Translator

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

As capas dos jornais e as principais notícias de Sábado, 4 de Janeiro de 2014.


Capa do Correio da Manhã Correio da Manhã

Brasil treina polícias para aumentar segurança no Mundial
Saiba qual a região com o peixe mais caro
Quaresma perde 7 kg em 26 dias
Conheça a chave do Euromilhões
Atira mensagem ao mar e tem resposta 23 anos depois
Autarca impõe literatura erótica a biblioteca
Pelo menos 11 mortos em confrontos no Egito

Capa do Público Público

Os romenos, a “desumanidade” e o desemprego no Alentejo
Cinco ideias para 2014
Pangloss em Lisboa 2014
As amnistias fiscais em Portugal
A pensar nas legislativas
Arrumados
O trabalho não é uma mercadoria

Capa do Diário de Notícias Diário de Notícias

Cristiano Ronaldo condecora Cavaco
Qualquer coisinha, tenho fome
Três significativos episódios da sobranceria de arrivistas e da deplorável falta de chá
Centros de saúde que vão ao encontro dos doentes
Portuguesas surpreendem e escondem droga no cabelo
Primeiro prémio com "jackpot" de 127 milhões terça-feira
Bombeiro atropelado com gravidade em agosto ainda inativo

Capa do Jornal de Notícias Jornal de Notícias

Punido por criticar virgindade aos 26 anos
Neve e temperaturas glaciais matam e reduzem atividade no Nordeste dos EUA
Adolescente que morreu a conduzir carro dos pais procurava sinal de net
Euromilhões com "jackpot" de 127 milhões na terça-feira
Conheça a chave do Euromilhões
PCP diz que Governo está a especializar-se no "roubo por esticão"
Helton renova pelo F.C. Porto

Capa do i i

Tribunal de Contas recomenda decisões mais céleres em candidaturas a fundos europeus
Norueguês de 80 anos condenado por contratar prostituta
Fãs assinalam aniversário de Schumacher com vigília junto ao hospital
Agências de rating anunciam datas em que alteram notas de Portugal em 2014
PS prepara fiscalização sucessiva de normas sobre salários e pensões
Governo moçambicano prevê criação de mais de 183 mil empregos em 2014
Aprovação das medidas depende de concretização, dizem constitucionalistas

Capa do Diário Económico Diário Económico

Perdão fiscal rende 1,2 mil milhões de euros
Palavras de Bernanke insuficientes para animar Wall Street
Bernanke vê menos riscos para a economia americana
Box para televisão "made in" Minho lançada em Las Vegas
Empresa catalã La Seda entra em fase de liquidação
"Observador" é o novo projecto editorial de Relvas e Carrapatoso
Cavaco recebe na segunda director da Organização Mundial do Comércio

Capa do Jornal Negócios Jornal Negócios

Wall Street cai apesar de optimismo de Bernanke
Bernanke: Últimos dados são um "bom presságio para o crescimento económico dos EUA"
Todos os cubanos vão poder comprar carros novos, mas só ao Estado
Pires de Lima: Governo encontrou a "melhor solução" para colmatar chumbo do Constitucional
Governo prepara rectificativo para Orçamento do Estado em vigor há dois dias
Box para televisão "made in" Minho lançada em Las Vegas
Vem aí um novo jornal: chama-se "Observador", é digital e tem David Dinis como director

Capa do A Bola A Bola

OFI Creta insiste em Nuno Reis
Ricardo Esgaio deve rumar ao Cercle Brugge
Coritiba quer Danilo Dias
Elias treina-se com a B
Sub-21 jogam com Macedónia em Barcelos
Craques em jogo solidário (fotos)
Flavia Palmiero, a nova inspiração de Simeone (fotos)

Capa do Record Record

Siqueira é o "reforço" de Jesus
Ola John continua fora das opções
Derlis González: «Ainda ninguém falou comigo...»
Danilo Dias cobiçado pelo Coritiba
Enoh realizou ontem primeiro treino na equipa B
Saldo para desequilibrar
Rolando feliz pelo resgate

Capa do O Jogo O Jogo

Site italiano "afasta" Paulo Alves
Slask Wroclaw tenta Margaça
Rafael Nadal na final de Doha
Portugal defronta Camarões
Voltou a célebre frase de Maradona
Egípcio Hamoudi diz ter proposta do Braga
Elias integrado na equipa B

"EU AINDA QUERO VER, MOBILIZADA, TODA A GENTE DO MEU PAÍS NA RUA!!!..."


Sim na rua, pacificamente, com palavras, berros e assobios achincalhando a canalha de bardamerdas que nos têm governado mal e porcamente desde o fatídico dia que foi implantada a democracia que nunca funcionou. 
.
A canalha (outro nome não tem) em nome da democracia desgraçaram o meu país e de todos os portugueses. É preciso que a gente de Portugal entenda que  as revoluções se fazem pacificamente, cercando a Assembleia da República, as residências da canalha que tem o poder. 
.
O Povo tem que perceber a força que tem e ignorar a do Poder quando este é composto por uma cambada de "esquemistas", corruptos e outros, igual a escumalha de baixo estofo.
.
Não deixe de ver o video e entender o que se está a passar na Tailândia na luta contra os esquemas e a corrupção.


"NESTE PAÍS SEGUE TUDO FORA DOS CARRETOS!"


Fonte: Apodrecetuga blogue

"Aguentamos nós, um "crápula" na RTP, todos os domingos...."

Sócrates compra carro de luxo, com empréstimo? Pobre...



DÁ GOSTO LER... PASSAR OS OLHOS PELA IMPRENSA QUE COBRE DE NEGRO A NOSSA ESPERANÇA, E PERCEBER PARA ONDE EMPURRAMOS O PAÍS, TUDO PORQUE CONTINUAMOS EMPENHADOS EM ELEGER OS NOSSOS CORRUPTOS FAVORITOS, DOA A QUEM DOER, TEMOS QUE PERMANECER FIÉIS À NOSSA SEITA, NEM QUE PARA ISSO TENHAMOS QUE TRAIR O NOSSO PAÍS, OS NOSSOS FILHOS, AMIGOS, PAIS E AVÓS, DESTRUINDO-LHE O FUTURO. 
IRONICAMENTE PARECE QUE O IMPORTANTE É ZELAR PARA QUE OS NOSSOS POLÍTICOS DO CORAÇÃO, TENHAM O FUTURO DOURADO, COM CARRÕES, EMPREGO E VÁRIOS MILHÕES NA CONTA...  ATÉ PODEMOS PASSAR FOME, MAS O NOSSO PARTIDO E O NOSSO POLITICO, É O MAIOR!!! (LADRÃO)
PARA MILHÕES DE PORTUGUESES, OS GOVERNOS SÃO HONESTOS E BONS.
NÓS POVO É QUE SOMOS CORRUPTOS, INCOMPETENTES E GASTADORES.
NÓS É QUE TEMOS A MANIA DE IMAGINAR CORRUPÇÃO E INVENTAMOS TEORIAS DA CONSPIRAÇÃO.
NÓS É QUE TEMOS GRANDES CARROS, GRANDES CASAS, GRANDES CONTAS, GRANDES OFFSHORES, GRANDES REFORMAS, GRANDES TACHOS, GRANDES AMIGOS, GRANDES FAMÍLIAS COM GRANDES EMPREGOS, NÓS É QUE TEMOS FUNDAÇÕES, INSTITUTOS E OBSERVATÓRIOS PARASITAS, NÓS É QUE TEMOS GRANDES EMPRESAS COM APOIOS DO ESTADO...
SOMOS NÓS OS CULPADOS DA CRISE, SIM, POIS SOMOS, MAS PORQUE ELEGEMOS LARÁPIOS FAMINTOS DE DINHEIRO E PODER.


"Sócrates compra Mercedes de 95 mil euros, mas vai à RTP de Volkswagen alugado.
Um mês e meio depois de ter saído da liderança do Governo, José Sócrates comprou um Mercedes-Benz classe S 250 CDI em primeira mão, no valor de 95 mil euros, que continua em seu nome, apurou o CM. Anteontem à noite, porém, o ex-primeiro-ministro deixou o carro de luxo com o motorista e apresentou-se na RTP, para a sua primeira entrevista desde que regressou de Paris, ao volante de um Volskwagen Golf alugado.
Mas na RTP, afirmou: "A primeira coisa que fiz quando saí de primeiro-ministro foi pedir ao meu banco um empréstimo para ir viver um ano para Paris, sem nenhuma responsabilidade ao nível profissional."
O ex-líder do PS não referiu, porém, ter contraído qualquer empréstimo para comprar um classe S por 95 mil euros.
Isto apesar de, segundo as suas palavras, ter "uma única conta bancária há mais de 25 anos" e nunca ter tido contas a prazo, nem ações, nem offshores, nem contas no estrangeiro: "Fiz esse ano e meio de estudo [em Paris] e agora recomecei a trabalhar."
Sócrates falava do novo emprego como presidente do Conselho Consultivo para a América Latina da farmacêutica Octapharma, que teve negócios de sucesso com o seu governo.
Ao longo da carreira política, foi acumulando casos, a começar pela investigação ao licenciamento do Freeport, passando pela sua licenciatura em engenharia, técnica ou civil, até ao seu envolvimento num plano de controlo da comunicação social, apanhado em conversas com o amigo de longa data Armando Vara.
PARIS CUSTA 15 MIL EUROS/MÊS
Arrendou um apartamento no bairro 16, uma das zonas mais ricas da cidade, onde as rendas começam nos sete mil euros, e pagava uma propina de 1083 euros na faculdade. A escola privada do filho custava mais dois mil. Apreciador de restaurantes de luxo, com vinhos que custam 200 euros, as despesas mensais da vida de Sócrates em Paris atingiam os 15 mil euros.

CASOS SUSPEITOS

- FAVORECIMENTO A EMPRESA INVESTIGADO: Sócrates era secretário de Estado do Ambiente, em 1996, e foi o responsável político pelo lançamento do projeto do aterro da Cova da Beira. Foi investigado por suspeitas de favorecer a empresa do seu antigo professor António Morais, que foi acusado.
- DCIAP INVESTIGOU LICENCIATURA NA UNI: A licenciatura em engenharia civil na Universidade Independente (UnI), com notas lançadas ao domingo e quase todas as cadeiras dadas por António Morais, que foi arguido no processo Cova da Beira, foi investigada pelo DCIAP, que arquivou.
- SUSPEITO DE EXIGIR 500 MIL CONTOS: A investigação ao licenciamento do Freeport visou Sócrates, pelas decisões como ministro do Ambiente, mas nunca foi acusado. Em tribunal, testemunhas garantiram que Sócrates exigiu 500 mil contos (2,5 milhões de euros) para viabilizar o outlet.
- ATENTADO CONTRA O ESTADO DE DIREITO: Nas escutas a Armando Vara, José Sócrates foi apanhado a delinear um plano de controlo da comunicação social. O procurador da comarca do Baixo Vouga quis acusá-lo de atentado contra o Estado de Direito, mas o então PGR, Pinto Monteiro, travou.
- FARMACÊUTICA VENDE POR AJUSTES DIRETOS: Sócrates preside desde janeiro ao Conselho Consultivo para a América Latina da Octapharma, farmacêutica que controla o mercado dos derivados do plasma de sangue e que desde 2008 pode vender aos hospitais públicos por ajuste direto.

DEZ PERGUNTAS PARA JOSÉ SÓCRATES
1-  Manipulou as cúpulas do Ministério Público e da magistratura nos processos da Cova da Beira, Freeport e Face Oculta?
2 - Consegue provar que nunca teve na sua posse, ou na dos seus colaboradores, o despacho do PGR Pinto Monteiro que o tirou do processo Face Oculta antes de ele ser enviado para os autos?
3 - É verdade que tentou controlar toda a comunicação social portuguesa, como indiciam as escutas do processo Face Oculta?
4 - Não se sente corresponsável pelas imparidades da Caixa Geral de Depósitos e pelos abusos na concessão de crédito especulativo do banco público?
5 - Não se sente responsável pelas imparidades de centenas de milhões de euros concedidos a empresários amigos pela Caixa e outros bancos privados no assalto ao poder do BCP?
6 - Se não tinha poupanças e não tem rendimentos, como é que comprou o Mercedes em 2011?
7 - Como é que a CGD lhe dá um empréstimo para ficar em Paris sem garantias?
8 - Como é que a sua mãe comprou a casa em Lisboa através de uma offshore?
9 - Como é que arranjou dinheiro para comprar a casa num prédio de referência em Lisboa e como é que justifica o facto de o seu apartamento ter custado metade de outro idêntico vendido a outro comprador?
10 - Nunca tomou decisões no governo que envolvessem a farmacêutica que agora o contratou?

"ESTOU BEM, OBRIGADO E MUITO OCUPADO"
O CM tentou ontem contactar José Sócrates para que respondesse às questões, mas este não se mostrou disponível. Só ao terceiro telefonema atendeu a chamada, mas limitou-se a dizer: "Estou bem, obrigado, e muito ocupado." A CMTV deslocou-se também ao prédio onde tem um apartamento em Lisboa e tocou à porta, mas ninguém atendeu.
DO 'PÚBLICO' PARA RTP APÓS CASO ESCUTAS
Paulo Ferreira trocou o ‘Público' pela RTP três meses após o diário noticiar que a Presidência da República suspeitava de escutas por parte do governo socialista, liderado por José Sócrates. Uma notícia que surgiu em plena campanha eleitoral. Em novembro de 2009, o atual diretor de Informação da RTP entrou no canal como editor da Economia, cargo que ocupou até substituir Nuno Santos à frente da Informação da RTP, em dezembro de 2012." 
fonte

"A CORJA E A PULHICE"

Aprovado por unanimidade!. Ninguém na Assembleia da República contestou!
Em situações limites, há unanimidade. Ai não?!

Ninguém na Assembleia da República, da direita à extrema esquerda, contestou.  

É ou não possível haver unanimidade? É sim, senhor: foram eles os beneficiários…
A notícia é mesmo verdadeira e vem no Diário da República.
 

O orçamento para o funcionamento da Assembleia da República foi já aprovado em 25 de Outubro passado, fomos ver e notámos logo, contudo já sem surpresa, que as despesas e os vencimentos previstos com os deputados e demais pessoal aumentam para 2014.
 

Mais uma vez, como é já conhecido e sabido, a Assembleia da República dá o mau exemplo do despesismo público e, pelos vistos, não tem emenda.
 

Em relação ao ano em curso de 2013, o Orçamento para o funcionamento da Assembleia da República para 2014 prevê um aumento global de 4,99% nos vencimentos dos deputados, passando estes de 9.803.084 € para 10.293.000,00 €.
 

Mais estranho ainda é a verba relativa aos subsídios de férias de natal que, relativamente ao orçamento para o ano de 2013, beneficia de um aumento de 91,8%, passando, portanto, de 1.017.270,00 € no orçamento relativo a 2013 para 1.951.376,00 € no orçamento para 2014 (são 934.106,00 € a mais em relação ao ano anterior!).
 

Este brutal aumento não tem mesmo qualquer explicação racional, ainda assim fomos consultar a respetiva legislação para ver a sua fórmula de cálculo e não vimos nenhuma alteração legal desde o ano de 2004, pelo que não conseguimos mesmo saber as causa e explicação para tanto..
 

Basta ir ao respetivo documento do orçamento da Assembleia da República para 2014 e, no capítulo das despesas, tomar atenção à rubrica 01.01.14, está lá para se ver.
 

Já as despesas totais com remunerações certas e permanentes com a totalidade do pessoal, ou seja, os deputados, assistentes, secretárias e demais assessores, ao serviço da Assembléia da República aumentam 5,4%, somando o total € 44.484.054.
 

Os partidos políticos também vão receber em 2014 a título de subvenção política e para campanhas eleitorais o montante de € 18.261.459.
 

Os grupos parlamentares ainda recebem uma subvenção própria de 880.081,00 €, sendo a subvenção só para despesas de telefone e telemóveis a quantia de 200.945,00 €.
É ver e espantar!
 

Caso tenham dúvidas é só consultarem o D.R., 1.ª Série, n.º 226, de 21/11/2013, relativo ao orçamento de 2014, e o D.R., 1.ª Série, n.º 222, de 16/11/2012, relativamente ao orçamento de 2013.

Tio de Kim Jong-un foi comido vivo por 120 cães


3 de Janeiro, 2014
 
Jang Song-thaek, tio do ditador norte-coreano Kim Jong-un, terá sido despido, lançado para dentro de uma jaula e comido vivo por uma matilha de 120 cães famintos, relata um jornal chinês com ligações ao Partido Comunista da China, avançou esta sexta-feira a NBC News.O jornal "Wen Wei Po", de Hong Kong, informou que Jang e os seus cinco assessores mais próximos foram atacados por 120 cães de caça, que foram deixados sem comer durante cinco dias.
A execução demorou cerca de uma hora, sob o olhar atento de Kim Jong-un e o seu irmão Kim Jong Chol, com a companhia de 300 funcionários. A mesma publicação acrescenta ainda que as vítimas foram "completamente devoradas".
Jang foi executado depois de ser acusado de traição e corrupção, entre outros crimes. Uma execução que foi justificada por Kim num discurso de Ano Novo, onde chamou o tio de "escória".
A NBC News está a tentar confirmar as informações de forma independente, uma vez que o jornal "Wen Wei Po" é visto como um porta-voz do Partido Comunista da China, que se encontra dividido na relação ao regime norte-coreano.
SOL

"A SANTIFICAÇÃO DE UM CANALHA"

.
"Seguem por aí, estúpidos jornalistas, a escrever livros e a publicar merdas sobre o maior filho da mãe (não lhe damos o nome de filho da puta para não ofender a memória da mãe) que nasceu em Portugal no século passado. 
Nunca teve pátria e a que escolheu foi a União Soviética, comunista, de regime duro que para prevalecer, a ideologia criminosa, matou milhões de pessoas. 
Viveu na União Soviética à "grande e à  francesa". O regime comunista que optou, como oportunista, desmoronou-se cujas estátuas eregidas, em praças públicas, dos grandes líderes, num dia foram retiradas. 
Hoje o partido "cassete" (comunista) está a colocar no pedestal da memória um falso heroi, execrável, com comemorações para influenciar a juventude que não conheceu um "merdas" que por infelicidade, nossa, nasceu em Portugal". José Martins


Entrevista do jornalista Luís Soares ao dirigente comunista Manuel Rodrigues sobre as comemorações do centenário do nascimento de Álvaro Cunhal e reportagem da jornalista Célia de Sousa sobre o histórico líder do PCP.

"O SILVA DE BOLIQEIME UM VERBO DE ENCHER!!!...


A Frase

O Presidente da República inventou uma nova maneira de interpretar o seu etéreo cargo: a ausência. Não se mostra, não fala, não faz nada. Isto, como se calculará, é um método para evitar sarilhos: os dele e, sobretudo, os do país. Acabou, com o tempo, numa espécie de fantasma, em que já ninguém acredita. Ele também não se importa. Conta os dias para a reforma definitiva.
Vasco Pulido Valente, Público

O dia em que acabou a crise!

Partilho convosco este magnifico texto de Concha Caballero. Convido-vos a tomarem consciência da assustadora realidade, convido-vos a pensarem se este futuro que está à porta é o futuro que querem para vocês, para os vossos filhos, para os vossos netos.
É nossa responsabilidade contrariarmos este caminho, é nosso dever transformar as palavras de Cocha em ficção e não permitir que destruam ainda mais o nosso futuro e o dos nossos.
Concha Caballero
Concha Caballero
Concha Caballero é licenciada em filosofia e letras, é professora de línguas e literatura. Entre 1993 e 2008 ocupou um lugar no parlamento da Andaluzia onde chegou a ser porta voz do grupo esquerda unida.
Deputada autonómica entre 1994 e 2008 foi uma das deputadas chave na aprovação da Reforma do Estatuto Autonómico da Andaluzia a que imprimiu um caracter mais social e humano do que, no principio, os grupos maioritários do parlamento pretendiam.
Actualmente colabora em diferentes meios de comunicação. Escreve sobre actualidade politica. Em 2009 publicou o livro “Sevilha cidade das palavras”.
“O dia em que acabou a crise!
Quando terminar a recessão teremos perdido 30 anos de direitos e salários…
Um dia no ano 2014 vamos acordar e vão anunciar-nos que a crise terminou. Correrão rios de tinta escrita com as nossas dores, celebrarão o fim do pesadelo, vão fazer-nos crer que o perigo passou embora nos advirtam que continua a haver sintomas de debilidade e que é necessário ser muito prudente para evitar recaídas. Conseguirão que respiremos aliviados, que celebremos o acontecimento, que dispamos a actitude critica contra os poderes e prometerão que, pouco a pouco, a tranquilidade voltará à nossas vidas.
Um dia no ano 2014, a crise terminará oficialmente  e ficaremos com cara de tolos agradecidos, darão por boas as politicas de ajuste e voltarão a dar corda ao carrocel da economia. Obviamente a crise ecológica, a crise da distribuição desigual, a crise da impossibilidade de crescimento infinito permanecerá intacta mas essa ameaça nunca foi publicada nem difundida e os que de verdade  dominam o mundo terão posto um ponto final a esta crise fraudulenta (metade realidade, metade ficção), cuja origem é difícil de decifrar mas cujos objectivos foram claros e contundentes:
Fazer-nos retroceder 30 anos em direitos e em salários
Um dia no ano 2014, quando os salários tiverem descido a níveis terceiro-mundistas; quando o trabalho for tão barato que deixe de ser o factor determinante do produto; quando tiverem ajoelhado todas as profissões para que os seus saberes caibam numa folha de pagamento miserável; quando tiverem amestrado a juventude na arte de trabalhar quase de graça; quando dispuserem de uma reserva de uns milhões de pessoas desempregadas dispostas a ser polivalentes, descartáveis e maliáveis para fugir ao inferno do desespero, ENTÃO A CRISE TERÁ TERMINADO.
Um dia do ano 2014, quando os alunos chegarem às aulas e se tenha conseguido expulsar do sistema educativo 30% dos estudantes sem deixar rastro visível da façanha; quando a saúde se compre e não se ofereça; quando o estado da nossa saúde se pareça com o da nossa conta bancária; quando nos cobrarem por cada serviço, por cada direito, por cada benefício; quando as pensões forem tardias e raquíticas; quando nos convençam que necessitamos de seguros privados para garantir as nossas vidas, ENTÃO TERÁ ACABADO A CRISE.
Um dia do ano 2014, quando tiverem conseguido nivelar por baixo todos e toda a estrutura social (excepto a cúpula posta cuidadosamente a salvo em cada sector), pisemos os charcos da escassez ou sintamos o respirar do medo nas nossas costas; quando nos tivermos cansado de nos confrontarmos uns aos outros e se tenhas destruído todas as pontes de solidariedade. ENTÃO ANUCIARÃO QUE A CRISE TERMINOU.
Nunca em tão pouco tempo se conseguiu tanto. Somente cinco anos bastaram para reduzir a cinzas direitos que demoraram séculos a ser conquistados e a estenderem-se. Uma devastação tão brutal da paisagem social só se tinha conseguido na Europa através da guerra.
Ainda que, pensando bem, também neste caso foi o inimigo que ditou as regras, a duração dos combates, a estratégia a seguir e as condições do armistício.
Por isso, não só me preocupa quando sairemos da crise, mas como sairemos dela. O seu grande triunfo será não só fazer-nos mais pobres e desiguais, mas também mais cobardes e resignados já que sem estes últimos ingredientes o terreno que tão facilmente ganharam entraria novamente em disputa.
Neste momento puseram o relógio da história a andar para trás e ganharam 30 anos para os seus interesses. Agora faltam os últimos retoques ao novo marco social: um pouco mais de privatizações por aqui, um pouco menos de gasto público por ali e “voila”: A sua obra estará concluída.
Quando o calendário marque um qualquer dia do ano 2014, mas as nossas vidas tiverem retrocedido até finais dos anos setenta, decretarão o fim da crise e escutaremos na rádio as condições da nossa rendição.”