Translator

quinta-feira, 13 de junho de 2013

O JUIZ RUI TEIXEIRA PROIBE ACORDO ORTOGRÁFICO






Magistrado alega que as "actas não são uma forma do verbo atar" e que "os cágados continuam a ser animais e não algo malcheiroso"

O juiz Rui Teixeira, que conduziu a instrução do processo "Casa Pia" e que agora está colocado no Tribunal de Torres Vedras, não quer os pareceres técnicos sociais com o novo Acordo Ortográfico.
O magistrado enviou uma nota à Direcção Geral de Reinserção Social (DGRS) em Abril, onde se podia ler que esta "fica advertida que deverá apresentar as peças em Língua Portuguesa e sem erros ortográficos decorrentes da aplicação da Resolução do Conselho de Ministros 8/2011 (...) a qual apenas vincula o Governo e não os tribunais".
Ainda, segundo o Correio da Manhã, a DGRS pediu um esclarecimento ao juiz, tendo este respondido que "a Língua Portuguesa não é resultante de um tal «acordo ortográfico» que o Governo quis impor aos seus serviços", diz o juiz, acrescentando que "nos tribunais, pelo menos neste, os factos não são fatos, as actas não são uma forma do verbo atar, os cágados continuam a ser animais e não algo malcheiroso e a Língua Portuguesa permanece inalterada até ordem em contrário", escreve o Correio da Manhã.

BRAVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ.  

FERNANDO TAVARES