Translator

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Casca-lhes Alberto que me tens por perto


A mim, travestido de Cícero só me ocorre: “quousque tandem odiosus Cuniculus abuteris patientia nostra?”  
.
Governo que só corta em pensionista e funcionário é chupista e ordinário, é classista e salafrário é fascista e sectário.
Entraste, mansinho e furtivo, em S. Bento.
 Mas foste  muito assertivo   a prometer o contrário do que tens feito.
 Ainda assim, percebendo que doutra forma não corríamos com o desastroso zé trocas,  nós  mostrámos querer ajudar-te  a tapar buracos que outros abriram.  

Mas basta!

Para  aceitarmos que nos peças mais, tens primeiro de  pôr na ordem os grandes beneficiários desta enorme desordem.

Os banqueiros que chuparam, e desviaram dos seus fins o dinheiro confiado à sua guarda e administração, os consultores e advogados externos que, por  dolo ou incompetência,   têm induzido o Estado em aventureirismo e asneira, as  empresas quase monopolistas que disso se valem para fixar preços e salários (dos gestores) exorbitantes, as fundações, grupos de trabalho, comissões, missões, empresas, serviços, institutos, observatórios,  excedentários ou inúteis, os múltiplos e dissimulados  interesses  que, sugando o dinheiro que é de todos nós,  medraram e medram  desmesuradamente com  rendas, subsídios e benefícios ilegítimos e despudorados.

Quanto às forças armadas, carecidas de urgentes reformas sempre adiadas,  dá para  perceber que as nossas guerras agora já não são o que eram. Os que nelas militam querem por certo ser úteis. E a nós que as vemos de fora é tempo de nos certificares  que o são.

Ainda a justiça: enquanto continuar a passo de caracol,  os direitos cedem e o   oportunismo campeia.

Teu prazo já é curto. Se ainda podes,  mostra o que vales, cumpre o mandato que te demos e faz  o que é preciso. Se não,  vai-te e não chateies mais. Amavelmente… 
Texto, acima, foi enviado por um leitor deste blogue

Público
 D00CECAA-E168-4F5E-8A65-B38B370E12AC
 



Opinião
 
“O Governo e os funcionários públicos”
 
Por
Alberto Pinto Nogueira
(Procurador-Geral-Adjunto)
 
25/06/2013 - 10:28
Quando Freitas do Amaral me ensinava Direito Administrativo na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, dizia que funcionário público era o cidadão que prestava funções nos serviços do Estado, em prol do interesse colectivo, apenas ao serviço desse interesse. Também ensinava que, no fim da vida, ou quase, os funcionários tinham direito a uma reforma para o que o Estado lhes sacava todos os meses certa quantia.

Isto foi o que aprendi e ainda consta de qualquer manual daquele ramo do Direito.

Com os actuais gurus da política nacional, profundas alterações teóricas se processaram. Os funcionários públicos e reformados do Estado são agora um bando de centenas de milhares de inúteis, que assaltaram os dinheiros do Estado, que nunca trabalharam, nem trabalham. Por isso são odiados, massacrados, humilhados, como verdadeiros e únicos causadores da dívida e do défice.

Trabalhadores incansáveis, de sol a sol, úteis ao Estado e ao povo são os consultores de privatizações, os Borges e as sociedades de advogados chiques de Lisboa. E pagos a preços de centenas de milhares e mais centenas de milhares de euros.

E as parcerias público-privadas que, só de falar delas, tudo se incendeia como chegar fósforos a enxofre. Os bancos falidos. Os swaps e as rendas. Com  prejuízos de milhões, mais milhões, sempre mais milhões. É o empreendedorismo. A reforma do Estado.

Já toda a gente percebeu, e o Sr. Gaspar também, que, em matéria de cortes de salários ao funcionalismo público e de pensões, já se foi além do razoável e equitativo. Muito além. Um massacre.

O Governo é surdo e mudo e outras coisas. Só ouve, fala e obedece à sinistra troika, vai de derrota em derrota até 2015, se lá chegar e não ficar estilhaçado nas eleições autárquicas. O que bem merece.

Na  governação, como na vida, há um mandamento muito prático a seguir, diz Paulo Rangel: “não humilharás”.

Mentindo e manipulando os números, o Governo faz crer que o funcionalismo no país é muito superior à média europeia, o que é redondamente falso. Esconde que na União Europeia, entre 2005 e 2012, a percentagem do PIB atribuída a remunerações públicas se reduziu em 1% e em Portugal em 29%: 1/3 de redução nas remunerações e pensões. Que quer mais este Governo?

A pomposa reforma do Estado, no que se vê, resume-se a despedimentos, cortes nos salários e nas pensões.
Como se tal não bastasse, os génios da Gomes Teixeira adicionaram-lhe essa vergonha típica do país: os salários e subsídios em atraso.
Autoritário e pequenote , com perrice e mediocridade, amuado como um catraio, não engoliu a decisão do Tribunal Constitucional (TC) que manda pagar subsídios de férias e de Natal aos funcionários e pensionistas. Sem nenhuma razão, afrontou o TC e a lei, decidindo pagar em Novembro o que legalmente devia pagar em Junho. E foi a correr alterar a lei, com o apoio dos do costume.
Que Governo é este?
Um Governo que odeia, massacra e humilha os seus próprios trabalhadores.
Vá humilhando, Sr. Primeiro Ministro, vá humilhando. Não esqueça, porém, a História.
Olhe para o Brasil, Sr. Primeiro Ministro. O Brasil!

Procurador-Geral-Adjunto

Sem comentários:

Enviar um comentário