Translator

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

"O ISALTINO É O MAIOR!"

Isaltino e o Mito da "Geração Mais Qualificada"

A negação, repito , é o estado natural deste Portugal contemporâneo. O debate está entupido por mitos que se repetem de forma acrítica. Um dos grandes mitos é, sem dúvida, aquele que proclama a minha geração como a "mais qualificada" de sempre. Ora, gostava de salientar que uma geração com canudos não é necessariamente uma geração qualificada. 
.
Aliás, Portugal perdeu a correlação causa-efeito entre curso superior e preparação. Porquê? Existem várias razões, mas julgo que a mais importante é a seguinte: uma grande parte das pessoas que entraram na faculdade nas últimas décadas não é muito diferente de Relvas ou Sócrates, isto é, milhares e milhares de alunos só queriam o canudo para alimentar a snobeira do "Dr." antes do nome. A faculdade era uma questão de status, e não de formação académica. 
Um curso superior tem duas justificações. A primeira é a formação técnica para o mercado de trabalho. Como é que estamos a este nível? Em conversas com professores universitários e empresários, fico sempre com a ideia de que metade dos licenciados acaba o curso sem saber escrever, isto é, sem saber pensar. 
.
Ao nível dos conteúdos, os empresários também ficam de boca aberta perante a impreparação de muitos jovens. E convém ainda salientar o défice de alunos nas engenharias e matemáticas (fugir da matemática chegou a ser cool) e o excesso de universidades à la candonga. Não por acaso, as páginas de economia dos jornais estão cheias de peças sobre a falta de mão-de-obra em muitos sectores competitivos da economia portuguesa. 
.
Ou não existem candidatos suficientes para preencher as vagas, ou não existem candidatos à altura, ou as empresas têm de reeducar os melhorzinhos. O cenário, portanto, está longe da utopia da "geração mais bem preparada".  
A segunda e mais importante justificação de um curso superior reside na formação intelectual e até moral do cidadão no sentido clássico. Um curso não pode ser medido apenas pela sua utilidade económica. 
.
A licenciatura é, acima de tudo, um caminho intelectual que forma a nossa percepção do mundo e da res publica. Neste campo, o sucesso do ensino também não é significativo. Podia convocar muitos pormenores para ilustrar o ponto, mas por agora só preciso de um resultado eleitoral da noite de domingo: o Concelho com mais licenciados, Oeiras, elegeu um presidiário, Isaltino. Diz que é a "geração mais qualificada da história". 
Henrique Raposo
1 de Outubro de 2013

Sem comentários:

Enviar um comentário