Translator

segunda-feira, 22 de julho de 2013

LEMBRANDO O FALECIMENTO DE UM AMIGO


Há 5 anos noticiavamos

JOÃO AZEREDO FALECEU


João e sua mulher Gobporn Azeredo, um casal feliz (foto do autor em 2006)
Depois de prolongada doença e a lutar pela vida, faleceu às três horas da manhã de 23.07.08, no "Lard Prao Hospital", em Banguecoque, João Azeredo, Adido Cultural da Embaixada de Portugal, na capital tailandesa. 
.
Doente desde há cerca de 8 meses, cujo  mal  do João se sabia ser-lhe fatal, continuava, dentro de si a vontade de viver. Já em estado "terminal", há cerca de uma semana, pedi a minha mulher, (mais corajosa do que eu) que visitasse o João Azeredo no hospital e encontrou-o já bastante debilitado, alimentado a "soro" e a respirar artificialmente. 
.
Levou-lhe um liquido fortificante e, no acto da entrega disse-lhe: bebe-o para que voltes forte: em sílabas respondeu a minha mulher:I hope so... (tenho esperança). 
.
Conheço o João Azeredo há uns 10 anos, na Embaixada de Portugal e durante as comissões dos embaixadores: Tadeu Soares, Lima Pimentel e Faria e Maya. 
.
As nossas áreas de serviço dentro da missão foram diferentes, mas sempre tivemos um óptimo relacionamento. Homem reservado, cumpridor das suas obrigações que era o ensino da língua portuguesa em duas universidades de Banguecoque. 
.
Parte dos livros que figuram na minha biblioteca ao João Azeredo lhos devo que nunca se haja esquecido de me oferecer exemplares que chegava duplicados de Macau ou do Instituto Camões de Lisboa. Partiu desta vida sem ter completado a obra que pretendia levar a efeito. Nem sempre as coisas lhe teriam sido fáceis, devido à falta de fundos. 
.
Escapou à morte durante a tragédia do "Tusnami" na estância balnear do Phuket em 26 de Dezembro de 2004, no primeiro andar do hotel onde estava hospedado mais a esposa. 
.
 Porém não escapou às leis da natureza que o levou deste mundo, ainda jovem e que muito haveria a esperar de João Azeredo. Eu e minha família apresentamos os sentidos pêsames à esposa, de nacionalidade tailandesa, Goporn Azeredo.
José Martins

Sem comentários:

Enviar um comentário