Translator

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

KAOS: Manifestação contra a Pilhagem









 Chegado agora a casa da manifestação contra o Orçamento, um pouco desiludido porque não teve a força de outros dias, com a CGTP e o Movimento Que se Lixe a Troika a fazerem os seus discursos há hora combinada e a irem-se embora não fosse o diabo tece-las e depois aquilo que já se está a tornar num Carnaval com o derrube das barreiras, o reforço policial, umas garrafas pelo ar, a fogueira e o ficar por ali a ver morrer o protesto a pouco e pouco.
Fui ficando e quando saí, já depois da meia-noite estavam meia dúzia de pessoas sentadas no fundo das escadas do parlamento e alguns policias a fazerem-lhe guarda. Valeu a pena porque foi mais uma mas não tenho a certeza se acabará por mobilizar ou desmobilizar gente para uma próxima.
Falo disso porque imprimi este boneco e foi com ele que me andei a passear, feito palhaço, durante todo o tempo. Não era o ideal mas era o que tinha à mão e pretende mostrar a autentica pilhagem a que temos sido submetidos pelos ditos mercados com a ajuda dos capangas lá de fora, como a Frau Merkel e dos traidores cá de dentro como o Passos Coelho, Paulo Portas, Vitor Gaspar e tantos outros, da politica à banca e da Comunicação social à justiça.

TAILÂNDIA MUNDIAL DE FUTSAL 2012


Até ontem apenas eu o "portuga" para escrever algo sobre a presença da delegação e atletas portugueses em Nakhon Ratchasima. 
.
Da minha Pátria querida ninguém... De jornais desportivos igual... A RTP, que a gente tem ignorou, a presença de Portugal na Tailândia, mas preocupa-se imenso, com a jornalista Márcia Rodrigues a relatar o julgamento do Renato, em Nova Yorque, que capou, indecentemente, o Carlos Castro num hotel de luxo de Nova Iorque.  
.
Mas já estou habituado às alergias da RTP para com a Tailândia que nunca lhe colocamos a vista em cima de quando a presença de atletas portugueses neste reino simpático. Do Brasil, ontem, estivemos com uma equipa da TV Globo e dois jornalistas de uma estação de rádio.  
.
Tenho tido problemas com a minha acreditação para assistir como fotógrafo/jornalista aos encontros. Porém já me chegou a confirmação, por e-mail da FIFA da Suiça. Ontem andei pela cidade de Nakhon Ratchasima (gosto de lhe chamar Korat) onde a vida não estagna e os habitantes numa lufa-lufa constante.
.

O torneio do Mundial de Futsal muito bem representado no centro nobre da cidade de Korat

Outro ângulo do anunciamento do Futsal de 1 a 7 de Novembro.

É sempre com alegria e emoção que vejo a Bandeira das Quinas a flutuar neste reino onde já vivo por mais de três décadas na paz serena e dos anjos.

Um largo painel anuncia o calendário dos jogos. Há transporte da cidade para o complexo desportivo onde se realizam os jogos de "borla". A distância situa-se a uns 15 quilómetros do centro da cidade.

A Senhora Mo uma heroína tailandesa, sec. XIX que é venerada, diariamente, por dezenas de pessoas.

Colares de flores são penduradas junto à imagem da Senhora Mo

Muita devoçao cuja esta perdurará para sempre nas crianças ajoelhadas aos pés da estátua da Senhora Mo ou a Avó Mo.

Uma devota com duas dúzia de ovos que vai deixar aos pés da Senhora Mo.


Um advinho que dá consultas na praça sob a sombra de dois sombreiros.

E no lobby do hotel Dusit Princess, onde os nossos magníficos se encontram hospedados fui encontrar a Nannie, uma das muitas hospedeiras que prestam assistência às delegações desportivas. A Nannie irradia simpatia, adora Portugal, fala, preliminarmente português e ficamos desde logo amigos!

MÁRIO SOARES E MAIS OUTROS "GAJOS" - DONOS DE PORTUGAL



.
O verdadeiro Mário Soares - Documento Histórico para guardar.
.

Isto já tem uns tempos, mas não deixa de ser actual. É um bom exemplo e como é que um marginal da golpada, anda à solta e ainda tem coragem e mandar bocas, sobre a situação deste desgraçado país, para a qual ele muito contribuiu.
.
O verdadeiro Mário Soares

É preciso que se leia um pouco da história recente, para se perceber, agora, onde chegou  Portugal...

O verdadeiro Mário Soares
.
Agora que todos devemos pensar um pouco na escolha dos que nos devem governar, vai sendo tempo de ler e meditar sobre quem já nos governou, GOVERNANDO-SE.
.
Só espero que quem receba estes escritos e não os deixem morrer na memória do vosso computador. E mais ainda, que não deixem de os fazer chegar ao maior número possível de pessoas.
.
Mário Soares

Outra faceta distingue a candidatura de Mário Soares a Belém das anteriores surge após a edição de Contos Proibidos - Memórias de um PS desconhecido, do seu ex-companheiro de partido Rui Mateus.
 
O livro, que noutra democracia europeia daria escândalo e inquérito judicial veio a público nos últimos meses do segundo mandato presidencial de Soares e foi ignorado pelos poderes da República.

Em síntese, que diz Mateus ?
Que, após ganhar as primeiras presidenciais, 1986, Soares fundou com alguns amigos políticos um grupo empresarial destinado a usar os fundos financeiros remanescentes da campanha.
 
Que a esse grupo competia canalizar apoios monetários antes dirigidos ao PS, tanto mais que Soares detestava quem lhe sucedeu no partido, Vítor Constâncio (um anti-soarista), e procurava uma dócil alternativa a essa liderança.

Que um dos objectivos da recolha de dinheiros era para financiar a reeleição de Soares. Que, não podendo presidir ao grupo por razões óbvias, Soares colocou os amigos como testas-de-ferro, embora reunisse amiúde com eles para orientar a estratégia das empresas, tanto em Belém como nas suas residências particulares.
 .
Que, no exercício do seu "magistério de influência" (palavras suas noutro contexto), convocou alguns magnatas internacionais - Rupert Murdoch, Sílvio Berlusconi, Robert Maxwell e Stanley Ho - para o visitarem na Presidência da República e se associarem ao grupo, a troco de avultadas quantias que pagariam para facilitação dos seus investimentos em Portugal.
.
Note-se que o "Presidente de todos os portugueses" não convidou os empresários a investir na economia nacional, mas apenas no seu grupo, apesar dos contribuintes suportarem despesas de estada.
.
Que moral tem um país para criticar Avelino Ferreira Torres, Isaltino Morais, Valentim Loureiro ou Fátima Felgueiras se acha normal uma candidatura presidencial manchada por estas revelações ? E que foi feito dos negócios do Presidente Soares ? Pela relevância do tema, ficará para próximo desenvolvimento.
.
Parte 2 publicado a 10 de Setembro de 2005, na Grande Reportagem nº 244
.
A rede de negócios que Soares dirigiu enquanto Presidente foi sedeada na empresa Emaudio, agrupando um núcleo de próximos seus, dos quais António Almeida Santos eterna ponte entre política e vida económica, Carlos Melancia seu ex-ministro, e o próprio filho, João.
 
A figura central era Rui Mateus, que detinha 60 mil acções da Fundação de Relações Internacionais (subtraída por Soares à influência do PS após abandonar a sua liderança), as quais eram do Presidente mas de que fizera o outro fiel depositário na sua permanência em Belém, relata Mateus em Contos Proibidos.
.
Soares controlaria assim a Emaudio pelo seu principal testa-de-ferro no grupo empresarial. Diz Mateus que o Presidente queria investir nos média: daí o convite inicial para Sílvio Berlusconi (o grande senhor da TV italiana, mas ainda longe de conquistar o governo) visitar Belém.
 .
Acordou-se a sua entrada com 40% numa empresa em que o grupo de Soares reteria o resto, mas tudo se gorou por divergências no investimento. Soares tentou então a sorte com Rupert Murdoch, que chegou a Lisboa munido de um memorando interno sobre a associação a "amigos íntimos e apoiantes do Presidente Soares", com vista a "garantir o controlo de interesses nos média favoráveis ao Presidente Soares e, assumimos, apoiar a sua reeleição".
 .
Interpôs-se porém outro magnata, Robert Maxwell, arqui-rival de Murdoch, que invocou em Belém credenciais socialistas. Soares daria ordem para se fazer o negócio com este, O empresário inglês passou a enviar à Emaudio 30 mil euros mensais. Apesar de os projectos tardarem, a equipa de Soares garantira o seu "mensalão". 
.
Só há quatro anos foi criminalizado o tráfico de influências em Portugal, com a adesão à Convenção Penal Europeia contra a Corrupção. Mas a ética política é um valor permanente, e as suas violações não prescrevem. Daí a actualidade destes factos, com a recandidatura de Soares. O então Presidente ficaria aliás nervoso com a entrada em cena das autoridades judiciais, episódio a merecer análise própria.

Parte 3 publicado a 17 de Setembro de 2005, na Grande Reportagem nº 245
.

A empresa Emaudio, dirigida na sombra pelo Presidente Soares, arrancou pouco após a sua eleição e, segundo Rui Mateus em Contos Proibidos, contava "com muitas dezenas de milhares de contos "oferecidos" por (Robert) Maxwell (...) consideráveis valores oriundos do "ex-MASP" e uma importante contribuição de uma empresa próxima de Almeida Santos."
.
Ao nomear governador de Macau um homem da Emaudio, Carlos Melancia, Soares permite juntar no território administração pública e negócios privados. Acena-se a Maxwell a entrega da estação pública de TV local, com a promessa de fabulosas receitas publicitárias. Mas, face a dificuldades técnicas, o inglês, tido por Mateus como "um dos grandes vigaristas internacionais", recua.
 
O esquema vem a público, e Soares acusa os gestores da Emaudio de lhe causarem perda de popularidade, anuncia-lhes alterações ao projecto e exige a Mateus as acções de que é depositário e permitem controlar a empresa. O testa-de-ferro, fiel soarista, será cilindrado - tal como há semanas sucedeu noutro contexto a Manuel Alegre. Mas antes resiste, recusando devolver as acções e esperando a reformulação do negócio.
.
E, quando uma empresa reclama por não ter contrapartida dos 50 mil contos (250 mil euros) pagos para obter um contrato na construção do novo aeroporto de Macau, Mateus propõe o envio do fax a Melancia exigindo a devolução da verba.
            
O Governador cala-se. Almeida Santos leva a mensagem a Soares, que também se cala. Então Mateus dá o documento a 'O Independente, daqui nascendo o escândalo do fax de Macau". Em plena visita de Estado a Marrocos, ao saber que o Ministério Público está a revistar a sede da Emaudio, o Presidente envia de urgência a Lisboa Almeida Santos (membro da sua comitiva) para minimizar os estragos. Mas o processo é inevitável.
  .         
Se Melancia acaba absolvido, Mateus e colegas são condenados como corruptores. Uma das revelações mais curiosas do seu livro é que o suborno (sob o eufemismo de dádiva pública") não se destinou de facto a Melancia mas "à Emaudio ou a quem o Presidente da República decidisse".
 
Quem afinal devia ser réu ?  Os factos nem parecem muito difíceis de confirmar, ou desmentir, e no entanto é mais fácil, mais confortável, ignorá-los, não se confia na justiça ou porque não se acredita que funcione em tempo útil, ou por que se tem medo que funcione, em vida, e as dúvidas, os boatos, os rumores, a 'fama  persistem.
.
E é assim, passo a passo, que lentamente se vai destruindo de vez a confiança dos portugueses nas instituições. Por incúria, por medo, por desleixo, até por arrogância, porventura de fantasmas e até... da própria sombra.
.
N.A. Como adenda, e perdoem-me o sarcasmo que é preciso por as coisas no seu devido lugar, talvez conviesse meditar no generoso silêncio dedicado ao conteúdo destes artigos de Vieira, e ao livro de Mateus, por parte de alguns dos e (ste) ticistas do regime quando comparado com a, também ela generosa, campanha em curso contra alguns 'antros' anônimos de pensamento livre e desalinhado... Ou, será que as coisas já evoluíram tanto, tanto, que agora só existem depois de serem tratadas em blog ? É que a Grande Reportagem tem uma tiragem superior a 100000 exemplares, nós ainda não... Entretanto, por essas e por outras, do Brasil até gozam...
.
Como adenda suplementar convém frisar que o problema não é novo, ou sequer isolado, antes é estrutural e crónico. Atente-se na GALP e nas maravilhas que por lá se passa (ra) m. No mínimo, os factos - 'estranhos - mereceriam uma investigação apurada, judicial e jornalística, no entanto...
.
O Polvo, Parte 4 publicado a 24 de Setembro de 2005, na Grande Reportagem nº 246, por Joaquim Vieira.
.
Ao investigar o caso de corrupção na base do "fax de Macau", o Ministério Público entreviu a dimensão da rede dos negócios então dirigidos pelo Presidente Soares desde Belém. A investigação foi encabeçada por António Rodrigues Maximiano, Procurador-geral adjunto da República, que a dada altura se confrontou com a eventualidade de inquirir o próprio Soares.
 .
Questão demasiado sensível, que Maximiano colocou ao então Procurador-geral da República, Narciso da Cunha Rodrigues. Dar esse passo era abrir a Caixa de Pandora, implicando uma investigação ao financiamento dos partidos políticos, não só do PS mas também do PSD - há quase uma década repartindo os governos entre si.
.
A previsão era catastrófica: operação "mãos limpas" à italiana, colapso do regime, república dos Juízes. Cunha Rodrigues, envolvido em conciliábulos com Soares em Belém, optou pela versão mínima: deixar de fora o Presidente e limitar o caso a apurar se o governador de Macau, Carlos Melancia, recebera um suborno de 250 mil euros.
.
Entretanto, já Robert Maxwel abandonara a parceria com o grupo empresarial de Soares, explicando a decisão em carta ao próprio Presidente. Mas logo a seguir surge Stanley Ho a querer associar-se ao grupo soarista, intenção que segundo relata Rui Mateus em Contos Proibidos, o magnata dos casinos de Macau lhe comunica "após consulta ao Presidente da República, que ele sintomaticamente apelida de boss.
.
Só que Mateus cai em desgraça, e Ho negociará o seu apoio com o próprio Soares, durante uma "presidência aberta" que este efectua na Guarda. Acrescenta Mateus no livro que o grupo de Soares queria ligar-se a Ho e à Interfina (uma empresa portuguesa arregimentada por Almeida Santos) no gigantesco projecto de assoreamento e desenvolvimento urbanístico da baía da Praia Grande, em Macau, lançado ainda por Melancia, e onde estavam previstos lucros de milhões de contos".
 .
Com estas operações, esclarece ainda Mateus, o Presidente fortalecia uma nova instituição: a Fundação Mário Soares. Inverosímil ? Nada foi desmentido pelos envolvidos, nem nunca será.

O Polvo, Parte 5, conclusão publicado a 1 de Outubro de 2005, na Grande Reportagem nº 247
.
Por Joaquim Vieira.
 .
As revelações de Rui Mateus sobre os negócios do Presidente Soares, em Contos Proibidos, tiveram impacto político nulo e nenhuns efeitos. Em vez de investigar práticas porventura ilícitas de um Chefe de Estado, os jornalistas preferiram crucificar o autor pela "traição" a Soares (uma tese académica elaborada por Estrela Serrano, ex-assessora de imprensa em Belém, revelou as estratégias de sedução do Presidente sobre uma comunicação social que sempre o tratou com indulgência.)
 .
Da parte dos soaristas, imperou a lei do silêncio: comentar o tema era dar o flanco a uma fragilidade imprevisível. Quando o livro saiu, a RTP procurou um dos visados para um frente-a-frente com Mateus - todos recusaram.
.
A omertá mantém-se: o desejo dos apoiantes de Soares é varrer para debaixo do tapete esta história (i) moral da III República, e o próprio, se interrogado sobre o assunto, dirá que não fala sobre minudências, mas sobre os grandes problemas da Nação.
 .
Com a questão esquecida, Soares terminou em glória uma histórica carreira política, mas o anúncio da sua recandidatura veio acordar velhos fantasmas. O mandatário, Vasco Vieira de Almeida, foi o autor do acordo entre a Emaudio e Robert Maxwell. Na cerimónia do Altis, viram-se figuras centrais dos negócios soaristas, como Almeida Santos ou Ilídio Pinho, que o Presidente fizera aliar a Maxwell.
.
Dos notáveis próximos da candidatura do "pai da pátria", há também homens da administração de Macau sob a tutela de Soares, como António Vitorino e Jorge Coelho, actuais eminências pardas do PS, ou Carlos Monjardino, conselheiro para a gestão dos fundos soaristas e presidente de uma fundação formada com os dinheiros de Stanley Ho.Outros ex-"macaenses" influentes são o ministro da Justiça Alberto Costa, que, como director do Gabinete da Justiça do território, interveio para minorar os estragos entre o soarismo e a Emaudio, ou o presidente da CGD por nomeação de Sócrates, que o Governador Melancia pôs à frente das obras do aeroporto de Macau.Será o Polvo apenas uma teoria de conspiração ? E depois, Macau, sempre Macau...

2005-10-27 - 02  2005-10-27 - 02 :45:00 Joaquim Vieira, despedido
.
Joaquim Vieira, director da 'Grande Reportagem', detida pelo grupo Controlinveste, foi despedido. O jornalista foi igualmente informado de que a revista será fechada. As razões de tais medidas são desconhecidas, Recorde-se que Vieira tem vindo a escrever sobre o polémico livro de Rui Mateus, onde se aludia a ligações do PS de Soares ao caso Emáudio.

QUANDO CAGAR NUMA CAGADEIRA PÚBLICA NÃO FALE ....PEIDE-SE!

















  LUÍS FIGUEIREDO

STCDE CONTINUA A MALHAR EM CENTEIO VERDE...!!!


As capas dos jornais e as principais notícias de Quarta-feira, 31 de Outubro de 2012.



Capa do Correio da Manhã Correio da Manhã

Doente do Hospital Júlio de Matos ferido por carro
António Pires de Lima: Jantar para advogado
Carvalho da Silva: Banditismo político
Vive à conta da mãe morta durante 12 anos
Barreiro: Assalta duas lojas
Idosa colhida por carro
Valentim perde Câmara de Gondomar

Capa do Público Público

Tenha acesso a mais informação. Torne-se assinante Público.
Arsenal ganhou um jogo louco que teve 12 golos
Sindicatos da Administração Pública da UGT marcam greve para 14 de Novembro
“É sempre boa altura para rever a Constituição”, afirma Pinto Balsemão
Sorteio do Euromilhões (87/2012)
Vestígios de material explosivo no avião em que morreu o Presidente polaco
A Guerra das Estrelas passa para a Disney e terá mais três filmes

Capa do Diário de Notícias Diário de Notícias

Este homem é perigoso
Furacão arrasa discurso político
Portugal recebe três terceiros prémios
Morreu um dos maiores impulsionadores da arqueologia
300 milhões de euros de apoio à seca na agricultura
Há mais casais desempregados a recorrer à Igreja
Homicidas de empresário com 18 e 25 anos de prisão

Capa do Jornal de Notícias Jornal de Notícias

Angélica comemora oito anos de casamento com Luciano Huck
Ricciardi diz que "não é ilícito nenhum falar com PM"
Arsenal anula quatro golos e passa com vitória por 7-5
Enfermeira investigada por roubar dinheiro a doentes idosos no centro de saúde
Desfile do Dia das Bruxas em Nova Iorque foi adiado
RTP1 volta a adiar estreia de '360º'
Sofia Carvalho é a nova diretora da revista Activa

Capa do i i

Ricciardi. Não considero “ilícito nenhum conversar com o primeiro-ministro e fazer-lhe perguntas”
Lisboa não deve ter aumento da receita pelas taxas sobre IMI e IRS
Mansão de Michael Jackson já foi vendida
Pai de Jessica Simpson é gay
Rui Rio: liberdade de expressão sem regras leva ao descrédito do regime
Disney compra produtora de "A Guerra das Estrelas", novo episódio da saga em 2015
Sindicatos da Administração Pública da UGT marcam greve para 14 de Novembro

Capa do Diário Económico Diário Económico

Fisco chama 62 mil empresas a pagar dívidas
Eni vende posição da Galp “muito brevemente”
CGD desconhece banco de fomento
Passos Coelho promete refundar o memorando mesmo sem o PS
Governo tem plano B de cortes na despesa que vale 823 milhões
Mais de 8.400 gestores constituídos arguidos por retenção de impostos
“Crise económica e de liquidez potencia crimes de abuso fiscal”

Capa do Jornal Negócios Jornal Negócios

Furacão Sandy já matou 48 pessoas nos EUA, 18 em Nova Iorque
A primeira página do Negócios da edição de hoje
Três carteiras de fundos diversificadas para investir até aos 65 anos
Como gerir as poupanças após a entrada na reforma
Receber o "pé de meia" de uma só vez ou em "prestações"
Agarre já a melhor taxa para as suas poupanças
Saiba quanto e como poupar para assegurar a educação dos filhos

Capa do Oje Oje

Portugal fora da rota do investimento imobiliário internacional
BP supera estimativas e eleva dividendo
Resultado líquido da Chrysler dispara 80% com subida de vendas
Bayer paga 852 milhões pela Schiff
A Proposta de Orçamento em poucas palavras
"O efeito perverso da demografia só se resolve com produtividade"
"Os principais inimigos da segurança social são os seus defensores"

Capa do Destak Destak

Confrontos étnicos no oeste da Indonésia causaram 14 mortos
Saúde já poupou 1,8 ME com reorganização do património ocupado por administrativos
Sindicatos dos transportes acusam GNR de agredir piquete de greve da Scotturb
Retoma do abastecimento de eletricidade nos EUA é "prioridade máxima" - Obama
Presidente timorense pede dedicação e disciplina às forças de segurança e defesa do país
Forças de defesa e segurança timorenses provaram estar aptas a cumprir o seu papel - Xanana Gusmão
Novas subscrições de PPR devem atingir mil milhões de euros em 2012 - APS

Capa do A Bola A Bola

Árbitro do Chelsea-Man. United chocado com acusações de racismo
«FC Porto cedeu por Hulk Benfica foi firme por Witsel», diz dirigente do Anzhi
Danilo invisível para Menezes
Furacão «Sandy» não afeta realização da maratona de Nova Iorque
Ana Carolina Sequeira apresenta as «Flashnews»
Messi, Aguero, Di Maria e Higuain na equipa de Garay (com vídeo)
Arsenal: «Vitória em Reading foi um milagre» - Wenger

Capa do Record Record

Renovação de Jesus fora dos planos
Betinho mantém-se
N'Gal: «Espero encontrar solução em janeiro»
Mais de 17 mil a segui-lo
Bebé marcou pelas reservas do United
Paulo Vinícius teve galo
Ronaldinho Gaúcho provoca Flamengo

Capa do O Jogo O Jogo

Wenger: "O milagre aconteceu"
Barcelona mais perto dos "oitavos" da Taça do Rei
Wiggins: bicicleta de ouro
Raikkonen desiste de lutar
Karabatic está de volta
Uma portuguesa na seleção espanhola
Toni falha liderança