Translator

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

OS VERDADEIROS FILHOS DE PUTA - A INTERNET NÃO OFERECE SEGURANÇA NENHUMA!!!!

Anonymous divulga conversa do FBI e Scotland Yard sobre… piratas informáticos


Anonymous divulga conversa do FBI e Scotland Yard sobre… piratas informáticos
legenda da imagem
Wikipédia

Uma teleconferência entre agentes do FBI e da Scotland Yard, sobre ações contra a pirataria informática, teve lugar no dia 17 de janeiro. Dos dois lados do Atlântico, membros das forças de segurança internas da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos comentaram investigações de casos a decorrer contra o Anonymous e outros grupos de piratas informáticos. Falaram ainda de datas e do planeamento de detenções, assim como de potenciais indícios comprometedores. O Anonymous intercetou a conversa, de 17 minutos e publicou tudo na Internet.

O grupo de piratas conseguiu aceder à conversa aparentemente graças a um e-mail que fornecia detalhes dos códigos de acesso para o telefonema, além dos endereços eletrónicos dos convidados para a conversa.

O e-mail, alegadamente assinado por Timothy Lauster Jr, do FBI e datado de 13 de janeiro, foi igualmente publicado pelo Anonymous.

Os piratas gabaram-se depois das suas capacidades. Na sua conta no Twitter, AnonymousIRC comentou, “nesta altura, o FBI deve estar muito curioso para saber como conseguimos, de há algum tempo a esta parte, ler continuamente as suas comunicações internas”.

O FBI confirmou a veracidade da conversa e reagiu ao ataque afirmando que a informação intercetada "se destinava apenas aos agentes da lei e foi obtida ilegalmente". A Scotland Yard prometeu um comunicado para mais tarde.

Ataque do Anonymous da Grécia

Já esta manhã, piratas atacaram o ministério grego da Justiça, publicando no site da instituição, durante duas horas, um vídeo de ativistas que afirmavam ser membros cipriotas e gregos do grupo internacional Anonymous

A gravação mostrava a figura com a máscara Anonymous (usada por Guy Fawkes, personagem do filme V for Vendetta), a acusar o governo grego de se colocar ao lado do Fundo Monetáro Internacional, da União Europeia e dos bancos, contra o seu povo.

A ação protestava contra a assinatura, por parte do governo grego, de um acordo sobre direitos de autor e pela forma como o executivo tem liadado com a crise da dívida. O ministério acabou por retirar o site da Internet.
Bancos brasileiros atacados
.
Anonymous designa um grupo de pessoas que se junta online, habitualmente para concretizar um protesto.
.
Os grupos variam de tamanho e de  composição, conforme a causa. Os membros identificam-se em vídeos web cobrindo o rosto com máscaras de Guy Fawkes.
.
Habitualmente os protestos materializam-se através de ataques que perturbam websites e servidores. O nome Anonymous surgiu primeiro em sites anárquicos como o 4Chan, que autoriza os seus membros a publicar sem se identificarem, usando a designação Anonymous (anónimo).Paralelamente, três bancos brasileiros viram as suas páginas de clientes bloqueadas, em ataques quarta, quinta e sexta-feira, através de agentes que afirmaram pertencer ao Anonymous Brasil.
.
Sexta-feira os alvos do ataques cibernautas foram o Citibank Brasil, durante duas horas e o Banco BMG. O Banco Central também apresentou anomalias durante a manhã, conforme twittou a instituição, sem reconhecer estar sob alvo de ataque informático. Foi também através de tweets que o Anonymous terá alegadamente reivindicado a autoria dos problemas, dizendo que eram um teste “para calibrar nossas armas”.

Quinta-feira, a vítima dos piratas foi o HSBC, que registou um volume de acessos anormal o que bloqueou a sua página na Internet. No dia um de fevereiro idêntico fenómeno tinha “atacado” o Banco Central do Brasil. Guerra de piratas em curso?
O grupo Anonymous Brasil desmentiu já a autoria do ataque, afirmando que não deseja dificultar a vida do "pai de família” trabalhador e que o grupo não tem como objetivo atingir a sociedade.

O Anonymous Brasil responsabilizou vários grupos de piratas, o @AntisecBrTeam, @iPiratesGroup e a @Lulzsecbrazil, pela ação contra os bancos brasileiros, afirmando em comunicado na sua página, que estes grupos estão abertamente contra o Anonymous e procuram “desmoralizar o coletivo ao qual dedicamos várias de nossas forças a quase um ano”.

“Eles, com toda sua necessidade doentia de atenção, decidiram assumir a postura de que “se não nos respeitam pelo amor, vão nos respeitar pela dor”, acusa o Anonymous Brasil, acrescentando como ameaça “Nós somos Anonymous, não perdoamos, não esquecemos. Nos aguardem!” Pedem ainda desculpa às pessoas afetadas pelo incidente.

Toda a mensagem foi publicada no Facebook e parece indicar que está a decorrer uma guerra oculta entre grupos de piratas informáticos.

KAOS;Em defesa dos transportes públicos

O secretário de Estado dos Transportes alegou hoje que a greve dos transportes convocada para quinta-feira vai custar 150 milhões de euros à economia portuguesa e destruir num dia o esforço de poupança feito num ano. Numa declaração política no Parlamento, Sérgio Monteiro disse também que as empresas de transportes públicos tiveram prejuízos superiores a 30 milhões de euros com o conjunto de greves de 2011″.
Os protestos por todo o país, eu não os sinto.
E não os sinto porquê? Porque eles não representem a opinião da generalidade da população, representam a opinião de alguns, através das comissões de utentes, que não são mais que do que extensões de alguns dos partidos que hoje aqui mais vociferaram contra a política do Governo”, afirmou Sérgio Monteiro, depois de ter ouvido duras críticas da parte do PCP, BE e PEV.
Este discurso dos milhões somado ao incomodo que a greve causa a quem necessita dos transportes públicos consegue fazer com que muita gente se vire contra os grevistas. São prejudicados, muitos já pagaram o passe e não têm o serviço e custa dinheiro.
Mas, na verdade quem está a fazer greve também está a perder um dia de trabalho, a sofrer pressões e ameaças em defesa de direitos, muitos deles que são de todos nós. Quem é mais prejudicado se os preços dos Transportes públicos aumentam brutalmente e o serviço é reduzido? São todos aqueles que dependem deles para se deslocarem todos os dias para os trabalhos e escolas. Somos todos nós que não temos um motorista à porta de casa à nossa espera.
Afirma o Secretário de Estado que o custo vai ser de 150 milhões. É muito dinheiro, mas ainda há poucos dias afirmaram que os 148 milhões que meteram no já privatizado BPN não iam influir no Orçamento de Estado (e já se fala de mais 600 milhões). Só numa coisa ele tem razão, na falta de reacção dos utentes que se lamentam em privado, em casa, nos locais de trabalho mas não assumem a luta na defesa dos seus direitos. Está na hora de dizer não a estes aumentos brutais e não aceitar a privatização dos transportes públicos em nome do lucro privado.
Não é contra os grevistas que devemos virar a nossa frustração e indignação mas sim contra ste governo e a pobreza e miséria que espalham pelo país.

NÃO HÁ TOLERANÇA DE PONTO NO CARNAVAL E CARA MASCARADA!

Governo não dá tolerância de ponto no Carnaval


Governo não dá tolerância de ponto no Carnaval
CMTV

O primeiro-ministro, Passos Coelho, anunciou hoje que o Governo não dará tolerância de ponto aos funcionários públicos no Carnaval, argumentando que "ninguém perceberia" que tal acontecesse numa altura em que o Executivo se propõe acabar com feriados.


"Julgo que ninguém perceberia em Portugal, numa altura em que nos estamos a propor acabar com feriados como o 5 de Outubro ou o 1. de Dezembro ou até feriados religiosos, que o Governo pensasse sequer em dar tolerância de ponto, institucionalizando a partir de agora o Carnaval como um feriado em Portugal", anunciou o primeiro-ministro.

Sublinhando que a terça-feira de Carnaval "não é um feriado", embora tenha sido habitual dar tolerância de ponto aos funcionários públicos nesse dia, esta é "uma matéria que está mais do que decidida" para o Governo.

Passos Coelho salvaguardou, contudo, que "o facto de poder haver municípios que têm especiais tradições na comemoração do Carnaval quererem fazer eles próprios a tolerância de ponto a nível local é uma matéria que será decidida
por cada município".

"Mas, evidentemente, que os municípios não são competentes para darem tolerância de ponto aos funcionários públicos, isso é o Estado", acrescentou.

O primeiro-ministro falava à saída da cerimónia de aniversário da Associação Industrial Portuguesa (AIP), em Lisboa.

PASSOS COELHO ARMADO EM CHICO ESPERTO

Língua

Graça Moura dá ordem aos serviços do CCB para não aplicarem o Acordo Ortográfico

03.02.2012 - 08:30 Por Luís Miguel Queirós

Graça Moura afirma que o Acordo Ortográfico viola a Constituição  
Graça Moura afirma que o Acordo Ortográfico viola a Constituição (Foto: Daniel Rocha)
O recém-empossado presidente do Centro Cultural de Belém (CCB), Vasco Graça Moura, fez distribuir ontem à tarde uma circular interna, na qual dá instruções aos serviços do CCB para não aplicarem o Acordo Ortográfico (AO) e para que os conversores - ferramenta informática que adapta os textos ao AO - sejam desinstalados de todos os computadores da instituição.

Numa directiva datada de Setembro de 2011, o anterior conselho de administração do CCB adoptara o acordo em toda a documentação produzida pela instituição. Uma decisão que o novo presidente agora revogou com o apoio da nova administração. A questão que agora se coloca é a de saber se esta medida é legal, já que o Governo de José Sócrates ordenou, em Janeiro de 2011, que o AO fosse adoptado por todos os serviços do Estado e entidades tuteladas pelo Governo.

Leia mais no PÚBLICO de hoje e na edição online exclusiva para assinantes.

Passos Coelho diz que Graça Moura não quis corretor ortográfico apenas no computador pessoal

Pedro Passos Coelho salientou, esta manhã, no debate parlamentar que o novo presidente do CCB, Vasco Graça Moura, solicitou que não fosse instalado no computador pessoal o corretor ortográfico por preferir escrever com a antiga ortografia. O Primeiro Ministro fez questão em frisar que o acordo ortográfico entrou em vigor e será cumprido.

Clique em baixo e leia a peça completa do jornalista Orlando Castro

O Vasco do nosso contentamento

 
O recém-empossado presidente do Centro Cultural de Belém (CCB), Vasco Graça Moura, fez distribuir – escreve o Público – uma circular interna na qual dá instruções aos serviços do CCB para não aplicarem o Acordo Ortográfico e para que os conversores sejam desinstalados de todos os computadores da instituição.

O SENHOR SILVA QUE SIGA TRANQUILO, A VIVER À NOSSA CUSTA, MAS A GENTE NÃO ESQUECE!

O SENHOR SILVA, TEMPOS IDOS COM O SEU PESSOAL A FESTEJAR A 1ª MAIORIA ABSOLUTA

E PARA GRANDE MAL MELHOR REMÉDIO E ESTE É DOM DUARTE (SEM PIO) DE BRAGANÇA!



O manifesto, que tem entre os seus subscritores conta com o arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles, Miguel Esteves Cardoso e Pedro Ayres Magalhães, exige «um Chefe do Estado que esteja ao serviço da nação e que não se sirva dela» e a necessidade de «dignificar a chefia do Estado português», mostrando que há «alternativa» perante «uma ameaça de perda de soberania». «Portugal precisa de uma Monarquia», apontam o duque de Bragança como «único e legítimo pretendente ao trono».
Digo já que discordo totalmente com a existência de monarquias em que o ser-se “filho de” seja suficiente para se ser Rei. Não interessa se é estúpido, burro ou simplesmente parvo que é a sua real peida quem se vai sentar no trono. 
E depois, como quer este grupo de gente que assinou o manifesto que os levemos a sério se a alternativa que nos dão para nos livrarmos do Cavaco é o Duarte Pio.
Tirando isso da Monarquia não posso deixar de concordar que um Chefe de Estado deva estar ao serviço desse Estado e não que o use para superar as dificuldades em pagar as suas despesas.

Promiscuidade política

Quem se lixa são sempre os outros ou neste caso todos nós.

O FILME QUE MUDOU A AUSTRÁLIA ... VEJAM ATÉ AO FIM



... E QUE DEVIA SER PASSADO EM PORTUGAL!...
.
(não ver se for sensível a imagens chocantes)

.
Uma das maiores empresas de marketing do mundo resolveu passar uma mensagem para todos através de um vídeo criado pelo TAC (Transport Accident Commission) e teve um efeito fantástico na Austrália..
.
Depois desta mensagem, 40% da população da Austrália deixou de usar drogas e de consumir álcool nas datas comemorativas.

.
Espero que todos assistam, mesmo que não se alcoolizem ou usem algum tipo de drogas, que reflictam e passem para os seus contactos.


Orientem os vossos filhos, sobrinhos, amigos etc...
.

PORRA DAQUI TAMBÉM DIGO EU...FAÇA-SE UMA ARMADILHA,COMO AOS COELHOS E AGARREM O GAJO!

E o Isaltino na cadeia até iria melhorar a comida dos reclusos com caldeiradas... E se pretende conhecer as especialidas do Isaltino clique a seguir.
.

Isaltino – Apanhem-no à falsa fé, porra!


Enquanto vão sendo interpostos recursos dos recursos dos recursos, de sentenças proferidas e a proferir, transitadas em julgado ou a transitar... o inenarrável Isaltino Morais vai folgando.
Os seus advogados já nem pretendem negar os seus crimes. Limitam-se à táctica vergonhosa de alegar que estes ocorreram há já muito tempo... e pedem, desavergonhadamente, a sua prescrição.
O Ministério Público tenta, por estes dias, mais uma chance de o caçar, desta vez por mais um crime de fraude fiscal. Desconfio que, no pé em que as coisas estão, mais depressa o apanharão por fumar o seu charuto num qualquer lugar proibido.
Seja como for e estando longe de querer ensinar o ofício ao MP, ou à Judiciária... não estaria na altura de fazer chegar ao seu "convívio" um agente infiltrado que o convencesse a beber uns copos e ir ao Pingo Doce roubar um pedacito de polvo e um champô?
É que a coisa nunca falha! Dá condenação certa!

A MONARQUIA E O REI DOM DUARTE DE BRAGANÇA,ENTRONIZADO,VAI SER A NOSSA SALVAÇÃO!

.
Monarquia VS República: O debate prossegue no Frágil


2 de Fevereiro, 2012

João Soares e Carlos Abreu Amorim defendem a República num debate com os autores do manifesto pró-Monarquia, sexta-feira, em Lisboa.
 .
Depois da divulgação do manifesto «Instaurar a Democracia, Restaurar a Monarquia», o Partido Popular Monárquico e o grupo de personalidades independentes que assinam o documento promovem na sexta-feira um debate sobre a chefia do regime.

Sob o mote «tenha calma, beba um copo com o regime», defendem a República o deputado socialista João Soares, o deputado do PSD Carlos Abreu Amorim, o ex-­vereador da Câmara Municipal de Lisboa Tomás Vasques e o candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Oeiras, Francisco Silva.
.
Pela Monarquia esgrimem argumentos o ex-­deputado e membro do Conselho Monárquico da Causa Real Luís Coimbra, a dirigente do PPM Aline Gallasch-­Hall, o publicitário João Gomes de Almeida e o bloguer do 31 da armada Miguel Castelo Branco.
.
O debate, no Frágil, Bairro Alto, Lisboa, começa ás 22h30 de sexta-feira e será moderado pelo jornalista da TVI24 Filipe Caetano.
.
A 1 de Fevereiro, dia em que se assinalou o regicídio, em 1908, de D.Carlos e do príncipe herdeiro Luís Filipe, o PPM e um grupo de notáveis publicou um documento para relançar o debate sobre uma possibilidade de uma mudança de regime político. «Portugal precisa de uma monarquia. Portugal precisa de um rei», sentenciam.

No texto publicado no jornal i, a que o SOL também teve acesso, os signatários olham para o Portugal de hoje e descartam a resignação e a indignação sem objectivo: «É tempo de fazer. É tempo de escolher como fazer».
.
Para Nuno Miguel Guedes, outro dos subscritores, esta é uma «mensagem de esperança» de «pessoas que vivem os problemas concretos», mas critica duramente a República que, acusam, «não está a garantir a qualidade democrática».
.
Por D.Duarte de Bragança
.
Estes monárquicos elencam «o preocupante enfraquecer das estruturas democráticas», «a visível delapidação dos valores morais na política», «o estado caótico da nossa justiça e a sua aparente dependência das mais diversas forças de influência» e «uma ameaça de perda de soberania». Com este cenário, apontam a alternativa: a entrega da chefia do Estado a alguém «eleito pela história».
.
No presente, tal missão caberia a Duarte de Bragança, «único e legítimo pretendente ao trono português».
.
Esta é a posição dos signatários, diferente da de outros monárquicos. No ano passado, as divergências entre Nuno da Câmara Pereira e Duarte de Bragança em tribunal chegaram ao ponto de este último ver dezenas de imóveis e uma conta bancária penhorados.

Nuno Miguel Guedes explica que o tema do legítimo herdeiro do trono português colhe diversas opiniões, mas que todos têm em comum a vontade de ver a monarquia substituir a República. No manifesto, este grupo diz que a «verdadeira democracia está ausente» e por isso defende «uma chefia de Estado independente e supra-partidária».

«Um chefe de Estado que esteja ao serviço da nação e que não se sirva dela», acrescentam. «Mas não vamos ocupar pela força o Palácio de Belém», garante ironicamente Nuno Miguel Guedes.

Sem uma agenda política definida – «a política é uma coisa, o rei é outra», vincam – este grupo pretende, para já, lançar o tema para a discussão pública com uma «linguagem contemporânea». Desde logo, «explicar que os monárquicos não são um grupo folclórico de excêntricos».

Além de Gonçalo Ribeiro Telles, Miguel Esteves Cardoso, Nuno Miguel Guedes, Pedro Ayres Magalhães e Quartin Graça, assinam o documento Abel Silva Mota, Aline Gallasch-Hall, Ana Firmo Ferreira, António Pinto Coelho, Filipe Ribeiro de Meneses, João Gomes de Almeida, Ivan Roque Duarte, Luís Coimbra, Maria João Quintans, Paulo Tavares Cadete, Pedro Ferreira da Costa, Pedro Policarpo e Ricardo Gomes da Silva.

SOL