Translator

terça-feira, 3 de abril de 2012

A EFEMÉRIDE DO 25 DE ABRIL DE 1974 ESTÁ A BATER-NOS À PORTA-ÁLVARO CUNHAL UMA SINISTRA FIGURA DEPOIS DAQUELE DIA QUE LHE VIRIAM A CHAMAR DA LIBERDADE!

(Talvez se lixem porque não haverá um trabalhador com gripe que não acabe por a transformar em epidemia dentro da empresa). Pior já nem a morte nos dão como opção.

O Governo apresentou hoje um pacote de alterações legislativas que prevêem a redução do subsídio de doença para os 55% do salário para baixas inferiores ou iguais a 30 dias, 60% para baixas entre 30 e 90 dias, 70% se forem inferiores as 365 dias e 75% se forem superiores.
“O combate à fraude e o desincentivo para que as pessoas recebam mais com um subsídio e estando em casa do que estando a trabalhar é muito importante”, disse Pedro Mota Soares. O governo pretende também a limitar subsídio por morte a 2.500 euros.
Para o Ministro que chegou de Mota mas anda num Audi de Luxo o facto de já termos 15% de desempregados preocupa-o menos que garantir que mesmo doente ninguém tem dinheiro para faltar ao trabalho. Numa altura em que as despesas aumentam na farmácia e nas taxas moderadoras é quando se corta nos já espremidos orçamentos familiares.
(Talvez se lixem porque não haverá um trabalhador com gripe que não acabe por a transformar em epidemia dentro da empresa). Pior já nem a morte nos dão como opção.

NÃO SEI AONDE ESTÁ O DESTAQUE DA "MERDA" DA ENTREVISTA DA RTP AO JORGINHO SAMPAIO


O Jorginho não tem história nenhuma na vida política de Portugal...!!! Foi mais um oportunista dos que surgiram depois do "fiasco" da tal revolução dos cravos, mal-cheirosos, de 25 de Abril de 1974. 
.
O Jorginho foi vivendo à grande e à conta do povoléu, encheram-no de miminhos como se fosse, personalidade, que algo de valor tivesse. 
.
Tudo me leva a crer que pertence ao grupo daquela loja, maçónica, que tanto abriga (cães e lobos comem todos) malta do PSD como do PS. 
.
É de se ficar abismado pelo facto de a RTP, paga pelo povoléu deste país, esteja a perder tempo com "tipos" que falharam na governação dePortugal que pertence ao povo e não a estes "gabirus" oportunistas.

Em Destaque

Clique na imagem se interessado na entrevista do Jorginho na RTP

Especiais

Jorge Sampaio nos 50 anos da Crise Académica de 62

Há 50 anos, a 24 de março de 1962, os estudantes da Universidade de Lisboa desafiavam o poder político com a celebração do Dia do Estudante, apesar da proibição decretada pelo regime.

VAMOS VER SE O "PAULINHO" ARREGAÇA AS MANGAS E OFERECE DIGNIDADE AOS MANGA DE ALPACA

 


MNE: Sindicato reivindica descongelamento das promoções nos serviços externos do ministério

Lisboa, 02 abr (Lusa) – O Sindicato dos Trabalhadores Consulares e das Missões Diplomáticas (STCDE) exigiu hoje que o Governo proceda ao descongelamento das promoções nos serviços externos do Mistério dos Negócios Estrangeiros, à semelhança do previsto para outros setores da administração pública.
.
“Invocando a exceção aberta para as forças armadas e as diversas estruturas policiais, o STCDE, seguindo o exemplo de outros setores da administração pública, reivindica o descongelamento das promoções nos serviços externos do Ministério dos Negócios Estrangeiros”, referiu o sindicato em comunicado.
.
Segundo o texto do comunicado, a reivindicação foi hoje encaminhada para o ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, que se encontra de visita à Turquia.
.
O texto enviado ao MNE sublinha que, “a discriminação inaceitável criada pelas referidas exceções soma-se ao facto de as promoções neste setor (consulados/embaixadas) estarem congeladas desde os finais do século passado”.
.
Para o STCDE, “os trabalhadores (consulados/embaixadas), nos mais diversos países, estão sujeitos a perdas cambiais e a inflações muito elevadas, que se vêm juntar às lesivas medidas de redução salarial e ao agravamento fiscal aplicadas à administração pública”.
.
O Orçamento retificativo aprovado, no final de março, prevê que possam ocorrer promoções em 2012 nas Forças Armadas, na GNR, na PSP e Guarda Prisional, sem que haja aumento da despesa e mediante aprovação do Ministério das Finanças.
CSR.
       Lusa/Fim