Translator

sexta-feira, 31 de maio de 2013

KAOS:Há umnovo líder no maior partido da oposição?


mario soares pacheco pereira antonio jose seguro soartacus



Lisboa - O ex-chefe de Estado Mário Soares declarou esta sexta-feira, na conferência «Libertar Portugal da austeridade» na Aula Magna de Lisboa, que não considera este Governo legítimo e que a austeridade está a levar Portugal para o «abismo». 
 
«O Presidente da República tem feito tudo para proteger este Governo, que considera legítimo, mas não é verdade que o seja. Quando o povo, que é quem mais ordena, se manifesta praticamente todos os dias contra um Governo que elegeu com base em falsas promessas, que ignora a Constituição da República, não pode nem deve ser considerado legítimo», afirmou esta sexta-feira Mário Soares. 
Mário Soares considera que Cavaco Silva «será o responsável pela perda de paciência e de pacifismo que temos tido até agora». O antigo Presidente da República adverte que, se a situação não mudar, o povo pode tornar-se «progressivamente mais violento». «Pense senhor Presidente da República nas responsabilidades que lhe serão assacadas», disse. 
Segundo Mário Soares, Portugal está a passar por esta situação «porque o Governo é totalmente incompetente, está agarrado à ideologia neoliberal e à chamada austeridade, que destrói o Estado social, empobrece o povo", numa conjuntura que regista já "mais um milhão de desempregados». 
«As pessoas estão desesperadas, sofrendo os cortes sucessivos e anticonstitucionais. A austeridade imposta pela troika (Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Comissão Europeia) está à vista de todos: leva-nos ao desastre se não mesmo ao abismo», sustentou. Mário Soares apelou à acção dos portugueses contra «o medo, pela liberdade, pelo diálogo, pela conjugação de vontades», em nome de uma atitude patriótica.
Quando este, que tantas culpas tem em que tantos bandidos sejam hoje o que são e Portugal esteja no estado em que está, ainda acaba como o líder da oposição isso só mostra os estado a que chegámos. Está na hora de ir para as ruas, ocupá-las e exigir a dignidade que nos roubaram.