir de Abril. No caso dos presidentes de câmara, por exemplo, o montante dos contratos que podem decidir por ajuste directo pode chegar aos 900 mil euros, quando até agora o máximo era 150 mil euros. Um valor que aumenta no caso dos ministros: a nova lei permite-lhes gastar até 5,65 milhões de euros, enquanto o primeiro-ministro poderá autorizar despesas até 11,25 milhões de euros. Estão também abrangidas pelo Decreto-lei 40/2011 os gastos com rendas para «instalação de serviços do Estado», despesas com seguros de automóveis e outros encargos.
In Agência Financeira
Logo aplicam-se à política estas FRASES INTEMPORAIS

1 - O cigarro adverte:

"o governo faz mal à saúde!"

2 - Não roube,
“o governo detesta concorrência.”
3 - Errar é humano.

“Culpar outra pessoa é política.” 4 - Autarcas portugueses"São os mais católicos do mundo. Não assinam nada sem levar um terço.
5 - Se bem que…
"o salário mínimo deveria chamar-se gorjeta máxima".
6 - Feliz foi Ali-Babá que: "não viveu em Portugal e só conheceu 40 ladrões!!!..."
7 - Não deixe de assistir

"ao horário político na TV:

Talvez seja a única oportunidade de ver políticos portugueses em "cadeia nacional".
8 – O maior castigo
"para quem não se interessa por política é que será governado pelos que se interessam."
9 - Os políticos "são como as fraldas... Devem ser trocados com frequência, e sempre pelo mesmo motivo...
10 - Os líderes
"das últimas três décadas ou sucedem a si próprios ou então criam clones dos seus tiques."

11 - Os partidos " tomaram conta do Estado e puseram o Estado ao seu serviço."
12 - A frase do dia é de Alberto João Jardim: - O que penso sobre o aborto?!...
- Considero-o um péssimo Primeiro-ministro e está a governar muito mal o País.

ATENÇÃO: NESTE TEMPO QUE FALTA ATÉ NOVAS ELEIÇÕES MUITOS JOBS E OBRAS VÃO SURGIR!!!
É SÓ ROUBAR!!!