Translator

quinta-feira, 14 de junho de 2012

ESTADOS UNIDOS: "A HIPOCRESIA BEM DE SAÚDE E RECOMENDA-E"


.


Vendas de armas dos EUA ao estrangeiro batem recorde

Publicado às 00.33

 15 8 0 
.
As vendas de armas ao estrangeiro pelos Estados Unidos atingiram o valor recorde de 50 mil milhões de dólares (40 mil milhões de euros) em 2012, graças aos mercados saudita e japonês, noticia a AFP.
foto Arquivo/JN
Vendas de armas dos EUA ao estrangeiro batem recorde
Montante representa um aumento de 70 por cento

O subsecretário de Estado dos EUA para os Assuntos Político-Militares, Andrew Shapiro, que deu a informação, realçou que os EUA também esperam aumentar as vendas para a Índia, que está a ponderar a aquisição de 22 helicópteros Apache, negócio estimado em 1,4 mil milhões de dólares.
.
"Hoje, posso confirmar que este é um ano de recorde para as vendas militares ao estrangeiro. Já ultrapassámos os 50 mil milhões de dólares de vendas no ano fiscal de 2012", que termina em 30 de setembro, afirmou Shapiro a jornalistas durante uma conferência telefónica.
.
Este montante representa um aumento de 70 por cento nas vendas de Estado-a-Estado pelos EUA em 2011, que já tinham estabelecido outro recorde, com vendas de 30 mil milhões de dólares.
.
"Claro que a venda à Arábia Saudita foi muito significativa", reconheceu Shapiro, referindo-se ao negócio de 29,4 mil milhões de dólares, que incluiu 84 aviões de combate F-15SA, produzidos pela Boeing, e atualizações na esquadra de 70 F-15.
Mas o número total das exportações também inclui a venda do 'Joint Strike Fighter' ao Japão, estimada em cerca de 10 mil milhões" de dólares, acrescentou.

As capas dos jornais e as principais notícias de Sexta-feira, 15 de Junho de 2012.


Capa do Correio da Manhã Correio da Manhã

Albufeira: Traficante detido
PS: Assinaturas falsificadas
Gang armado lança terror em assalto
Ricardo Salgado: BES com 12,8% da PT
António Mexia: EDP compensa
Justiça: Milhões em pareceres
Anadia: Engenheiro julgado

Capa do Público Público

Tenha acesso a mais informação. Torne-se assinante Público.
Cristóvão indiciado por cinco crimes e proibido de contactar dirigentes
Líder da esquerda grega promete: “Bruxelas, vamos aí na segunda-feira”
Câmara de Lisboa deixou de divulgar propostas, actas e outros documentos no seu site
Monólogo espanhol cumpre os objectivos e empurra irlandeses para fora do Euro
Sindicato dos Enfermeiros Portugueses vai “continuar luta” em defesa da MAC
Universidade do Minho cria "Wikipedia" para música

Capa do Diário de Notícias Diário de Notícias

UE memória
Educação Física não conta para a média
Cristóvão proibido de entrar no Sporting
Protesto de professores com pouca adesão
Sindicato dos Enfermeiros vai "continuar luta" pela MAC
Suspeito de matar mulher fica em prisão preventiva
Portugal perdeu 30 mil habitantes no último ano

Capa do Jornal de Notícias Jornal de Notícias

Brasil assina contratos de concessão de três aeroportos internacionais
Presidente argentina defende pretensão às Malvinas
Vendas de armas dos EUA ao estrangeiro batem recorde
Diretores clínicos suspeitos de travar acesso a remédios
Cameron confrontado com mensagem comprometedora no escândalo "News of the World"
Exame em ex-presidente Lula não detecta vestígios de cancro na laringe
BCE poderá assumir supervisão bancária na zona euro

Capa do i i

Capa do Diário Económico Diário Económico

Lei dos compromissos vai estar em pleno só no 2º semestre
“Vamos ter de caminhar para algum tipo de federalismo”
Brisa depende da privatização da ANA para crescer no curto prazo
Financiamento assegurado até 2015
Continente aumenta volume de compras a produtores portugueses
“Participação na Zon não é estratégica mas podemos rever essa posição”
Nokia corta dez mil postos e muda estratégia para voltar aos lucros

Capa do Jornal Negócios Jornal Negócios

A primeira página do Negócios da edição de hoje
Infarmed aplicou 66 multas a farmácias e grossistas
Pessoal dos impostos volta a exigir vínculo de nomeação
Preço médio dos medicamentos caiu 43% nos últimos dois anos
Redução de preços desvia medicamentos para o estrangeiro
Doentes graves esperaram menos para serem operados em 2011
Autarquias em ruptura escapam às novas taxas máximas de IMI em 2013

Capa do Oje Oje

E se a Grécia sair do euro…
Brisa no mercado corporate
Colt Resources confirma ouro no Alentejo
Venezuela lidera reservas de petróleo
Nokia elimina 10 mil postos de trabalho
FROB garante funcionamento da banca
Inflação abranda para 2,7% em maio

Capa do Destak Destak

Alpinista belga encontrada morta
Chinês condenado à pena de morte por homicídio de jovem
Equipa do canal Al Arabiya desaparecida em Jolo - Polícia
Banco central mantém taxas de juro entre 0 e 0,1%
Oito candidatos vão disputar presidenciais a 07 de outubro
Hillary Clinton apela a Kim Jong-un a seguir caminho de transformação
Presidente do Tribunal de Contas enaltece "confiança" e "fraternidade"

Capa do A Bola A Bola

Michael Laudrup será o novo treinador do Swansea
Ingleses falam de novos insultos racistas a Mario Balotelli
Selecionador alemão espiou Espanha
Jornalistas de A BOLA roubados por polícias na Ucrânia!
Hamza Abourazzouk nos planos de ataque
A festa espanhola e a desilusão italiana (em fotos)
Assembleia-Geral termina com contestação a Luís Filipe Vieira

Capa do Record Record

Alex define futuro
Um suplente de oiro
Ases pelos ares tramam Portugal
Gonçalo Alves deixa Sporting
Central João Afonso assina uma época
Libertadores: Boca Juniors dá passo importante rumo à final
Sion garante Gattuso por duas temporadas

Capa do O Jogo O Jogo

A maior traição e pouca vergonha da História Nacional... Disto não falam os livros de História, porque é "políticamente incorrecto"... João Nobre

A maior traição e pouca vergonha da História Nacional...
Disto não falam os livros de História, porque é "políticamente incorrecto"...
João Nobre

O 7 de Setembro


O drama dos brancos em Moçambique, começou com o acordo de Lusaka, ao qual Mário Soares presidiu e no qual foi assinado a entrega de Moçambique aos terroristas (assim eram conhecidos e tratados), algo que deixou toda uma população de milhares de brancos em estado de choque, causando um clima de pânico e de alarmismo jamais vividos naquele terrítório. Como podia ser? Então o 25 de Abril, com tantas promessas de Liberdade culiminou nisto? Entregar Moçambique desta maneira sem garantias para os brancos, sem um referendo, sem nada? Repentinamente e espontaneamente milhares e milhares de brancos, tomaram conta das cidades incluindo a capital, Lourenço Marques.



Eu estava em Johannesburg e de manhã ao ligar para a bem conhecida estação sul-africana, emitida a partir do Rádio Clube de Lourenço Marques e conhecida como a LM RADIO, ouvi uma mensagem muito intrigante, algo como AQUI MOÇAMBIQUE LIVRE, VIVA MOÇAMBIQUE LIVRE, e depois vários discuros e ao mesmo tempo pediam ajuda ao governo sul-africano para o rápido fornecimento de armas. Estas mensagens eram dadas em Portugues e Inglês e eu de imediato telefonei ao Marques, um amigo da família, que tinha vindo de Lourenço Marques trabalhar para Rustembrug, numas minas de ouro perto de Johannesburg. Ele tinha dois filhos, a Eunice e o Orlando e ambos tinham casado com sul-africanos. O marido da Eunice tinha subido muito e trabalhava no governo central junto do Primeiro Ministro. O Marques, alarmado, contactou-o e deu-me o número dele, e quando falei com ele, eles em Pretória, já estavam informados do que se passava e ele garantiu-me que um cargueiro com toneladas de armamento estava para sair de Durban a qualquer momento e camiões da tropa sulafricansa, já estavam na fronteira com armamentos também. Ele era muito amigo dos portugueses e falava português.

Entretanto os apelos continuavam e pediam que todos os portugueses e sul-africanos se deslocassem para Lourenço Marques, para ajudar, o que eu fiz de imediato. Quando cheguei a Lourenço Marques, não queria acreditar, era uma festa autêntica!



Milhares e milhares de brancos com as bandeiras de Portugal, corriam por todo o lado acenando e com o sinal de Vitória cumprimentavam-se uns aos outros. Ouvia-se constantemente insultos a Mário Soares e outros, e com os transistores ligados, ouvia-se o Hino Nacional constantemente e a canção “Grândola Vila Morena”!

Em Lisboa, Cunhal e o embaixador da União soviética uivavam de raiva, pois tinha que se parar com esta contra-revolução.

Entretanto chegou uma delegação de sul-africanos a Lourenço Marques, e lembro-me deles terem perguntado quem era o dirigente daquele levantamento e vários apresentaram-se como representantes de vários partidos políticos. Era uma grande confusão. Não havia nenhuma coesão nem ninguém se entendia. Eram os democratas, os Fico os Federalistas e os sul-africanos estavam estupefactos, pois não havia ninguém a liderar.

.
Entretanto o governo de Lisboa, informou o governo sul-africano que ficasse de fora deste assunto interno de Portugal, pois correria o risco de uma confrontação internacional, com a intervenção de tropas portuguesas e não só e então os sul africanos estavam perante uma situação muito grave. Por um lado a desorganização dos brancos, e por outro as ameaças dos governantes de Portugal, pelo que ficaram em stand by. 
.
Em poucos dias, foi desmobilizado o levantamento, a tropa portuguesa armou os negros dos bairros periféricos do Maputo e outras cidades, e milhares de negros entraram pelas cidades a dentro munidos de catans e armas, fornecidas pela tropa portuguesa e chacinaram milhares de brancos. Nunca na História de Portugal contemporâneo houve um genocídio desta envergadura perpretado por portugueses contra portugueses, nem por ninguém.

Milhares e milhares de brancos foram assassinados na maior das selvajarias. Só no Hospital Miguel Bombarda viam-se centenas e centenas de cadáveres, que com o calor, já deitavam um cheiro nauseabundo. Os negros por onde passavam matava tudo quanto era branco, até animais. A minha irmã que era analista naquele hospital, fugiu aterrorizada e ficou de tal maneira traumatizada que durante anos nem podia ouvir falar em Moçambique nem nada que se referisse à “independência” deste território.

Os comunistas conseguiram os seus intentos e Moçambique que desde 1498 era território Português, passou a ser um satélite soviético, onde durante anos só se viam russos, alemães de Leste e cubanos.

O 7 de Setembro devia ser declarado como um Dia de Luto Nacional, só que os portugueses em Portugal, na sua maioria não sabem o que lá se passou. Nem nunca este sistema em que vivemos o deixará saber.



Crise agrava problemas de saúde mental e dependências

 Saúde
por LusaOntem


O Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS) considera no Relatório de Primavera 2012 que a crise agrava os problemas de saúde mental e de dependências, bem como a prevalência de doenças infeciosas.

.
No Relatório de Primavera 2012, intitulado "Crise & Saúde -- Um país em sofrimento", o OPSS sublinha que os efeitos da crise socioeconómica na saúde mental "são bem conhecidos", sublinhando que as principais manifestações passam pela perda de autoestima, depressão, ansiedade e risco de comportamentos suicidas.
.
"No desencadear destas manifestações o desemprego e endividamento têm um papel particularmente importante", referem os autores do relatório, realçando que o risco de doença mental "aumenta com o crescente endividamento das pessoas".
.
Para provar este efeito o OPSS dá como exemplo a Grécia, no período entre 2007 e 2009, quando os suicídios aumentaram 17 %.
.
"Estima-se que tenham aumentado 25% em 2010 em relação a 2009, mais 40% na primeira metade do 2011, em relação a igual período do ano anterior. 
.
Supõe-se também que a principal causa para esta evolução tenha a ver com a dificuldade em suportar altos níveis de endividamento pessoal e familiar", explica.
.
Referindo-se a Portugal, o observatório cita os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) de 2010, segundo os quais os valores do suicídio (1.101) foram mais elevados do que os acidentes com transportes (1.015).
.
Citando o coordenador do primeiro estudo nacional sobre saúde mental (de 2010), o psiquiatra Caldas de Almeida, o OPSS recorda que a prevalência anual em Portugal das perturbações psiquiátricas era na altura de 22,9%, sendo que as perturbações de ansiedade e as perturbações depressivas representavam 16,5% e 7,9%, respetivamente.
.
O mesmo estudo indicava que Portugal era o país da Europa com a maior prevalência de doenças mentais na população e aproximava-se perigosamente do campeão mundial, os Estados Unidos.
.
O OPSS analisou igualmente o mercado de medicamentos ansiolíticos e antidepressivos de ambulatório, comparticipados pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS) entre 2002 e 2011, reportando um aumento de 15,3% no consumo de ansiolíticos.
.
No que respeita ao mercado de antidepressivos, considerando o mesmo período em análise, este apresenta sempre uma evolução positiva e crescente em consumos. O valor máximo foi registado em 2011, indica o observatório.
.
Para contrariar esta tendência, o OPSS aponta a necessidade de mais proteção social, de políticas ativas de emprego, de mais suporte familiar, de respostas ao endividamento e de políticas relativas ao alcoolismo, uma das dependências que cresce com a crise.
.
"Portugal apresenta o segundo valor mais elevado nas estatísticas da OCDE relativas ao consumo de bebidas alcoólicas na população com 15 e mais anos. A taxa de mortalidade associada a doenças relacionadas com o álcool não melhorou ao longo da última década", alerta.
.
No que diz respeito ao número de novas infeções por VIH em consumidores de drogas injetáveis, os valores relativos a Portugal e à Irlanda destacam-se comparativamente aos restantes países da Europa Ocidental, indica o relatório.
.
Os autores do relatório referem ainda que "existe evidência sobre a relação entre o sofrimento mental, sobretudo em situação de crise económica prolongada, e as suas repercussões físicas", influenciando o sistema cardiovascular e imunológico.
.
"Podem verificar-se acréscimos de risco de hipertensão arterial, enfarte do miocárdio e acidente cerebrovascular, diabetes e infeções. Este efeito é ainda mais demarcado nas classes sociais menos favorecidas", acrescentam.
.
O OPSS alerta, contudo, para a falta de um sistema de monitorização dos efeitos da crise na saúde em Portugal, o que faz com que não seja possível "acompanhar com dados objetivos os reais efeitos da crise na saúde dos portugueses".
Artigo Parcial

Financeiro Allen Stanford condenado a 110 anos de prisão


.
Nos Estados Unidos os vigaristas e burlões que provocaram a crise já começam a ir para a jaula e com penas pesadas, pelo contrário, aqui em Portugal, o país dos xico-espertos que acham que sabem tudo mas não sabem nada, nem um vigarista que vai preso, por aí andam a passear de mercedes e BMW e ninguém lhes põe um dedo em cima, continuem assim que é assim que vamos bem...
.
Este pequeno Portugal tem a mania que é muito forte, mas se a Espanha aqui ao lado der um peido, cagam-se logo todos com uma diarreia aguda... Texto de João Nobre
COMENTÁRIO MAIS VOTADO
"Que pena os portugueses têm por não terem uma justiça assim.Se assim fosse a nossa cara,mostrava outra alegria,mesmo que a seleção perde-se."
jacinto
Hoje, 0h48m

 Allen Stanford grelhado
Por burlar 30 mil investidores em sete mil milhões de dólares

O financeiro norte-americano Allen Stanford foi esta quinta-feira condenado a 110 anos de prisão por uma burla de sete mil milhões de dólares (5,540 mil milhões de euros), indicou a acusação.

Allen Stanford - conhecido como o ‘pequeno Madoff’, em referência ao burlão e financeiro nova-iorquino condenado a 150 anos de prisão -, foi reconhecido como culpado em Março por enganado cerca de 30 mil investidores, de mais de 100 países, com investimentos via Banco Stanford International, com sede na ilha de Antigua, nas Antilhas.

Europa "está mesmo à beira de um precipício"

Este velho senil que esteja mas é calado, para um precípicio foi para onde a merda do partido dele e o PSD arrastaram este país...

Ele tem é sorte em estar ainda vivo, conheço um bom punhado de ex-combatentes e retornados de Angola, Moçambique e África do Sul que se lhe põem as mãos em cima rasgam-no aos pedaços... acho que eram capazes de o atirar vivo aos tubarões como ele uma vez disse que se devia de fazer aos brancos em África... Texto de João Nobre

.
Europa "está mesmo à beira de um precipício"
 Fotografia © Global Imagens


Mário Soares

por Lusa - Ontem



O antigo Presidente da República Mário Soares disse hoje que "a Europa está parada" e que o empréstimo à Espanha vai levar a intervenções noutros países, defendendo que as eleições gregas e francesas podem ser importantes para "mudar o sistema".
.
Em declarações à agência Lusa e à rádio TSF, à margem de uma sessão pública, o fundador do PS considerou que a questão de uma eventual renegociação das condições do empréstimo a Portugal ainda não se põe.
.
"Neste momento não é caso para dizer isso, vamos ver o que se vai passar nos sítios críticos, visto que esta semana vamos ter duas eleições no final desta semana que são muito importantes, a primeira é a eleição francesa [segunda volta das legislativas], a segunda é a eleição grega, estamos a ver o que se vai passar e eu acredito que se encontre uma solução, mas realmente a situação é muito difícil", afirmou.
.
Para Mário Soares, uma boa consequência destes dois atos eleitorais seria "mudar o sistema" de "capitalismo de casino em que os mercados é que mandam nos Estados".
.
"[Isto] é coisa que nunca pode levar a bom lugar, vai levar sempre a um desastre", atirou.
.
O antigo chefe de Estado disse que a Europa "está mesmo à beira de um precipício" e que "um pequeno empurrão" a faz "cair lá para baixo, o que é muito grave".
.
Soares considerou que a seguir ao "problema [empréstimo de 100 mil milhões de euros] de Espanha, que é o maior de todos", vai seguir-se "também o problema italiano".
.
Questionado sobre se acha que a linha de crédito à banca espanhola vai levar a outras intervenções, Mário Soares respondeu: "Está a levar, está já a levar, a Itália e todos os países, toda a Europa está parada perante o que está a acontecer".

NOTAS VERBAIS: EM LUANDA "POR HORAS

Este Paulinho, não pára de viajar... O Paulinho está-se nas tintas ("pulha!") se há ou não há dinheiro em Portugal o que será necessário é que o Paulinho chupe, como cana doce, as ajudas de custo que lhe são pagas, pela Fazenda Pública, autênticos balúrdios! 

Desde que o Paulino assumiu funções de chefe do Palácio das Necessidades e dos fantasmas que por lá pairam, jamais deixou de passear, pela estranja, à conta da barba longa que somos nós os desfalcados, reformados, desempregados.  

Como é sabido e segundo uma sondagem da Universidade Católica há poucos dias o partido do Paulinho, CDS, está classificado como lixo dado que está na fatia de 6% e em último lugar. 

Este país nunca mais subirá no contexto da diplomacia, internacional, quando a pasta é carregada por um "maricas", incompetente, que do mister nada percebe, mas entende de ajudas de custas...!!! 

E assim o Paulinho vai vivendo, mesmo com o seu partido, lixo, atolado na merda a ser o número dois, representativo, deste pobre país que se chama, por enquanto, Portugal.

 

14 Junho 2012


NOTAS VERBAIS

Em Luanda "por horas

Paulo Portas, na sexta-feira, em visita de "algumas horas" a Luanda para contactos sobre assuntos bilaterais e "assuntos relacionados com a CPLP". E tem agendado um encontro com José Eduardo dos Santos. Aguardemos.

KAOS: E VIVA LA ESPAÑA


Quando se olha para as condições do empréstimo a Portugal e Espanha e se considera que não faz sentido que uns tenham de pagar tanto e fazer tantos sacrifícios quando os outros têm condições muito mais vantajosas, o que se pede não é que também os espanhóis tenham de passar por aquilo que estamos a passar os portugueses, mas que também por cá as condições sejam iguais para permitir que o país não caia numa recessão profunda com todas as consequências a isso associadas.Porra, também somos gente.

E O PAULINHO ARREGAÇAR AS MANGAS ALARGANDO, MAIS, O "BURACO" AICEP

O ministro dos Negócios Estrangeiros anunciou a celebração de sete contratos de investimento com a AICEP e um com o IAPMEI, que totalizam 157 milhões de euros. 

16:08 Quinta feira, 14 de junho de 2012
O ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, anunciou hoje a assinatura de oito contratos fiscais com empresas que resultarão num investimento de 157 milhões de euros na economia portuguesa e contribuirão para criar 352 postos de trabalho.

O Estado português vai conceder incentivos fiscais no valor de dez por cento deste investimento, cerca de 15 milhões de euros.
Paulo Portas fez este anúncio na conferência de imprensa sobre as conclusões do Conselho de Ministros, na qualidade de ministro que tutela da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), em articulação com o Ministério da Economia.

"Esta é uma nova leva de oito contratos de investimento, sete dos quais celebrados com a AICEP, um com o IAPMEI (Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação), em condições de serem aprovados", afirmou o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros.

.
Paulo Portas acrescentou que "são investimentos na economia portuguesa que, no total, atingem 157 milhões de euros, contribuem para a criação de 352 postos de trabalho e ajudam significativamente na manutenção de 4108 postos de trabalho".

.
O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros apontou o crescimento económico como "uma ambição essencial" para Portugal e a criação de emprego como "uma necessidade muito importante do ponto de vista social" e acrescentou: "Estes investimentos representam oito oportunidades diferentes para estimular a economia e criar emprego".

Perfurações no Alentejo confirmam descoberta de ouro


Évora

por LusaOntem

Foto de arquivo da agência Reuters mostra a mão de um homem que segura um pedaço de ouro que foi fundido
Foto de arquivo da agência Reuters mostra a mão de um homem que segura um pedaço de ouro que foi fundido Fotografia © Reuters

.
A empresa canadiana Colt Resources, que desenvolve prospeções de ouro no Alentejo, revelou hoje que os resultados das perfurações na Boa-Fé, no concelho de Évora, evidenciam "graus impressionantes" daquele metal precioso, "perto da superfície".

.
Em comunicado enviado hoje à Agência Lusa, mas divulgado quarta-feira no Canadá, a empresa anuncia já ter recebido os resultados analíticos finais correspondentes a amostras das sete sondas de perfuração instaladas naquela zona alentejana.
.
A Colt Resources, através de uma "joint-venture" com a Iberian Resources, assinou com o Governo português um acordo para a concessão experimental de ouro nas freguesias de Santiago do Escoural (Montemor-o-Novo) e de Nossa Senhora da Boa-Fé (Évora).
 .
Já em maio, o Chief Executive Officer (CEO) da Colt Resources, Nikolas Perrault, tinha realçado à Lusa que as perfurações na Boa-Fé estavam a detetar "mineralizações de alto teor" de ouro, admitindo que a extração industrial poderá vir a arrancar em 2014.
No comunicado agora divulgado, Nikolas Perrault afiança que, atendendo aos resultados analíticos finais, as perfurações na Boa-Fé "continuam a fornecer graus de ouro impressionantes, perto da superfície".
.
"Estes dados serão incluídos na estimativa inicial de recursos do projeto, que deverá ficar concluída até final do mês", referiu.

Miséria na Grécia: Bem-vindo ao Lido, o hotel para os gregos pobres

Angelika Garufalla, e Nikos Mesisklis Costatinos Prekas. | I. H.  .
V..Irene Hdez. Velasco (E. Especial) | Atenas - El Mundo. 
 .
"Aceita cartões de crédito: Visa e Mastercard." O cartaz está olhando para a entrada do Lido, um hotel a poucos metros da Praça Omonia, no centro de Atenas. No final do dia, e até poucas semanas, o Lido era um hotel de três estrelas onde o custo, modesto quarto, duplo, de 45 euros.
.
 

Mas a crise a bater  Grécia anulou quase tudo, e o Lido não é excepção. A forte queda no turismo que está sofrendo o país Helénico foi forçado a fechar, 20 hotéis em outras áreas, incluindo o Imperial, cinco estrelas.
.
    
"Estou convencido de que, mais cedo ou mais tarde vou ter sorte e encontrar um emprego"
.
 

Agora, o Lido foi convertida em outro tipo de estabelecimento, mais em sintonia com os tempos: um hotel para os pobres.
.
 

A recessão selvagem que assola o país voltou espaço de desempregados e de "sem abrigo".
.
 

No centro de Atenas, há um total de 10 hotéis, convertidos pelos serviços sociais em abrigos da cidade para os necessitados. Eles estão todos transbordando e com  listas de espera.
.
 

"Para nós, este lugar é um deleite absoluto. Antes  viviamos sem água quente e casas de banho que eram compartilhados, aqui somos duas pessoas em cada quarto, tem casa de banho privada ", diz Lambros, 50 e que, em uma reviravolta macabra de vida, até dois anos atrás, ganhava a vida trabalhando em um hotel..
.Fachada do Hotel Lido..
Novos clientes para o Lido são todos  gregos, com idades entre 37 e 80 anos. No pequeno-almoço do hotel.  
 .
E para o almoço e jantar é ir para algum dos dois refeitórios populares que estão na área.  
Enquanto alguns, como Angelika Garufalla, os serviços sociais levar-lhe-ão comida para o hotel porque estão doentes.
.
 

"Eu tenho cancro nos ovários, eu fui diagnosticado há seis anos e tive de ser submetida a três operações", disse a ocupante do quarto do Lido nº. 58. "Hoje nós não sabemos o que aconteceu, mas eu não trouxe comida, por isso estou com o estômago vazio, esta manhã. Há três meses que eu não preciso de tomar medicamentos para prevenir a metástase", diz ela.
.
 

Mesisklis Nikos, 52, ocupa o quarto 321. Estou há exatamente um ano em abrigo para os pobres, desde que perdeu seu último trabalho como um guarda de segurança e não conseguiu encontrar outro trabalho.  
 .
Todos os dias, ele lamenta o dia maldito em 2005, quando ele decidiu voltar para a Grécia depois de 30 viver na América. Agora, tudo o que eu preciso é  encontrar um emprego que me permita economizar o suficiente para pagar o bilhete de avião de volta para Boston ou Miami.
 .

"Nem minha ex-mulher e minha filha de 24 anos que estudante de economia, não sabem que eu moro aqui. Ambos estão nos EUA e não lhes quero pedir ajuda. Eles têm uma imagem completamente diferente de mim com isto. Além disso, Estou convencido de que, mais cedo ou mais tarde vou ter sorte e encontrar um emprego ", diz ele.
.
 

Todos os dias o que faz é dar a cada caminhadas intermináveis. e caminhar durante horas para sair do bairro horrível e esquecer por um tempo que eu moro aqui."
.
 

Costatinos Prekas, 53, é o ocupante do quarto 622. Durante seis meses sem trabalho, desde que  foi expulso do supermercado onde descarregava caixotes. Em seguida, foi o seu senhorio que o colocou na rua. "Vim parar aqui porque não tenho ninguém a quem recorrer. Minha família é apenas uma irmã, e ela está em um hotel para os pobres". 
.
Gregos votam no Domingo Independente, um partido nacionalista grego conservador