Translator

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

"O PAULINHO BARDAMERDA - O VENDEDOR DE BALELAS"

.
Arroz e frutas portuguesas para a China e em força!

Portas anuncia visita de Governadores chineses a Portugal

Económico com Lusa  
04/11/13 09:17
.
Vice-primeiro-ministro diz que a visita de seis governadores chineses pode proporcionar novas oportunidades a empresas portuguesas.

Governadores de seis províncias chinesas, algumas das quais com mais de 50 milhões de habitantes deverão visitar Portugal em 2014, proporcionando novas oportunidades às empresas portuguesas, anunciou hoje o vice-primeiro ministro português Paulo Portas.

"De um ponto de vista económico e empresarial é mais simples encontrar escala nos mercados das províncias chinesas", disse Paulo Portas em Macau durante o seminário "Caminho das Exportações", organizado pelo semanário Expresso.

O vice-primeiro-ministro português não identificou os seis governadores, adiantando apenas que "o primeiro será o de Hubei", província do centro da China, com cerca de o dobro da área de Portugal e quase 60 milhões de habitantes."É uma aposta focada, e uma oportunidade de escala e de acesso significativa (para as empresas portuguesas)", afirmou Paulo Portas. 

Segunda economia mundial e país mais populoso do planeta com cerca de 1.350 milhões de habitantes, a China é constituída por 22 províncias, cinco regiões autónomas, quatro municípios directamente dependentes do governo central e duas regiões administrativas especiais (Hong Kong e Macau).
 

A China tem várias províncias com mais de 80 milhões de habitantes e a mais populosa, Guangdong, que confina com Macau, excede os cem milhões.

Paulo Portas chegou a Macau domingo à noite para participar na IV reunião do Fórum para Cooperação Económica e Comercial China-Países de Língua Portuguesa, vai decorrer amanhã e quarta-feira, sob o lema "Novo Ciclo, Novas Oportunidades".

Ainda no seminário do Expresso, o vice-primeiro-ministro português salientou que "a China foi determinante para o crescimento das exportações portuguesas em 2012".

"O relacionamento especial que Portugal tem com a China no quadro da União Europeia tem uma âncora mutuamente desejada em Macau e o interesse da China em Portugal e das empresas portuguesas na China vai continuar", disse.

Paulo Portas enalteceu o "pragmatismo" dos exportadores portugueses que, face à estagnação e até recessão em alguns dos clientes tradicionais de Portugal, designadamente na zona euro, "dirigiram-se aos mercados onde havia dinheiro".

O vice-primeiro-ministro apontou a "Ásia, e em particular as China" como um dos "quatro pilares" do crescimento das exportações portuguesas, juntamente com América Latina, África e o Golfo Pérsico.

"A nossa dependência dos mercados europeus diminuiu 10 pontos percentuais em 2012" e o crescimento das exportações para fora da União Europeia ficou muito perto dos 20%", referiu.

O seminário, realizado na residência do Cônsul-geral de Portugal, contou com a participação dos dois outros governantes que integram a delegação portuguesa à reunião do Fórum Macau: Luís Campos Ferreira e Pedro Gonçalves, secretários de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação e da Inovação, Investimento e Competitividade, respectivamente.

Além do anfitrião, o cônsul-geral Vítor Sereno, intervieram também, entre outros, o presidente do AICEP (Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal), Pedro Reis, o presidente da Autoridade Monetária de Macau, Anselmo Teng, o embaixador de Portugal em Pequim, Jorge Torres Pereira, o secretário-geral da CPLP, Murade Murargy, e a secretária-geral adjunta do Fórum Macau, Rita Santos.

Sem comentários:

Enviar um comentário