Translator

domingo, 9 de junho de 2013

PORTUGAL: "UMA NAÇÃO SOB O SIGNO DA DESGRAÇA"

Todos os dias fecham seis lojas no Porto

Publicado às 00.44

MARTA NEVES - JN
 
Todos os dias fecham seis lojas no Porto
foto Leonel de Castro / Global Imagens
  .
O comércio tradicional no Porto está a definhar, multiplicando-se o número de lojas fechadas. A crise e a consequente falta de poder de compra fazem com que, em média, seis estabelecimentos fechem por dia.
.
Não fossem os turistas que entram e saem curiosos das lojas espalhadas pela Baixa do Porto, e muitos estabelecimentos não teriam qualquer movimento. Há dias consecutivos em que as caixas registadoras não se "estreiam" e, com isso, o comércio tradicional vai sobrevivendo em agonia. .
Nas ruas, porta sim porta sim, repetem-se anúncios de "vende-se", "trespassa-se" e as "liquidações totais" chegam até aos 70%. Há um vazio latente até em espaços recentemente criados, como a Casa de Ló, na Travessa de Cedofeita, que ambicionava recuperar sabores tradicionais, mas onde só restam umas portadas grafitadas. Leia mais na edição e-paper ou na edição impressa

OS DOENTINHOS FAZ DE CONTA


As capas dos jornais e as principais notícias de Segunda-feira, 10 de Junho de 2013.



Capa do Correio da Manhã Correio da Manhã

Ic19: Choque fere quatro
Egito: Linchado por violação
Rones alemães: Merkel sob pressão
Guerra na Síria: Assad aponta a Aleppo
Penafiel: Feridos em autocarro
Manuel João Ramos: "Temo que o Estado não tenha capacidade"
Ler sobre o que é ser diferente

Capa do Público Público

Sócrates e Marcelo captam mais espectadores, Sarmento e Mendes não
Autor da fuga de informação sobre espionagem nos EUA revela identidade
Passos anunciou recandidatura para evitar oposição interna, diz Marcelo
Sócrates: “O PSD está à beira do tumulto”
Vettel vence tranquilamente no Canadá e consolida liderança do Mundial
Portugal está na fase final do Europeu de sub-19
Venda de bolo com 782 quilos apoia crianças com trissomia

Capa do Diário de Notícias Diário de Notícias

3195 euros separam pobres romenos e luxemburgueses
Se há mais risco de pobreza, vivemos pior, certo? Errado
Brincadeiras com as meninas pobres
Um piloto não se suicida na aterragem
Mulheres quebram 59 anos de tradição
Bairrismo e entrega para sair de cabeça erguida
Orgulho e confiança unem-se pela Ajuda

Capa do Jornal de Notícias Jornal de Notícias

Concerto dos Muse com robô e acrobatas
Deslize com a mão no ar e apague as luzes em casa
Foi um jovem de 29 anos que denunciou vigilância de comunicações pelos EUA
Todos os dias fecham seis lojas no Porto
Mulher ferida com gravidade por disparo de caçadeira
Polícia dispersa protestos em Ancara com gás lacrimógeneo e canhões de água
Bruma coloca Portugal no Europeu de sub-19

Capa do i i

Capa do Diário Económico Diário Económico

Cheias no centro da Europa já fizeram 13 mortos
Vettel impõe-se no Canadá
Seguro diz que Dilma está disponível para ajudar Portugal
Cavaco desafia portugueses a praticarem desporto
Dilma reúne-se hoje com António José Seguro
"Os portugueses estão muito unidos contra o Governo", diz João Semedo
Primeiro-ministro turco recebido por milhares de pessoas em Ancara

Capa do Jornal Negócios Jornal Negócios

Presidente francês diz no Japão que a "crise na Zona Euro acabou"
Seguro diz que Dilma está disponível para ajudar Portugal
Seguro afirma ver "com bons olhos" eventual entrada de capitais brasileiros na TAP
Dilma Rousseff reúne-se com Mário Soares na segunda-feira em Lisboa
Wolfgang Schauble diz que PME portuguesas têm 800 milhões à disposição
Poiares Maduro considera "absolutamente natural" recandidatura de Passos Coelho
Presidente da República desafia portugueses a praticarem desporto

Capa do Oje Oje

Governo e APB acordam redução de spreads na linha PME Crescimento
Programas de vigilância de telecomunicações são legais, diz Obama
Cinemas portugueses perdem 5,6 milhões de euros em receita até maio
Combate à corrupção é essencial para a retoma económica
PSI 20 fecha a ganhar impulsionado pela JM, Galp e EDP
"Há consenso sobre o investimento", diz Gaspar
Vítor Gaspar quer a CGD a liderar o crédito às PME

Capa do Destak Destak

Diferentes perspectivas de 60 anos da emigração portuguesa para o Quebeque
Presidente da Venezuela revela captura de paramilitares colombianos
Dez militantes talibãs mortos em ataque à zona militar do aeroporto de Cabul
Nova Zelândia volta a adiar análise da extradição de Kim Dotcom
Talibãs assumem ataque a aeroporto militar de Cabul
Shanghai General Motors chama à revisão mais de 200.000 veículos
AirAsiaX vai utilizar recursos de entrada em bolsa para mais que triplicar frota

Capa do A Bola A Bola

Paulo Fonseca apresentado hoje
Adrien disponível para ouvir propostas
Melgarejo recusa Fenerbahçe
Al Ahli ainda falou com Jesualdo
Freddy deixa Omonia e assina por ano e meio
«Foi o meu último jogo na Seleção Nacional» - Gert Engels
James em dúvida para o embate com o Peru

Capa do Record Record

Chelsea trabalha para Mangala
Markovic custa 10 milhões e é blindado por 40
Pep Guardiola já fala alemão
Com Modric em foco no ataque a Portugal
Wenger às compras
Esmael custa 500 mil euros
Ludovic agita o mercado

Capa do O Jogo O Jogo

Benfica sobe à I Divisão
Jordânia esmaga Kuwait (21-0)
"Zidane seria o treinador ideal para o Real Madrid"
Benítez quer Matías Fernández
Fernando Gomes felicita a seleção
Rodrigo nas "meias" do Europeu de Sub-21
Brasil vence França (3-0)

DIA DE PORTUGAL, DE CAMÕES E DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS

Neste dia tão importante, para nós portugueses, dedico à memória de Fernão Mendes Pinto a história a seguir e escrita há 7 anos.
.
Chamaram-lhe mentiroso depois de ter deixado de pertencer ao número dos vivos e de quando a sua obra a "Peregrinação" foi publicada depois de passados 30 anos após a sua morte.
.
Partiu de Lisboa em procura da aventura e fortuna no Oriente, em 1537, com a idade de 26 anos (alguns historiadores designam a data de 28 anos). Regressou à Pátria com os mesmos bens que tinha levado consigo. Porém com êle veio uma riqueza de conhecimentos, sobre a Ásia, que outro português do seu tempo trouxera para Portugal.   Quase no final de sua vida e pelos bons serviços que prestara à Pátria Portuguesa o Rei Filipe II de Espanha, ouvindo os apelos dos padres italianos João Pedro Maffel e Gaspar da Cruz, Reitor do Colégio de Santo Antão, concedeu-lhe uma tença anual de dois moios de trigo enquanto fosse vivo. Tença que demorou 25 anos até ser atendida! Ainda nesse ano a 8 de Julho Pinto deixou a vida terrena.
.
Ninguém melhor que Fernão Mendes Pinto descreveu, até hoje, as terras por onde andou, desde a costa oriental de África, Índia, Pegú, Samatra, Reino do Sião, Cambodja, China e Japão. Pinto tudo foi nessas viagens transbordantes de aventuras: Caminhante, cronista, soldado da fortuna, pirata, irmão jesuita e o primeiro embaixador de Portugal no Japão. Hoje era rico, no outro dia um Jó! Por onde vai passando encerra na sua privilegiada memória o que observa: a fauna, usos e costumes dos povos, tormentas dos oceanos a que a estas esteve sujeito, naufragando por várias vezes.
.
João de Barros, o cronista que escreveu as "Décadas da Ásia" serviu-se de informações de Pinto sobre o Japão, assim como o confessou, claramente, o italiano Giovani Botero na sua obra "Relações Universais", publicada em Roma em 1592. Já velho, cansado e desiludido do mundo, Fernão Mendes Pinto, sentado junto à margem do Tejo "roidinho de saudades" aguardava a chegava das caravelas vindas do Oriente. Quer saber coisas do que se vai passando na Ásia.
.
Era o feitiço da nostalgia oriental a tormentar-lhe a mente no fim de sua vida. Pinto quando começou a escrever a sua "Peregrinação", não teve qualquer desejo ou ambição de os relatos serem publicados. Poderemos, também, chegar à conclusão que o escritor escreve a obra com o "credo" no pensamento e o terror de ser levado ao Tribunal do Santo Ofício da Inquisição que imperou, como veículo de repressão, durante séculos e atingiu várias gerações de portugueses.
.
Porém Pinto ao principiar a "Peregrinação" diz que a obra era dedicada a seus filhos:
"Pois me quiz (Deus) conservar a vida para que eu pudesse fazer esta rude e tosca escritura, que por herança deixo aos meus filhos (porque só para eles é a minha tencão escrevê-la), para que eles vejam nela estes meus trabalhos e perigos da vida que passei no decurso de 21 anos". Terminou este testamento de família e morre cinco anos depois.
.
Passados 30 anos a obra foi publicada e, quantos teriam sido os cortes feitos pela serrilha da foice, severa, do inquisidor-mor, antes de ser conhecida do público. Assassinado um relato, impressionante, daquilo que Pinto viu e ouviu, nunca escrito por cronistas seiscentistas portugueses ou estrangeiros.
.
Conheceu no Oriente Francisco Xavier, foram amigos e emprestou-lhe dinheiro para que o "Apóstolo das Índia" construísse a primeira igreja no Japão. Fernão Mendes Pinto foi irmão jesuita. Mais tarde expulso da congregação fundada por Inácio de Loiola, cujo afastamento jamais teria sido aclarado. Aventaram a hipótese de que Pinto era "marrano" (1), ou, talvez, pelos "prazeres carnais", que certamente teria tido (o que não duvidamos), durante suas aventuras orientais. Pinto ao escrever a "Peregrinação" usa a prudência em não designar suas aventuras amorosas.
.
Entende-se que o cronista não quer chocar a família dando-lhe conhecimento das paixões amorosas e exóticas que teria tido na Ásia, cujo nestas, como Pinto, estiveram envolvidos: Luis de Camões; o escritor Venceslau de Morais; o poeta Camilo Pessanha e muitos outros, anónimos, e entre os quais o autor deste artigo. Pinto foi ferido pela seta do "Cupido" na ilha da espingarda, Tenagashima, no Japão.   A lenda ficou por lá até aos dias de hoje.
.
Todos os anos, nos festejos anuais realizados naquela ilha em honra da espingarda portuguesa, e que tudo leva a crer que foi Pinto que a introduziu na ilha após ali ter chegado nos anos de 1543 e teria sido (não oficialmente) credenciado como o primeiro embaixador de Portugal no Japão. A festa é dedicada, com todas as honras, a Portugal. Há disparos da espingardaria lusa do século XVI, quando ainda o disparo da bala não era accionado pelo gatilho, mas incendiada a pólvora com o morrão da mecha de algodão.
Pelas ruas de Tanegashima, uma caravela com as velas de Cristo, percorre as principais ruas. Uma multidão, entusiasmada, dá largas à alegria. No convés marinheiros portugueses trajados com fardas da época e o Fernão Mendes Pinto, todo garboso, na proa. Na ré a sua amada nipónica de longos cabelos, pretos, a flutuar no vento. Pinto partiu em busca de outras paragens e prometeu à sua amada - reza a lenda - já com um filho seu nos braços, que voltaria... nunca mais regressaria a Tenagashima e foi então que surge " o poema da verdadeira paixão que fascinou as duas culturas" (2) a japonezinha de cabelos negros e compridos e de olhos amendoados, todos os dias, em cima de uma rocha olha o horizonte do mar para o ocidente, na esperança do regresso do seu amado, Pinto, ao aconchego de seu seio.
.
Francisco Xavier morreu na Ilha de Sanchoão, na China, a cinquenta milhas de Macau. O apóstolo tomou base na ilha, local de marginais e piratas, na esperança de, um dia, penetrar na China e propagar o cristianismo. Nunca o conseguiu e morreu em 1552. O corpo de Francisco Xavier foi levado de barco para Malaca e dali para Goa, onde repousam suas osssadas. Fernão Mendes Pinto de tantas tormentosas aventuras na Ásia, estava em Goa e com o propósito de regressar a Portugal. Relata, assim, a chegada dos restos mortais de Francisco Xavier:
"Em nesse tempo o Padre Mestre Belchior determinou de ir numa fusta que o senhor viso-rey lhe deu, a buscar o corpo do Padre Mestre Francisco, que trazia hum irmão de Malaca, numa nao, a pola amizade passada que com elle tive, offerecy-me ao padre para ir com elle, como fui, e assi levou consigo três irmãos e 4 mininos da doutrina e a mim só, sem outro de fora. Andamos polo mar 4 dias com suas noutes, em busca e achamos a nao junto de Baticala, 20 légoas de Goa.....(3).
.
A fortuna não bafejou Pinto na terra do sol nascente e escreveu:
"....nas partes da China e Japão, e sempre me ocupey em aiuntar bens da terra que erão os que eu pretendia: somente em Japão, todalas vezes que lá fui ou mandey, acertei sempre perder; estando sempre penando nisto, queixando-me quam pouco ditoso fora em aquella terra, determineis de nunca tornar a ella, pois que todo me sucedia tão mal, e estando nisto, comecei a cuidar que, se tornasse, que me podia restaurar; acordando-me para confirmação do que me podia Deos ajudar, pois como ho dinheiro que eu tinha em Japão emprestado ao Padre Francisco, se ouve feito a igreja e casa da Companhia...." (3)
.
Poderá aqui entender-se que Pinto, neste seu relato de Malaca, em 1555, quando foi para Goa para embarcar para Portugal, as suas economias não estavam decadentes. Mas foi a Goa, talvez, para recuperar o empréstimo feito a Francisco Xavier no Japão. Em Goa teve conhecimento que Xavier tinha morrido e o seu corpo vinha de Malaca para Goa. Na mesma carta, mas adiante, escreve:
"..... E com esta determinação, cheguey a Goa, esperando as naos do reino para me partir logo, parecendo-me que minha glória e felicidade estava a entrar em Montemor com nove ou dez mil cruzados, e que com hum homem não roubasse os cális ou custódia da igreja, ou fosse mouro, que por nenhuma outra via se podia temer o inferno, e que bastava ser christão e que a misiricórdia de Deos era grande. (3)
.
As cerimónias fúnebres de Goa em honra de Xavier foram imponentes e com elas se aproveitam os jesuitas da propagação da fé. É então que Pinto influenciado pelo grande cerimonial foi aliciado pelos missionários e consagrou-se à ordem como irmão. Sabem os jesuitas que Pinto é uma figura com enormes conhecimentos da Ásia e, além de se aproveitarem da sua generosidade; ele é necessário para que os jesuitas o enviem, como mensageiro, a terras onde eles ainda não tinham chegado com a cruz. Com isto, também, o ter sido despojado das suas economias, grangeadas sabe Deus como...
José Feliciano de Castilho diz-nos:
"Acharam na Índia um homem aproveitável, por seu talento, sua influência, suas relações e suas riquezas: lançaram-lhe o arpéu. Chamaram-no ao confessionário, entregaram-no a direcção do mais hábil, preparam cenas de efeito, surpreenderam-lhe os votos, apoderaram-se da riqueza, negociaram com as suas virtudes e, seu exemplo, levantaram-no ao sétimo céu. Amaldicionado pela sua saída, conjugaram esforços contra o desgraçado (...); já o perseguem em Goa, a ponto de o constranger a fugir dali; já o enredam com o governo de Portugal, de modo que não recebam renumerações os seus serviços; já impoem os seus escritores sepulcral silêncio acerca de tão notável homem; já fazem espalhar as vozes mas desfavoráveis para o seu crédito; já enfim cometem, para prejudicá-lo, às mais vergonhosas falsificações".
.
No século XVI, pouco depois da sua obra ter sido publicada, o povo português estava habituado: a ver para crer e não aceita ou dá crédito as narrações; daquilo que Pinto dá conta do que tinha visto na Ásia e desde logo inventam: "Fernão, Mentes? Minto" Tem sido esta a ligação entre Pinto e a sua obra a "Peregrinação", ainda muito pouco conhecida a grandeza deste livro, pelos portugueses, que infelizmente:
" E o escritor é posto, assim, no rol dos aldrabões, que falam muito mas não dizem nada, uma espécie de vendilhões a tentar vender a sua banha da cobra, que ninguém está interessado em lhe comprar" (4).
.
Sobre a vida e obra de Fernão Mendes Pinto, poder-se-iam, em sua análise, escrever muitos milhares de páginas, em cima de tanto que viu e passou no Oriente.
Voltarei ao assunto.
José Martins
(1) Descendente de família judia ou cristão novo;
(2) Avelino Rodrigues "Japão Mendes e Macau" revista Macau;
(3) Carta do Irmão Fernão Mendes Pinto para os padres e irmãos de Portugal, Malaca, 5 de Dezembro de 1554. Documento existente na Biblioteca da Ajuda de Lisboa, 49-IV-49.Fls 186 v.-190 r (1) e publicada no volume 5 "Documentação para a História das Missões do Padroado Português do Oriente"", por António da Silva Rego em 1951.
(4) "Fernão Mendes Pinto - O outro lado do Mito -" de Maria Teresa Vale em 1985.

As capas dos jornais e as principais notícias de Domingo, 9 de Junho de 2013.




Capa do Correio da Manhã Correio da Manhã

Almada: Assaltam bombas
Despedimento coletivo subiu 41,5%
Greve: França cancela voos
Portugal: 67 mil euros falsos
Paredes: Jovens furtam cobre
Mirandela: Despiste fere família
Álcool: "Governo cedeu a lóbis"

Capa do Público Público

“A polícia conhece os terroristas um a um, sabe os seus nomes”
Vítor Pereira deixa FC Porto e assina pelo Al Ahli da Arábia Saudita
Suspeitos de tráfico de seres humanos agrediriam vítima a martelo
Sorteio do Totoloto
Mendes: erros do Governo ainda fazem de Seguro um estadista
Vettel interrompe domínio da Mercedes e lidera qualificação para o GP do Canadá
Brasil vai submeter médicos de Espanha, Cuba e Portugal a exame especial

Capa do Diário de Notícias Diário de Notícias

Desfiles já fazem mexer Lisboa
Marchas seduzem mais novos e agarram históricos bairristas
A Esquerda
Diz ele: chuviscou torrencialmente
Voos de e para França cancelados entre terça e quinta
Reaproveitamento de dispositivos de uso único louvado
Apelo à convergência na inauguração da Av. Álvaro Cunhal

Capa do Jornal de Notícias Jornal de Notícias

EUA e China chegam a entendimento sobre Coreia, alterações climáticas e cibersegurança
Portas do centro históricoes de Braga estão a ficar sem maçanetas
Associações de pais veem mais fome nas escolas
Supercola salva a vida a bebé de três semanas
Exame de Língua Portuguesa - 9.º ano: estar preparado é fundamental (I)
Sorteada chave do Totoloto
Vítor Pereira treinador do Al Ahli por duas épocas

Capa do i i

Capa do Jornal Negócios Jornal Negócios

PS: Passos Coelho parece interessado em planos de carreira e longe da realidade
Economista-chefe do FMI admite que "perdeu tempo" com a Grécia
Passos Coelho: Este é o momento mais adequado para investir em Portugal
Passos espera não ser necessária "outra medida" para assegurar exames nacionais
Coração desportivo
Trabalhadores Social Democratas reconhecem motivos para adesão à greve geral
Assunção Cristas considera que agricultura portuguesa está a atravessar boa fase

Capa do A Bola A Bola

Phil Neville anuncia fim de carreira
Esmael Gonçalves na lista de clube inglês
Sérgio Conceição quer Ivanildo
«Queremos que Balotelli seja um jogador, não uma personalidade» - Prandelli
Pizzi na agenda
Fenerbahçe tem pressa para levar Cardozo
Aprovada a constituição da SAD

Capa do Record Record

Helton desfez as dúvidas logo à nascença
Inácio já tinha alertado contra o desbarato
Markovic chega ao clube da Luz como bicampeão
Sadinos procuram um guarda-redes
Apenas 30 horas em solo suíço
Guarda-redes Caleb oficial por dois anos
Antunes está bloqueado

Capa do O Jogo O Jogo

Mangala associado ao Barcelona
Elias influente na vitória do Flamengo
"Foram quatro meses muito longos"
Espanha vence Haiti à tangente
Scolari não gosta da "imagem de coitadinhos"
Oficial: Vítor Pereira no Al-Ahli
Balotelli diz que não é o super-homem...